Unicef declara janeiro “mês sangrento” e as crianças pagam “o preço mais alto”

São as crianças que pagam “o preço mais alto” por guerras pelas quais não são responsáveis, afirmou o representante da Unicef para o Oriente Médio e do norte da África. Só em janeiro, pelo menos 83 crianças morreram em conflitos e ataques.

Nesta segunda-feira (5), a Unicef divulgou que pelo menos 83 crianças, a maioria síria, morreram durante o “mês sangrento” de janeiro, em conflitos e ataques registrados em países do Oriente Médio e do norte da África.

“A intensificação da violência no Iraque, Líbia, Síria, no Estado da Palestina e no Iêmen” teve consequências “devastadoras” para a vida das crianças, disse o diretor regional da Unicef para o Oriente Médio e o norte da África, Geert Cappelaere, em comunicado.

Geert Cappelaere realçou que são as crianças que pagam “o preço mais alto” por guerras pelas quais não são responsáveis. Só no mês de janeiro, 83 crianças morreram “em conflitos em curso, em ataques suicidas ou de frio ao fugir de zonas de guerra”, destacou o representante.

Na Síria, país que enfrenta desde março de 2011 um conflito civil, “59 crianças foram mortas nas últimas quatro semanas”, segundo a agência das Nações Unidas. No conflito no Iêmen, já classificado como uma das piores crises humanitárias dos últimos anos, 16 crianças perderam a vida “em ataques em todo o país”.

Em Benghazi, no leste da Líbia, “três crianças foram mortas em um ataque suicida e outras três quando brincavam perto de explosivos”. Uma mina tirou também a vida de uma criança na cidade velha de Mossul, no norte do Iraque, enquanto um menor foi baleado em uma localidade perto de Ramallah, na Cisjordânia, ocupada por Israel.

No Líbano, “16 refugiados sírios, incluindo quatro crianças, que fugiram da Síria morreram de frio durante uma tempestade severa”, referiu a Unicef.

“Não são centenas, nem milhares, mas milhões de crianças no Oriente Médio e no norte da África de quem roubaram a infância, que foram mutiladas, traumatizadas, presas, impedidas de ir à escola e privadas do direito mais básico, de brincar”, destaca o comunicado.

Em dezembro, a Unicef qualificou 2017 como um “ano pesadelo”, denunciando que os conflitos armados tinham afetado as crianças de maneira imensurável.

Em 2017, as crianças em zonas de conflito foram vítimas de ataques “em uma escala chocante”, fruto de um “desprezo generalizado e flagrante das normas internacionais que protegem os mais vulneráveis”.

No ano passado, segundo os números da Unicef, 5 mil crianças foram mortas ou feridas no Iêmen, 700 foram mortas no Afeganistão, centenas usadas como escudos humanos na Síria e no Iraque, 135 usadas como bombistas suicidas na Nigéria, 19 mil recrutadas pelo exército e grupos armados no Sudão do Sul.

O mesmo relatório indicou que na Europa, no leste da Ucrânia, mais de 200 mil crianças vivem sob a ameaça constante de minas e artefatos que não explodiram, que pegam para brincar ou pisam, morrendo ou sofrendo mutilações.

Para Geert Cappelaere, “podem ter silenciado as crianças, mas suas vozes continuarão sendo ouvidas”.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Satélites podem facilmente ser manipulados por hackers, alerta pesquisador

Talvez você já esteja por dentro da confusão toda em relação aos problemas que os satélites Starlink, da SpaceX, estão causando na comunidade astronômica. Os relativamente poucos satélites lançados (cerca de 240, como parte de um …

Na Índia, campanha faz semáforo voltar ao vermelho se os motoristas buzinarem demais

Se a Índia é um país famoso por sua religiosidade, sua culinária, suas belezas naturais e, sendo o segundo país mais populoso, por ser a maior democracia por eleitorado do mundo, ela também carrega a …

Secularismo e tolerância a minorias predizem a prosperidade de um país

Pesquisadores da Universidade de Bristol e Universidade do Tennesse analisaram dados de quase 500 mil pessoas de 109 países e concluíram que mudanças na cultura geralmente vêm antes da melhora na riqueza, educação e democracia. Os …

Estudo: declínio de abelhas se aproxima da extinção em massa

De acordo com um novo estudo liderado por cientistas da Universidade de Ottawa (Canadá), a probabilidade de uma população de abelhas sobreviver em qualquer lugar diminuiu 30% no curso de uma geração humana. Os pesquisadores sugerem …

Pesquisador diz ter descoberto droga capaz de apagar memória ruim de separação amorosa

Um pesquisador de Montreal, no Canadá, diz ter encontrado uma maneira de acabar com o sofrimento causado por uma separação traumática — ele "edita" as memórias dolorosas usando um betabloqueador e sessões de terapia. Alain Brunet …

Documento revela que Facebook poderia ter virado uma "Wikipédia da vida privada"

Steven Levy, conhecido editor da Wired, conseguiu colocar as mãos em algo que ele talvez nunca imaginou encontrar: um diário de Mark Zuckerberg, CEO e fundador do Facebook, datado de 2006 e que mostra algumas …

Missão suicida: satélite queimará na atmosfera da Terra, mas por uma boa causa

Na próxima semana, a Agência Espacial Europeia (ESA) vai destruir um satélite, lançando-o em direção à atmosfera da Terra, só para vê-lo queimar durante a reentrada. Sim, tudo de propósito. Trata-se de um experimento muito …

Pé Grande vagueia pelo Reino Unido enquanto centenas de relatos são registrados

Apesar de a lenda do Pé Grande ser tipicamente americana, centenas de pessoas relataram ter visto a enigmática criatura em diversas localidades do Reino Unido. Se por um lado o Reino Unido é um país relativamente …

Um terço de todas as espécies de animais e plantas pode desaparecer em 50 anos

Um novo estudo da Universidade do Arizona (EUA) estimou que um terço de todas as espécies de plantas e animais do planeta pode ser extinta em até 50 anos devido aos efeitos da mudança climática. Para …

Huawei ataca governo dos EUA e lembra caso Snowden

Em comunicado publicado nesta quinta-feira (13), a Huawei voltou a se defender dos ataques feitos pelos Estados Unidos nesta semana, afirmando que, se tem alguém envolvido com espionagem internacional, esse alguém é justamente o governo …