Asteroide “assassino de cidades” passou pela Terra quase indetectado

Pesquisadores do Royal Institution of Australia, uma organização científica australiana sem fins lucrativos, disseram que um asteroide com potencial para destruir cidades passou muito perto da Terra – e quase não o vimos.

Nomeado Asteroide 2019 OK, a rocha tinha cerca de 57 a 130 metros de largura e se movia em velocidade a uma distância de aproximadamente 73.000 quilômetros da Terra – menos de um quinto da distância até a lua.

“Francamente, deveria preocupar todos nós. Não é um filme de Hollywood. É um perigo claro e presente. Seria como uma arma nuclear muito grande”, esclareceu Alan Duffy, principal pesquisador do instituto australiano.

“É provavelmente o maior asteroide a passar tão perto da Terra em muitos anos”, complementou Michael Brown, astrônomo e professor da Universidade Monash, ao The Post. “Nos surpreendeu rapidamente”.

O asteroide foi detectado semana passada por duas equipes de astronomia diferentes, uma no Brasil e outra nos EUA. Os astrônomos não identificaram o objeto – de um tipo conhecido como “assassino de cidades” – até pouco tempo antes de se aproximar da Terra a cerca de 61 vezes a velocidade de um jato comercial.

Os dados sobre seu tamanho e órbita só foram compilados algumas horas antes de ele passar pelo planeta.

Para colocar seu tamanho em perspectiva, o incidente com meteoro de 2013 em Chelyabinsk, na Rússia, tinha apenas 20 metros de diâmetro e explodiu com mais energia do que uma arma nuclear.

Por que não o detectamos antes?

Como deixamos um asteroide tão grande quase passar despercebido? Justamente por conta de seu tamanho e órbita. Embora seja grande, o Asteroide 2019 OK não é do tamanho da rocha que causou a extinção dos dinossauros, por exemplo. Objetos deste tipo são detectados 90% das vezes por instituições científicas.

Além disso, o asteroide possui uma órbita muito elíptica. Segundo Brown, ele passou bem além da órbita de Marte, quase na órbita de Vênus, de forma que ficou difícil vê-lo de longe. Apenas três dias antes de seu encontro com a Terra, era mil vezes mais fraco para se detectar do nosso ponto de vista.

Por fim, há a questão da velocidade. Conforme se aproximava do planeta, o asteroide viajava a 24 quilômetros por segundo. As rochas espaciais detectadas recentemente possuíam velocidades entre 4 e 19 quilômetros por segundo.

Segundo os astrônomos, essa detecção de último minuto serve como um lembrete da ameaça real que asteroides podem representar para a Terra. Se tivesse nos atingido, teria sem dúvida resultado em incidentes devastadores.

Embora as chances de um grande asteroide “matar” uma cidade inteira sejam “modestas”, Brown afirma que vale a pena dedicar recursos para a detecção e prevenção destes tipos de objetos.

O Asteroide 2019 OK prova que existem outros por aí potencialmente perigosos dos quais não temos conhecimento, e eles podem se aproximar da Terra sem aviso prévio. De acordo com o The Washington Post, os astrônomos estão desenvolvendo pelo menos duas abordagens para tentar desviar asteroides possivelmente prejudiciais ao planeta.

Duffy explicou que uma das estratégias envolve empurrar o asteroide lentamente para longe da Terra, e a outra, chamada de trator de gravidade, usa a gravidade de uma espaçonave para desviar o objeto, se ele for detectado cedo o suficiente.

Ciberia // HypeScience / Futurism

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …