Caçador encontra primo do monstro do lago Ness em uma montanha

uaf.edu

Ilustração da vida marinha no Cretáceo criada pelo artista James Havens, de Amchorage, que trabalha com Pat Druckenmiller para interpretar realisticamente as formas de vida antigas. Ao centro, um elasmosaurus.

Ilustração da vida marinha no Cretáceo criada pelo artista James Havens, de Amchorage, que trabalha com Pat Druckenmiller para interpretar realisticamente as formas de vida antigas. Ao centro, um elasmosaurus.

Um caçador encontrou por acaso, nos montes do estado de Montana, os restos de um réptil extraordinário, que viveu há 70 milhões de anos numa região marítima onde hoje está localizada a América do Norte.

“Os representantes desta espécie de répteis são conhecidos por ter pescoço extremamente longo, que chega a possuir até 76 vértebras. Quando desenterramos esse esqueleto, ficamos muito surpresos — no seu pescoço havia 40 vértebras aproximadamente”, conta Patrick Druckenmiller, cientista da Universidade do Alasca.

Segundo descreve Druckenmiller em um artigo publicado esta quarta-feira (12) no Journal of Vertebrate Paleontology, trata-se de um parente do mítico monstro do lago Ness.

Enquanto estava caçando nas montanhas do estado de Montana em novembro de 2010, o caçador David Bradt encontrou os fósseis da criatura gigantesca, revelou o cientista.  Após horas caçando, Bradt, cansado, encontrou um ribeiro e desceu para pegar água. Ele notou algo parecido com tronco de árvore afundado e tentou tirá-lo.

Mas não se tratava de um tronco, e sim dos fósseis de um enorme réptil. Ao estimar o tamanho da criatura, Bradt pensou que poderia ter encontrado o esqueleto de um tricerátopo, pois estes dinossauros são geralmente encontrados no nordeste dos EUA, e enviou a foto de sua descoberta a paleontólogos da Universidade do Alasca.

A extração dos fósseis durou três dias e, após sua conclusão, ficou claro que essa “caça” não vivia na terra e sim no mar.

O animal é um representante da espécie do elasmossauro, ou seja, um réptil pré-histórico da ordem Plesiosauria, que faz parte de uma época longínqua da nossa: do período Cretáceo.

Quando o ‘primo’ do monstro do lago Ness era vivo, o continente americano era uma região marinha, completamente diferente da atual. Na região onde viveu a criatura misteriosa está localizada agora a América do Norte.

Duas ilhas gigantescas ocupavam a região — Laramidia e Appalachia. A linha de divisão entre elas alcançava centenas de quilômetros, onde hoje são encontrados Montana, outros estados centrais dos EUA e províncias canadenses.

O número pequeno de vértebras do réptil, que recebeu o nome Nakonanectes bradti em homenagem a Bardt e aos índios locais, surpreendeu os cientistas, pois significa que no fim do período Cretáceo existiam répteis com pescoços tanto longos como curtos. No entanto, esse fato contradiz a principal teoria de sua evolução.

A descoberta significa, de acordo com Druckenmiller, que os elasmossauros poderiam ter existido em etapas diferentes da evolução devido às condições climáticas do seu ambiente.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Documento revela que Facebook poderia ter virado uma "Wikipédia da vida privada"

Steven Levy, conhecido editor da Wired, conseguiu colocar as mãos em algo que ele talvez nunca imaginou encontrar: um diário de Mark Zuckerberg, CEO e fundador do Facebook, datado de 2006 e que mostra algumas …

Missão suicida: satélite queimará na atmosfera da Terra, mas por uma boa causa

Na próxima semana, a Agência Espacial Europeia (ESA) vai destruir um satélite, lançando-o em direção à atmosfera da Terra, só para vê-lo queimar durante a reentrada. Sim, tudo de propósito. Trata-se de um experimento muito …

Pé Grande vagueia pelo Reino Unido enquanto centenas de relatos são registrados

Apesar de a lenda do Pé Grande ser tipicamente americana, centenas de pessoas relataram ter visto a enigmática criatura em diversas localidades do Reino Unido. Se por um lado o Reino Unido é um país relativamente …

Um terço de todas as espécies de animais e plantas pode desaparecer em 50 anos

Um novo estudo da Universidade do Arizona (EUA) estimou que um terço de todas as espécies de plantas e animais do planeta pode ser extinta em até 50 anos devido aos efeitos da mudança climática. Para …

Huawei ataca governo dos EUA e lembra caso Snowden

Em comunicado publicado nesta quinta-feira (13), a Huawei voltou a se defender dos ataques feitos pelos Estados Unidos nesta semana, afirmando que, se tem alguém envolvido com espionagem internacional, esse alguém é justamente o governo …

Os efeitos políticos e religiosos do encontro entre Lula e o papa

Reunião no Vaticano vai além de troca de gentilezas entre dois líderes sul-americanos. Para especialistas, audiência tem repercussões para o ex-presidente, o PT e a própria Igreja Católica, que vive disputa de poder. A reunião entre …

Candidato de Macron à prefeitura de Paris renuncia devido a escândalo sexual

Reviravolta na campanha pelas eleições municipais em Paris a apenas um mês da votação. O candidato do partido presidencial, Benjamin Griveaux, renunciou nesta sexta-feira (14) à corrida pela prefeitura da capital. A decisão foi anunciada …

Sim, essa foto de uma manta rosa é real

A imagem acima foi publicada recentemente pela Australian Geographic. A cor pouco usual da manta, no entanto, chamou a atenção do público, que cogitou a utilização de Photoshop. O animal é realmente cor de rosa, no …

Vacina universal? Descoberto 'calcanhar de Aquiles' da maioria dos vírus

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos permitiu encontrar o "calcanhar de Aquiles" da maioria dos vírus que afetam a humanidade, descoberta que poderia levar a uma vacina universal. Os cientistas do Hospital Geral de Massachusetts (MGH), …

Rixa com Trump e Musk pode levar Bezos a concorrer à presidência dos EUA

Não é de hoje que Jeff Bezos, fundador da Amazon e da Blue Origin, nutre uma rivalidade com Elon Musk (fundador da SpaceX) e grande antipatia por Donald Trump.  Agora, essa rixa vem escalando a …