Cientistas explicam porque os extraterrestres são parecidos com o Homem

-

Em filmes de ficção científica e programas de TV, os aliens inteligentes possuem geralmente a mesma forma básica que os seres humanos: dois braços, duas pernas e uma cabeça. Mas será que criaturas que evoluíram em um planeta completamente diferente seriam tão semelhantes a nós?

A verdade é que os ETs tendem a parecer conosco na ficção científica por duas razões básicas: orçamento e empatia.

“A maioria dos alienígenas em ficção científica são humanoides porque são os seres humanos que fazem ficção científica”, afirma Michael H. New, especialista em astrobiologia da NASA. “Enquanto estamos interessados no ‘outro’, nossa concepção de alteridade é muitas vezes limitada”.

A maioria dos cientistas crê que os extraterrestes não seriam como os seres humanos.

Por exemplo, Stephen Jay Gould afirma que a vida que evoluísse em outro lugar seria totalmente diferente de nós. Inclusive, se “voltássemos a fita” para o início da vida na Terra, não iríamos acabar com a mesma forma.

Ele acha que o surgimento de humanoides é um evento inteiramente aleatório que não se repetiria mesmo com as condições exatas com que ocorreu.

Mas digamos que alienígenas nos visitem e sejam mesmo parecidos conosco, de alguma forma. Como explicar isso?

Panspermia

Esta é a explicação mais comum para criaturas que se parecem com a gente em outros lugares do universo.

Por essa teoria, alienígenas humanoides teriam espalhado seu DNA através da galáxia para dar origem a criaturas parecidas, ou o DNA teria se espalhado por conta própria, em asteroides e outros objetos espaciais.

Essa noção é mais fácil de acreditar do que a de que humanoides poderiam evoluir independentemente em outro lugar. Além disso, foi demonstrado que a panspermia é um mecanismo viável, então o intercâmbio de material genético entre mundos não está totalmente fora de questão.

(dr) Ridley Scott

Prometheus, Ridley Scott (2012)

Prometheus, Ridley Scott (2012)

No entanto, há quem pense que alguma intervenção externa para explicar alienígenas humanoides ainda seria necessária. A explosão cambriana na Terra, 600 milhões de anos atrás, viu uma grande dose de experimentação evolutiva com formas corporais, sendo que algumas poderiam ser um vislumbre de como a vida seria em outros planetas.

Além do mais, conforme defende a bióloga Joan L. Slonczewski, a panspermia só é realmente provável no nível microbiano.

Evolução convergente

Aliens humanoides também poderiam ter evoluído em outros planetas por causa de uma coisa chamada de “evolução convergente”.

certas características que nos ajudaram a superar outros primatas, como polegares opositores que nos permitem segurar ferramentas, e andar de forma ereta. Finalmente, ter sangue quente nos ajudou a alimentar nossos cérebros grandes.

Logo, alguns cientistas pensam que há uma boa chance de que a vida alienígena inteligente tenha evoluído de forma semelhante. Isso não significa que eles seriam superparecidos conosco – por exemplo, a postura ereta bípede parece ter evoluído independentemente em vários contextos, de suricates a velociraptors.

Talvez faça sentido ter dois pés para se mover, duas mãos para manipular as coisas e uma cabeça sensorial com uma visão tão ampla quanto possível.

Além disso, já vimos exemplos suficientes de evolução convergente na Terra para acreditar que isso poderia acontecer em outros planetas. O olho foi reinventado muitas vezes de forma independente, assim como asas em insetos, pássaros e morcegos.

Por fim, alguns biólogos argumentam que um número limitado de soluções de engenharia é possível quando se trata de formas de vida bem-sucedidas – embora alguns fatores possam deixá-las um tanto quanto diferentes, como a gravidade, que pode limitar o tamanho das formas vivas.

Simetria bilateral

Mesmo que uma silhueta humana seja pouco provável em aliens, ainda é possível que a simetria bilateral seja uma constante entre as formas de vida inteligente.

Isso se refere ao fato de que seus lados esquerdo e direito são mais ou menos iguais, com um olho, uma orelha, um braço e uma perna em cada lado.

A simetria bilateral apareceu várias vezes na evolução de organismos maiores na Terra. Ela pode ser uma característica comum da vida inteligente, independentemente da forma corporal.

Ela significa que você terá um número par de membros – e este provavelmente vai ser quatro, ao invés de seis ou mais. Por quê? Na Terra, muitos animais têm quatro membros, de forma que esse número parece ser altamente vantajoso.

Mecanicamente, essa pode ser uma solução muito boa para atravessar uma paisagem acidentada. E uma vez que você tenha formas de vida quadrúpedes, alguma vai começar a usar seus membros dianteiros para manipular ferramentas. O próximo passo é desenvolver alta inteligência.

Assim, assumindo que um alien inteligente é simétrico e tem alguns de seus membros dedicados ao uso de ferramentas, ele pode acabar parecendo bípede. Órgãos sensoriais, como os olhos, terão que estar voltados para frente e não muito longe dos membros que usam ferramentas. O que significa que ele terá uma espécie de cabeça.

Em resumo, esses dois fatores – simetria e uso de ferramentas – podem deixar os aliens pelo menos vagamente semelhantes a uma forma humana.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …

Combate à corrupção reduz mortalidade infantil, aponta estudo

Auditorias anticorrupção realizadas em municípios brasileiros entre 2003 e 2015 reduziram a mortalidade infantil. Esta é a principal conclusão de um estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, que relacionou o …

2.300 maneiras de prevenir o Covid-19 foram mapeadas por universidade brasileira

Está disponível online a Plataforma das Universidades contra COVID-19 organizada pelo Projeto Ciência Popular e desenvolvida em parceria com a Empresa Júnior de Sistemas de Informação da EACH/USP (Síntese Jr.). Em setembro havia sido publicado o …

Debate nos EUA: Trump não disse nada de novo para reverter vantagem de Biden, diz historiador

O segundo e último debate entre o presidente americano, Donald Trump, e seu rival democrata Joe Biden, nesta quinta-feira (22), em Nashville, foi mais civilizado do que a primeira confrontação entre os dois candidatos …

Mais humanos estão evoluindo para ter três artérias nos braços; entenda porquê

Não se engane ao achar que o corpo humano não está em constante evolução. Pesquisadores australianos descobriram recentemente que o nosso organismo parece estar, aos poucos, desenvolvendo uma nova artéria no braço: a artéria mediana. Esse …