Enchentes prendem centenas em metrô e deixam mortos na China

Farhana Asnap / World Bank

Chuvas recordes assolam a metrópole de Zhengzhou. Mais de 500 pessoas são resgatadas de vagões e túneis do metrô alagados, e 200 mil são obrigadas a deixar suas casas. “A situação é extremamente grave”, diz presidente.

Chuvas recordes causaram inundações massivas na metrópole chinesa de Zhengzhou, capital da província de Henan, no centro da China. Nesta quarta-feira (21/07), as autoridades locais reportaram 25 mortes, mas há temores de que mais corpos sejam encontrados – sete pessoas estão desaparecidas.

As enchentes transformaram ruas em rios e inundaram o metrô da cidade, deixando centenas de pessoas presas em trens e nos túneis. Mais de 500 teriam sido resgatadas.

Vídeos que circulam nas redes sociais mostram uma estação transformada numa gigante piscina e passageiros dentro de um vagão com a água na altura do peito. Socorristas tiveram que romper o teto do trem para salvar as pessoas, segundo a mídia local.

Outras imagens mostram pedestres sendo resgatados em meio à correnteza em ruas da cidade às margens do rio Amarelo. Pelo menos quatro pessoas morreram na cidade vizinha de Gongyi, onde casas e muros desabaram. A agência de notícias Xinhua acrescentou que as chuvas causaram vários deslizamentos de terra na região.

Uma barragem se rompeu, e cerca de 200 mil moradores da metrópole de 10 milhões de habitantes tiveram que deixar suas casas. Entre eles havia cerca de 600 pacientes gravemente enfermos de um hospital da Universidade de Zhengzhou.

Soldados foram acionados para reforçar com sacos de areia o leito de um rio próximo à barragem rompida. Segundo a agência de notícias Xinhua, as Forças Armadas enviaram 5.700 soldados para operações de resgate e limpeza, e também foram alocados 1.800 bombeiros.

Na manhã desta quarta-feira, o Exército chinês comunicou ter realizado operações com explosivos na barragem e que as tropas “abriram com sucesso um novo desvio de inundação” – as medidas fizeram com que o nível da água caísse, e o “perigo foi efetivamente controlado”.

As chuvas também deixaram vários edifícios residenciais sem água e eletricidade em Zhengzhou, além de paralisar o transporte público e forçar o cancelamento de centenas de voos, rotas de ônibus e trens.

Hospitais e escolas ficaram ilhados, com crianças impedidas de voltar para casa desde terça. Moradores afetados pelas enchentes se abrigaram em bibliotecas, cinemas e museus.

As autoridades emitiram o mais elevado nível de alerta para a província de Henan, que continua sendo assolada por chuvas. A previsão é que as precipitações continuem pelos próximos três dias. Outras cidades da província também foram alagadas.

Também foram emitidos alertas sobre o possível rompimento de outras barragens.

Chuva de oito meses em três dias

Segundo as autoridades, as chuvas na região foram as mais intensas desde que tiveram início os registros, há 60 anos. Em Zhengzhou, choveu em apenas três dias o equivalente à média de precipitação em oito meses. As chuvas foram causadas pelo tufão In-Fa, que também causou um clima turbulento nas províncias de Zhejiang e Fujian.

“Esta é uma chuva que se vê uma vez em cem anos. A situação é sombria”, afirmou o centro de controle de inundações de Zhengzhou. Já a mídia local citou meteorologistas que teriam dito se tratar de um nível de precipitação visto uma vez a cada mil anos.

Soldados foram acionados para reforçar com sacos de areia o leito de um rio próximo à barragem que se rompeu. Também foram emitidos alertas sobre o possível rompimento de outras barragens.

O presidente chinês, Xi Jinping, descreveu a situação como extremamente grave. “Alguns reservatórios romperam […] causando ferimentos graves, mortes e danos materiais. Já entramos num estágio crítico de controle de enchentes”, afirmou. “Salvar vidas é a principal prioridade.”

Fortes tempestades também foram registradas no sul da China, onde outro tufão, chamado Cempaka, atingiu a costa perto da cidade de Yangjiang, na província de Guangdong, com ventos de até 110 quilômetros por hora. Houve também inundações no norte da China, na província da Mongólia Interior. Os danos à agricultura foram estimados em cerca de 84 milhões de dólares.

Inundações anuais durante a estação chuvosa costumam afetar ruas, plantações e residências na China. Mas a ameaça aumentou ao longo das décadas, em parte devido à construção de barragens e diques que interromperam as conexões entre o rio Amarelo, o segundo mais longo da China, e lagos adjacentes.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …