Você acha que toma boas decisões? Enigma do trem nos faz questionar

Você tem apenas dez segundos para tomar uma decisão: se não fizer nada, cinco pessoas vão morrer. Se puxar a alavanca, serão salvas, mas, como consequência, outra pessoa morre. O que você faria?

O problema, conhecido como “Dilema do Trem”, é um cenário clássico entre filósofos e sociólogos, comumente utilizado para estudar a forma como tomamos decisões e para confrontar diferentes perspectivas sobre a mesma situação.

Por um lado, há quem acredite que o correto seria causar o menor dano possível. Para essas pessoas, a opção mais sensata seria puxar a alavanca, de forma a salvar mais vidas, mesmo que uma pessoa acabe morrendo.

Mas, do outro lado, estão pessoas que argumentam que intervir nesta situação seria imoral, causando sofrimento que não aconteceria sem a nossa interferência, mesmo que por boas intenções.

As perguntas são infinitas: salvar cinco pessoas é melhor que salvar apenas uma? É correto salvar cinco pessoas, mas matar uma que não estava correndo risco? Quem escolheu não puxar a alavanca, mudaria de opinião caso se tratassem de 100 pessoas em risco de vida e não cinco?

Dries Bostyn, sociólogo da Universidade de Gante, na Bélgica, refere que o dilema “é sobre o bem-estar do individuo em contraponto ao bem-estar de um grupo”.

O sociólogo liderou uma equipe de especialistas que tentou aplicar na prática esse dilema hipotético. Assim, os pesquisadores usaram um caso diferente, mas que segue a mesma lógica. Bostyn reuniu um grupo de 300 voluntários e avançou com a experiência.

Em uma jaula, há cinco ratos e em outra apenas um. Em 20 segundos, caso o participante não faça nada, os cinco ratos vão sofrer um choque elétrico que causará dor aos animais. Se antes do tempo acabar, os voluntários apertarem um botão, apenas um rato, que se encontra em outra jaula, levará o choque elétrico.

De acordo com o sociólogo, 66% dos participantes disseram que apertariam o botão para salvar os cinco ratos, em detrimento do rato solidário. Os outros 34% disseram que não fariam nada e, consequentemente, deixariam os cinco ratos receber a descarga elétrica.

Posteriormente, os especialistas colocaram outro grupo de voluntários perante a situação real e o resultado foi diferente. Neste caso, 84% dos voluntários apertaram o botão para salvar a vida dos cinco animais. Somente 16% não fizeram nada.

Para Bostyn, o resultado demonstra que: “o que as pessoas pensam não corresponde ao que elas fazem na prática”.

Segundo os pesquisadores, o resultado mais interessante foi o sentimento contraditório dos participantes. “Foi fascinante ver que as pessoas achavam ter tomado uma boa decisão e depois pedirem desculpas pela escolha. É uma questão muito interessante para se estudar no futuro”, diz Bostyn.

No entanto, a experiência tem várias limitações, principalmente por ser muito difícil comparar a morte de um roedor com a morte de um ser humano.

Mas voltando ao dilema: mudou de opinião?

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Polônia é multada em € 1 milhão por dia por desobedecer decisão judicial da UE

A Polônia foi condenada nesta quarta-feira (27) a pagar para a Comissão Europeia, órgão Executivo do bloco, uma multa diária de € 1 milhão por não ter encerrado as atividades da câmara disciplinar da …

Startup ajuda pequenas empresas a monitorarem vacinação dos funcionários

A startup brasileira White Tents lançou uma versão em formato freemium — isto é, gratuita mas com alguns recursos pagos — de sua plataforma digital para pequenas empresas que queiram monitorar a vacinação de até …

Argentina vacinará brasileiros na região de fronteira e turistas estrangeiros menores de 18 anos

O governo argentino anunciou uma nova flexibilização para a entrada de estrangeiros no país, a vacinação de turistas menores de 18 anos e de cidadãos de países vizinhos que atravessarem a fronteira por via …

CPI da Pandemia conclui trabalhos e pede o indiciamento de Bolsonaro

Senadores aprovam relatório sobre atuação do governo na crise do coronavírus que propõe punição de 78 pessoas e duas empresas, após seis meses de depoimentos, coleta de provas e repercussão na mídia. A CPI da Pandemia …

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …