Estudo de esqueletos de 200 gerações revela como humanos evoluíram para lutar contra germes

Estudiosos analisaram cerca de 70 mil esqueletos de 200 gerações a fim de entender como a humidade passou por pandemias anteriores. Os estudos foram feitos acerca de doenças infecciosas como tuberculose, treponematose e hanseníase.

Os pesquisadores Maciej Henneberg e Teghan Lucas, da Universidade Flinders, e Kara Holloway-Kew, da Universidade Deakin, na Austrália, analisaram dados coletados de 69.379 esqueletos antigos, abrangendo um período de cerca de 200 gerações, a fim de estudar a propagação de doenças infecciosas como tuberculose, treponematose e hanseníase. A ideia da pesquisa surgiu por conta do impacto da COVID-19 no mundo, visando avaliar, através do estudo de esqueletos, a capacidade evolutiva humana de combater pandemias anteriores.

Para obter dados sobre tuberculose, foram checados ossos de três períodos diferentes de tempo compreendido entre 7250 a.C. e 1899 d.C. Todos os casos de treponematoses da América datados de 6 mil a.C. até o presente foram analisados. Treponematose é um termo amplo usado para descrever quatro doenças distintas: bouba, pinta, sífilis endêmica e sífilis venérea. E para estudar a evolução humana a respeito da hanseníase, popularmente chamada de lepra, foram usados mais de 17 mil esqueletos do total datados entre 3125 a.C. e 1905 d.C.

De acordo com o estudo divulgado no Plos One, certos patógenos, como os que causam as três doenças estudadas, demoram para se reproduzir e se espalhar e podem deixar marcas distintas no osso antes de matar o hospedeiro, explicam os pesquisadores.

O estudo sugere que esses patógenos causaram mais alterações no esqueleto quando se espalharam pelas populações humanas, mas se tornaram menos comuns nos últimos cinco mil anos. Os pesquisadores afirmam que os germes sofreram mutação para infectar humanos antigos para que pudessem se replicar e, como resultado, a gravidade das doenças foi reduzida com o tempo.

“Os patógenos podem matar o hospedeiro humano ou invadir o hospedeiro sem causar a morte, garantindo sua própria sobrevivência, reprodução e disseminação. Tuberculose, treponematose e hanseníase são doenças infecciosas crônicas generalizadas onde o hospedeiro não é morto imediatamente”, disse o professor Henneberg, anatomista e antropólogo biológico.

Teghan Lucas também destaca o fato de que os germes se tornaram mais transmissíveis e menos mortais com o tempo, mas também a importância da paleontologia no estudo de doenças.

“A paleopatologia está se tornando uma disciplina cada vez mais popular que permite que doenças que se manifestam em tecidos duros sejam estudadas em populações passadas porque as doenças ficam preservadas enquanto os restos do esqueleto existirem. Devido à preservação dos sinais patológicos nos esqueletos, é possível rastrear o processo de coevolução das três principais doenças infecciosas, desde que os espécimes foram encontrados”, explicou.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Ferido em tiroteio, Presidente do Chade morre depois de 30 anos no poder

O Presidente do Chade, Idriss Déby Itno, no poder há 30 anos, morreu nesta terça-feira (20) em decorrência de ferimentos que sofreu no fim de semana, quando comandava uma operação do Exército no combate …

O que acontece com as doses das vacinas AstraZeneca e Janssen que países europeus decidiram não usar?

Enquanto alguns países lutam para obter mais vacinas, outros se perguntam o que fazer com as doses que encomendaram, mas não usarão mais por causa de preocupações com sua segurança. Vários países restringiram o uso das …

Flávio Bolsonaro trabalha com nome favorito para indicação ao STF, diz jornal

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, é o nome preferido de Flávio Bolsonaro para ser o próximo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com a jornalista Bela Megale, do jornal …

Greta Thunberg doa 100 mil euros a consórcio de vacinas

A ativista do clima sueca Greta Thunberg anunciou nesta segunda-feira (19/04) que a fundação que leva seu nome doará 100 mil euros ao consórcio Covax Facility, um programa apoiado pelas Nações Unidas que visa um …

Nasa faz história com primeiro voo de helicóptero direto de Marte

A Agência Espacial dos EUA (NASA) conseguiu executar o primeiro vôo do helicóptero Ingenuity, um pequeno robôzinho voador que vai pairar pela atmosfera de Marte. A máquina conseguiu levantar aos ares do planeta vermelho nessa segunda-feira …

NASA lança telescópio para captar partículas da borda do Sistema Solar

Todo o Sistema Solar está à deriva em um aglomerado de nuvens, uma área limpa por antigas explosões de supernovas. Os astrônomos chamam essa região de Bolha Local. Uma nova missão da agência espacial norte-americana NASA …

Depressão pode ser diagnosticada com um simples exame de sangue

Um exame recém-desenvolvido que monitora biomarcadores sanguíneos ligados a distúrbios de humor poderia levar a novos métodos de diagnosticar e tratar a depressão e o transtorno bipolar, com um simples exame de sangue. Embora a depressão …

EUA aplicaram vacina contra covid-19 em mais da metade dos adultos

Governo americano afirma que quase 130 milhões de pessoas com mais de 18 anos receberam pelo menos uma dose do imunizante contra o coronavírus no país. Mais da metade de toda a população adulta dos Estados …

Covid: Variante acelera intubação de jovens e SP orienta procurar ajuda no 1º dia de sintomas

O avanço da variante P.1, descoberta em Manaus em janeiro, levou a cidade de São Paulo a mudar sua orientação para todos aqueles que forem infectados por coronavírus. Agora, eles devem procurar uma unidade de …

Nepal vê população de rinocerontes aumentar com queda de turismo por pandemia

O Nepal está vendo um crescimento em sua população de rinocerontes. O país abriga boa parte dos dos rinos com um chifre só e eles estão ameaçados de extinção. O país observou que, durante a pandemia …