Ex-funcionária que fazia curadoria de notícias detona Facebook

O Facebook está atolado até o pescoço na nova polêmica relacionada a notícias falsas veiculadas em sua rede social. A coisa está tão feia que a empresa vem sendo acusada de ser uma das principais responsáveis pela eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos.

A controvérsia, todavia, teve início no começo deste ano, quando a Mark Zuckerberg resolveu demitir toda a equipe que fazia a curadoria de notícias que iam parar nos Trending Topics da rede social.

Desde então, as notícias mais populares que entram nos destaques do site são selecionadas por um algoritmo.

O problema é que muita gente vem conseguindo manipular o sistema desde que ele foi implementado, subindo notícias falsas, hoaxes e links maliciosos que podem afetar milhões de pessoas em pouquíssimo tempo.

Alguns especialistas, inclusive, chegaram a dizer que a neutralidade do Facebook estava comprometida e que o site estava manipulando informações políticas.

Embora sempre tenha negado a existência de qualquer problema com o algoritmo e que a ideia de notícias falsas terem contribuido para a eleição de Trump ser “bastante maluca”, uma ex-funcionária responsável pela curadoria de notícias no Facebook resolveu botar a boca no trombone, detonar a empresa e expor o que realmente acontece lá dentro.

“Eles nos trataram como lixo”

Mythili Sampathkumar e toda a equipe que cuidava da curadoria dos Trending Topics do Facebook foram demitidas no começo no ano após a empresa implantar e botar o algoritmo para rodar. E, de acordo com ela, isso não aconteceu da maneira mais amigável do mundo.

“Eles nos trataram como lixo porque éramos todos terceirizados, tínhamos liderança zero, e nos enxergavam apenas como precursores para um algoritmo”, desabafou a antiga funcionária no Twitter.

Ao Gizmodo, Sampathkumar também disse que o Facebook foi omisso na apuração dos fatos e preferiu “se acovardar à pressão direitista e aos anunciantes“, abrindo as portas para a manada de notícias fakes que inundaram a rede social poucas semanas antes do pleito eleitoral que deu a Donald Trump a faixa de presidente.

Agora, Zuckerberg e equipe trabalham para apagar a mancha deixada na imagem da rede social. Tanto é que, no último fim de semana, o Facebook anunciou sete medidas para acabar com as notícias falsas.

Apesar disso, Sampathkumar criticou a atitude e disse que tudo poderia ter sido evitado “se eles tivessem tratado a equipe de escritores humanos como humanos”.

Mas, agora que o estrago está feito, ela diz que a solução para o problema não é um algoritmo melhor. “Alguns aspectos da apuração dos fatos não podem ser feitos por computadores gramaticais”, finalizou.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …