Existe uma bomba atômica perdida no fundo do mar há 50 anos perto da costa dos EUA

Em 5 de fevereiro de 1958 um caça F-86 da Força Aérea dos EUA se chocou com um B-47, avião bombardeiro fabricado pela Boeing, nos céus da cidade de Savannah, no estado da Georgia, nos EUA.

O acidente aconteceu durante um treinamento, e com a batida o piloto do F-86 perdeu o controle da nave e ejetou: o impacto sobre o bombardeiro foi considerável mas não o suficiente para explodir ou derrubar o avião, e após uma intensa perda de altitude o piloto do B-47, Coronel Howard Richardson, conseguiu retomar o controle da aeronave e estabilizá-la para o pouso.

Seria portanto, um incidente grave porém sem maiores consequências, não fosse o nada discreto detalhe que o bombardeiro estadunidense carregava: uma bomba atômica modelo Mk 15 pesando 3.400 quilos e recheada de material radiativo.

Após o impacto, a possibilidade de ter de realizar um pouso emergencial com o bombardeiro era imensa e, a fim de reduzir o peso do avião e principalmente evitar uma possível explosão no caso do choque com o solo, ao piloto foi autorizado lançar a bomba no mar, a leste da Ilha Tybee, localizada nas águas do estado da Georgia.

Richardson conseguiu lançar a bomba sem explodi-la, e pousar a nave – o inacreditável acidente terminou sem maiores consequências diretas, mas sem identificar também a posição da Mk 15 jogada no mar.

Passados mais de 60 anos, porém, a bomba segue perdida, e junto com ela, as tantas toneladas de urânio e plutônio contidas em seu interior.

Segundo os relatos da época, o piloto do caça F-86, Lt. Clarence Stewart, não viu o avião de Richardson em seu radar e foi direto ao encontro do bombardeiro – perdendo, com isso, sua asa esquerda e danificando severamente os tanques de combustível do avião. No B-47, viajavam com Richardson outros dois oficiais como sua equipe.

Ao longo de dois meses a bomba foi procurada por toda a região pela marinha dos EUA, mas sem sucesso: depois de mais de seis décadas do ocorrido, especialistas hoje confirmam que, caso esteja intacta no fundo do mar, a bomba oferece risco consideravelmente baixo – e que é melhor deixá-la intacta do que tentar o resgate, esse sim perigoso.

Ainda que as Forças Armadas estadunidenses tenham cessados as buscas e que relatórios confirmem que o artefato provavelmente se tornou inofensivo, nada disso tranquiliza os brios ou mesmo a curiosidade dos moradores da região – que seguem em busca da bomba perdida.

Em 2004 um piloto aposentado detectou índices de radiação em uma área da região próxima à ilha Tybee que poderia sugerir a presença da arma, mas especialistas investigaram a suspeita e concluíram se tratar de índices normais.

O mistério, portanto, permanece no fundo do mar, carregando o peso da leviandade com que a humanidade fabrica e se descuida de artefatos capazes de arruinar nosso planeta e nossas vidas em um segundo.

//

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Na diplomacia das vacinas, Israel troca imunizante por reconhecimento de Jerusalém como capital

No combate à Covid-19, Israel é exemplo mundial. A metade da população do Estado hebreu já recebeu pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus e um terço está completamente imunizada, com as …

"Subestimar Rússia de Putin é sempre um erro", diz indicado de Biden para chefiar CIA

Nesta quarta-feira (24), William Burns, o indicado do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, para o cargo de diretor da CIA, disse que subestimar a Rússia é sempre um erro e acusou a China de …

Chinês é condenado a pagar indemnização à ex-mulher por trabalho doméstico

Um tribunal na China ordenou um homem a pagar compensações a sua ex-esposa pelo trabalho doméstico realizados por ela durante os cinco anos em que estiveram casados, segundo divulgou a imprensa chinesa nesta quarta-feira (24/02). O …

Oceano Atlântico cresce e Pacífico encolhe. Ciência tem nova resposta para fenômeno

Durante a era paleozoica, entre 200 a 540 milhões de anos atrás, o planeta Terra possuía somente um único e imenso continente – a Pangeia, rodeada por um único oceano, intitulado Pantalassa. Depois de uma série …

Um acelerador de partículas cósmico, muito mais poderoso do que o LHC foi descoberto no espaço

Cientistas rastrearam uma partícula fantasma para uma estrela despedaçada e descobriram um gigantesco acelerador de partículas cósmico. A partícula subatômica, chamada de neutrino, foi lançada em direção à Terra depois que a estrela condenada chegou muito …

Mulher de 'El Chapo' Guzmán é presa nos EUA acusada por narcotráfico

Foi presa nesta segunda-feira (22/02) nos Estados Unidos Emma Coronel Aispuro, 31, mulher de Joaquín "El Chapo" Guzmán, ex-líder do cartel de drogas mexicano Sinaloa. Aispuro, que tem cidadania mexicana e americana, foi presa no aeroporto …

Gana é o primeiro país do mundo a receber vacinas do programa Covax, da OMS

Gana recebeu nesta quarta-feira o primeiro lote mundial de vacinas financiadas pelo programa Covax, que proporciona aos países de renda baixa e média as primeiras doses de fármacos antiCovid. Os imunizantes foram enviados de …

Variante da Califórnia parece ser mais contagiosa e resistente a vacinas, aponta estudo

Um novo estudo confirma que a mutação do SARS-CoV-2 na Califórnia, EUA, é mais contagiosa e mais resistente a vacinas, embora a escala de sua ameaça ainda não esteja clara. Uma variante descoberta pela primeira vez …

Cheirinho de carro novo? Estudo alerta para risco de câncer em odor favorito de muitos

Um estudo publicado por pesquisadores da Universidade da California Riverside mostrou que o cheiro de carro novo, tão amado por todo mundo que acaba de comprar o seu veículo, pode ser um risco para saúde. Mas …

STJ anula quebra do sigilo de Flávio Bolsonaro no caso das "rachadinhas"

Ministros apontaram falta de fundamentação do juiz de 1ª instância. Decisões da próxima semana determinarão chance de o processo contra o senador ir adiante ou voltar ao início. A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça …