Fábrica russa eliminará deficiências na produção da Sputnik V de acordo com recomendações da OMS

Em resultado de inspeções efetuadas na Rússia, o grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde fez várias observações sobre a fabricação da vacina Sputnik V. Estas são ligadas principalmente à proteção do meio ambiente e monitoramento de emissões, diz o comunicado publicado no site oficial da organização nesta quarta-feira (23).

O Ministério de Indústria e Comércio da Rússia confirmou à Sputnik que os resultados da inspeção não questionam a qualidade da vacina e que a empresa Farmstandart-UfaVITA já começou a eliminar as deficiências. O vice-ministro da Saúde Sergei Glagolev salientou que existe um sistema de controle de qualidade em várias etapas de medicamentos imunobiológicos e sua admissão ao mercado.

É de referir que a maior parte dos problemas identificados está relacionada à proteção ambiental. Os especialistas também apontaram para “problemas com a completa rastreabilidade, identificação e histórico de lotes de Gam-COVID-Vak e substâncias farmacêuticas I e II por meio de sistema SAP”.

Além disso, foi chamada a atenção para “a qualidade das linhas de enchimento e vestimentas dos operadores de enchimento asséptico”, os quais são necessários para assegurar o nível de esterilidade exigido. Também foram encontrados “problemas com a adequada validação da filtragem estéril da Gam-COVID-Vak”.

As inspeções foram realizadas em quatro fábricas na Rússia. As observações feitas dizem respeito aos lotes da Gam-COVID-Vak produzidos pela sociedade anônima Farmstandart-Ufimsky Vitaminny Zavod e não se referem a quaisquer outros fabricantes da Gam-COVID-Vak, ressalta o comunicado.

No momento, a Sputnik V na Rússia está sendo fabricada em sete locais: na filial Medgamal do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, nas empresas Binnofarm, R-Farm, Biocad, Generium, Lekko e Farmstandart UfaVITA. A delegação da OMS inspecionou quatro empresas destas sete, tendo feito observações sobre uma delas.

O Ministério da Indústria e Comércio da Rússia confirmou à Sputnik que os resultados da inspeção não questionam a qualidade da vacina Sputnik V e que o ministério já antes da publicação do comunicado iniciou inspeções de surpresa na empresa.

“Atualmente, a Farmstandart-UfaVITA, junto com o ministério, está realizando o trabalho de eliminar as falhas; no final, os especialistas da OMS poderão efetuar nova inspeção desta plataforma”, informou o ministério.

“Cada lote da vacina de todas as plataformas passa por um triplo controle: o controle de produção, o controle do Centro Gamaleya e do Roszdravnadzor [Serviço Federal de Vigilância na Área da Saúde], o que permite garantir a confiança na qualidade do produto. As abordagens regulamentares da Federação da Rússia na área dos medicamentos, inclusive sua fabricação, foram anteriormente avaliadas positivamente pela OMS durante a pré-qualificação de outra vacina – a vacina contra a febre amarela do Centro Chumakov”, afirmou o ministério.

Sistema de controle

O vice-ministro da Saúde, Sergei Glagolev, por sua vez, salientou que o sistema de controle de qualidade em várias etapas de medicamentos imunobiológicos e sua admissão ao mercado permite estar confiante de que os pacientes vão apenas receber vacinas de qualidade.

Segundo suas palavras, o sistema regulatório russo na área das vacinas passou com sucesso a avaliação da OMS em 2016, qualquer desvio dos parâmetros rigorosos na qualidade do produto final implica obrigatoriamente a não admissão da série de medicamentos na fase de controle de qualidade e sua destruição.

“Tal medicamento nunca chegará ao consumidor, isto é, ao paciente. Isso é comprovado pelo sistema integrado de farmacovigilância junto com o sistema de marcação. No caso das vacinas para prevenção da COVID-19, as reações adversas são extremamente raras – não mais que 0,01% dos casos – e todas elas não têm nada a ver com a qualidade das vacinas. Ainda assim, estamos em contato direto com os reguladores dos países que já utilizam a Sputnik V e realizam suas observações sobre os imunizados. Todos esses países notam a alta qualidade de vacinas russas e a baixa frequência de reações adversas”, esclareceu Glagolev.

Por sua vez, a chefe do Serviço Federal de Vigilância na Área da Saúde da Rússia, Alla Samoilova, sublinhou igualmente que o controle das vacinas é feito em várias etapas: pelo desenvolvedor, pelo produtor e pelos laboratórios do serviço. A vacina entra em circulação civil apenas após passar por estes três pontos de controle. Assim, há a certeza de que esse produto corresponde a todos os padrões internacionais, explicou ela.

Segundo suas palavras, os laboratórios do Roszdravnadzor possuem acreditação internacional, o que garante a credibilidade dos resultados das análises, enquanto um instrumento adicional é o monitoramento do movimento de todas as embalagens do medicamento, do fabricante até o consumidor final.

“O conjunto desses três elementos permite assegurar com grau de confiança a proteção de nossos cidadãos de quaisquer medicamentos de baixa qualidade, incluindo as vacinas. A qualidade dos medicamentos em nosso país é garantida pelo Estado”, afirmou Samoilova.

Anteriormente, a alta funcionária contou em entrevista à Sputnik que a detecção de violações é uma prática absolutamente normal em todos os países do mundo, tais tratamentos não são aprovados e são destruídos. Ela assegurou que as vacinas de má qualidade contra a infecção do coronavírus, graças ao controle de vários níveis na Rússia, não podem chegar aos pacientes, embora casos de violações durante o controle tenham ocorrido.

As falhas na produção e armazenamento de vacinas contra a COVID-19 no mundo aconteceram muitas vezes por várias causas.

Assim, em abril deste ano, o jornal New York Times informou que um erro durante a mistura de ingredientes da vacina na fábrica da empresa americana Johnson & Johnson em Baltimore, no estado de Maryland, levou à perda de 15 milhões de doses.

O incidente foi causado por erro humano. Em junho, o Departamento de Justiça dos EUA informou que um ex-funcionário do Centro Médico Aurora no estado de Wisconsin adulterou intencionalmente quase 600 doses da vacina Moderna, pelo que foi condenado a três anos de prisão.

O réu se declarou culpado e disse ser cético em relação às vacinas em geral e à Moderna em particular. A farmacêutica Dr Reddy’s Laboratories, que iniciou os testes da Sputnik V na Índia, relatou uma tentativa de ataque hacker a seus computadores.

 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …