Facebook completa 15 anos cercado por polêmicas, mas cheio de dinheiro

Kris Krug / Flickr

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook

O Facebook completou 15 anos nesta segunda-feira, data em que a empresa comemorou os lucros recordes obtidos em 2018, mas que será lembrado como o pior ano de sua história nas relações pública devido às inúmeras polêmicas em que a rede social se envolveu.

Ao longo desse período, a rede social se tornou uma empresa que dominou o mundo da comunicação na internet. Só o Facebook, segundo dados divulgados pela própria companhia na semana passada, tem agora 2,3 bilhões de usuários – um terço da população global.

Apesar dos sinais de saturação no Ocidente nos últimos anos, o número de usuários do Facebook no planeta segue crescendo. Na América do Norte e na Europa, o ritmo de novos usuários caiu, mas segue avançando. E, com eles, as receitas de publicidade.

Em 2018, por exemplo, a receita líquida foi de US$ 22,1 bilhões, um recorde para a empresa de Menlo Park, na Califórnia. Junto com o Google, o Facebook controla cerca de 60% do dinheiro investido em publicidade online no mundo todo.

A onipresença do Facebook nas comunicações digitais é uma faca de dois gumes. É a principal razão pelos extraordinários lucros da empresa, mas também motivo pelo qual a empresa começa a ser alvo de críticas e fiscalizada com maior atenção por órgaõs de regulação dos diferentes governos do planeta.

No ano passado, o executivo-chefe da empresa, Mark Zuckerberg, teve que pedir perdão ao Congresso dos Estados Unidos pela gestão da rede social. A chefe de operações da companhia, Sheryl Sandberg, também reconheceu o domínio do Facebook aos parlamentares.

Fora dos EUA, Zuckerberg também foi à Eurocâmara, mas se recusou a prestar depoimento em um comitê internacional integrado por parlamentares de Argentina, Brasil, Canadá, Irlanda, Letônia, Singapura e Reino Unido, que exigia explicações sobre a propagação de informações falsas online e a influência política da rede social.

A maior polêmica em que o Facebook se envolveu em 2018 ocorreu em março, quando a imprensa revelou que a consultoria política Cambridge Analytica utilizou um aplicativo para compilar milhões de dados de internautas da plataforma, sem consentimento.

A empresa usou dados da rede social mais popular do mundo para elaborar perfis psicológicos de eleitores que teriam sido vendidos para a campanha do agora presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante as eleições de 2016.

O escândalo foi maiúsculo: as ações do Facebook desabaram na bolsa e representantes políticos em várias partes do mundo alertaram sobre a necessidade imediata de regulação da companhia. Meses mais tarde, em outubro, a rede social reconheceu que hackers roubaram dados pessoais de mais de 30 milhões de contas.

Os dois casos foram os mais famosos, mas 2018 foi um ano em que o Facebook não saiu das manchetes. Em um dos casos mais recentes, o “The New York Times” noticiou que Sandberg ordenou seus funcionários que investigassem os interesses financeiros de George Soros.

As violações da privacidade e a venda de dados dos usuários, o abuso das práticas de propaganda, a divulgação de informações falsas, a segurança na plataforma e as vulnerabilidades em relação aos hackers são vistos como calcanhar de Aquiles de uma das empresas mais poderosas da internet atualmente.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

As vovós que lutam pela democracia na Polônia

Idosas polonesas organizam protestos regulares contra erosão da democracia no país, governado por partido ultraconservador. "Não sou capaz de ficar tranquila em casa, cada violação dos direitos me dói", diz aposentada. Clima de fim de expediente …

Coruja super rara dá o ar da graça depois de 125 anos

A coruja rajá de Bornéu (Otus brookii brookii) é uma espécie tão pequena que apenas seu tamanho já tornaria sua identificação mais complexa. Nativa do Sudeste da Ásia e com peso médio de apenas 100 gramas, …

Nintendo bate todos os recordes de lucros com videogames durante a pandemia

A Nintendo apresentou resultados recordes para o ano fiscal de 2020/21 encerrado em 31 de março, impulsionada pela mania global dos videogames em tempos de pandemia, mas o grupo japonês não espera repetir essa …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

Médicos no Canadá têm deparado com pacientes que apresentam sintomas semelhantes aos da doença de Creutzfeldt-Jakob, um mal raro e fatal que ataca o cérebro. Mas quando resolveram investigar o mal em mais detalhe, o …

Governador do Rio diz que operação que terminou com 25 mortos foi ação de 'inteligência'

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, afirmou que a operação da Polícia Civil realizada no Jacarezinho foi "ação pautada e orientada por longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação".  A operação terminou com …

Butantan diz que ataques de Bolsonaro à China afetam vacinas

Presidente insinuou que chineses, principais fornecedores de matéria-prima para imunizantes ao Brasil, criaram vírus como parte de "guerra química". "Essas declarações têm impacto", diz diretor do Instituto Butantan. A direção do Instituto Butantan e o governador …

Fotos da última sessão de Kurt Cobain são vendidas como NFT

As imagens da última sessão de fotos da vida do compositor e cantor Kurt Cobain irão a leilão em formato de token não-fungível, os célebres NFTs. O anúncio foi feito por Jesse Frohman, fotógrafo por trás …

EUA, França e Rússia apoiam quebra de patentes contra a Covid-19, mas laboratórios resistem

A ideia de suspender as patentes da fabricação de vacinas contra a Covid-19 continuou a ganhar apoio em todo o mundo nesta quinta-feira, após o impulso inicial dado Estados Unidos. Porém, os laboratórios resistem, …

Descoberta a evidência mais antiga de atividade humana

Uma das atividades mais antigas de humanos foi identificada em uma caverna na África do Sul. Uma equipe de geólogos e arqueólogos encontrou evidências de que nossos ancestrais estavam fazendo fogo e ferramentas na Caverna …

Jeff Bezos: os planos do homem mais rico do mundo para voo espacial turístico

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, afirma que está pronto para levar pessoas ao espaço. A empresa Blue Origin, do empresário americano detentor de uma fortuna estimada em R$ 1 trilhão, diz que lançará uma tripulação …