Filhotes de aranha comem a própria mãe – e não poupam nem as tias

berniedup / Flickr

A aranha Stegodyphus dumicola

Uma equipe de pesquisadores dinamarqueses descobriu que não são só as mães da espécie Stegodyphus dumicola que se sacrificam para que os filhotes não passem fome. As fêmeas sem ovos fazem o mesmo.

Todos sabemos que criar filhos não é tarefa fácil. Mas, no caso das mães da espécie Stegodyphus dumicola, a realidade é ainda mais dura. Geralmente, estas aranhas têm uma expectativa média de vida muito curta porque, se o alimento for escasso, oferecem o próprio corpo aos filhotes para que eles não fiquem sem comer.

E se você está pensando que as fêmeas sem filhos acabam se safando, está muito enganado. As aranhas que nunca tiveram filhos também se oferecem como sacrifício para os “sobrinhos”.

Um novo estudo, publicado na Animal Behaviour, mostra que as fêmeas virgens em ninhos comunais (as tias, chamemos assim) ajudam as mães aranhas no desempenho dos deveres maternos, um fenômeno chamado de “alloparenting”.

No caso da Stegodyphus dumicola, os pesquisadores acreditam que se trata de um cuidado materno “extremo e suicida”, também conhecido como “matrifagia”, isto é, quando as mães desistem dos próprios corpos para alimentar as crias.

“As aranhas literalmente começam a se alimentar da fêmea enquanto ela ainda está viva”, descreve o biólogo Trine Bilde, da Universidade Aarhus, na Dinamarca. “Mas sem agressão aparente. É como se a própria fêmea convidasse os filhotes da família para se alimentarem do seu corpo”, continua.

O estudo envolveu a observação de 200 experimentos durante dez semanas. O que mais surpreendeu os cientistas foi o sacrifício das fêmeas que não eram mães.

A equipe pensa que se trate de um mecanismo evolutivo, uma vez que o objetivo é passar os genes aos próximos, mesmo que não sejam daquela aranha específica, mas sim de uma parente próxima.

“Quanto mais cópias dos genes forem propagadas para a próxima geração, melhor, por isso, oferecer o corpo como comida é uma solução evolutiva que faz sentido”, diz Bilde.

Outra hipótese do biólogo Jonathan Pruitt, da Universidade da Califórnia, nos EUA, e que não participou no estudo dinamarquês, é que as aranhas são simplesmente pouco inteligentes para perceber que aqueles não são seus filhotes.

“Suspeito que as fêmeas não são capazes de discriminar entre os próprios ovos e o das outras. A colônia é composta por indivíduos geneticamente próximos, então mesmo que produzam os próprios ovos, há sempre benefícios em ajudar as parentes”, conclui.

Uma coisa é certa: nunca devemos questionar o amor de mãe e, pelo visto, de tia.

Ciberia // HypeScience / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Motoboy é vítima de racismo de homem branco: "Você tem inveja disso aqui [minha cor]"

A manhã de sexta-feira (7) começou com mais um caso de racismo no Brasil. Um vídeo que viralizou no Twitter registra um homem branco fazendo injúrias raciais contra um entregador de delivery. As fortes imagens são …

‘Grande ameaça à saúde pública’: cientistas descobrem mutação resistente a remédio contra a malária

Pesquisadores em Ruanda identificaram uma cepa do parasita causador da malária que é resistente a medicamentos. O estudo, publicado na revista Nature, revelou que os parasitas eram capazes de resistir ao tratamento com a artemisinina, um …

Brasil, um ano no foco da crítica ambiental mundial

Em agosto de 2019, país virou pária ambiental devido a incêndios e aumento do desmatamento. Bolsonaro reagiu com agressividade e insultos. Agora, aumenta a pressão de investidores estrangeiros por uma mudança de rumo. Foi uma catástrofe …

Com medo da Covid-19, Venezuela discrimina venezuelanos que voltam ao país

Várias medidas vêm sendo aplicadas na Venezuela para conter a Covid-19. Um estádio foi transformado em hospital de campanha, blocos de concreto foram colocados nas vias, festas estão proibidas e há um canal de …

Centro Gamalei, desenvolvedor de vacina russa, explica como funciona e se há riscos para o paciente

O diretor do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamalei falou sobre os testes da vacina, que será registrada oficialmente na quarta-feira (12). As partículas do coronavírus na vacina da COVID-19 não podem prejudicar …

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …