Genética ajuda a desvendar o mistério dos “dois irmãos” egípcios com 4 mil anos

Manchester Museum / The University of Manchester

Os “dois irmãos”, as duas múmias mais antigas e mais conhecidas do Museu de Manchester, no Reino Unido

Graças a técnicas avançadas de sequenciamento genético, pesquisadores da Universidade de Manchester, no Reino Unido, descobriram que os famosos “dois irmãos” egípcios, duas múmias com 4 mil anos, eram, na verdade, meio-irmãos.

O túmulo com as duas múmias foi encontrado por arqueólogos da Escola Britânica de Arqueologia em Deir-Rifeh, localidade situada a alguns quilômetros do Cairo, no Egito, em 1907. Datando de cerca de 1800 antes de Cristo, foram identificadas como as múmias de dois homens da elite egípcia, mais precisamente Khnum-nakht e Nakht-ankh.

Ao longo dos anos, a descoberta foi alvo de muitas especulações. Após a análise às inscrições hieroglíficas dos dois caixões, foi sugerido que os dois seriam filhos de um governador local e que teriam mães com o mesmo nome, Khnum-aa. E foi assim que as múmias ficaram conhecidas como “Os dois irmãos”, explica a Universidade de Manchester em comunicado.

Mas uma nova análise efetuada em 1908 concluiu que “as morfologias dos dois esqueletos eram bastante diferentes”, o que dava a entender que não teriam qualquer relação familiar, refere a instituição de ensino.

Depois, ainda apareceu a ideia de que um dos irmãos seria adotado. E só as técnicas de sequenciação genética mais avançadas permitiram desvendar o mistério, segundo o artigo científico sobre a pesquisa, publicado no Journal of Archaeological Science.

Em 2015, cientistas da Universidade de Manchester, liderados por Konstantina Drosou, da Escola de Ciências da Terra e do Ambiente, extraíram DNA dos dentes dos “dois irmãos”.

A “captura de hibridação das frações mitocondriais e do cromossomo Y, sequenciadas por um método de próxima geração”, mostraram que os dois “pertenciam ao haplótipo mitocondrial M1a1”, o que significa que teriam “uma relação maternal”, afiançam os pesquisadores.

“As sequências do cromossomo Y eram menos completas, mas mostraram variações entre as duas múmias, indicando que Nakht-Ankh e Khnum-Nakht tinham pais diferentes e que, por isso, eram, muito provavelmente, meios-irmãos”, salientam ainda.

“Foi uma longa e exaustiva jornada até chegar aos resultados”, constata Konstantina Drosou, frisando que “são estes momentos que nos fazem acreditar no DNA antigo”.

“Conseguimos acrescentar uma pequena, mas muito importante peça ao grande quebra-cabeça da história e estou certo de que os irmãos ficariam muito orgulhosos de nós”, conclui o cientista.

Este foi “um dos primeiros estudos” a utilizar com sucesso “a tipagem de DNA mitocondrial e do cromossomo Y em múmias egípcias”, explica-se no comunicado sobre a pesquisa.

As duas múmias estão em exibição no Museu de Manchester, sendo “as mais antigas e mais conhecidas” da coleção egípcia.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …