Governo britânico vai pagar parte da conta de consumo em pubs e restaurantes

Usien / Wikimedia

Incentivos não vão faltar para quem estava com saudades de frequentar bares, pubs e restaurantes no Reino Unido. Durante o mês de agosto, o governo britânico vai bancar parte da conta de quem sair para comer fora de segunda à quarta-feira.

Trata-se de mais uma iniciativa inédita deste governo para evitar o pior. A ideia é garantir o emprego de quase 2 milhões de pessoas que trabalham neste que é um dos setores mais afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Não bastassem os quatro meses em que estes estabelecimentos tiveram de permanecer de portas fechadas, ao reabrir, muitos reduziram o número de mesas para garantir o distanciamento social previsto em lei, além de investirem em outras medidas de proteção para os clientes. A novidade começou a valer nesta semana.

O benefício está sendo concedido na forma de descontos de 50% na conta dos clientes dos cerca de 72 mil estabelecimentos que se inscreveram no programa do governo. O valor do incentivo é de no máximo £ 10 por pessoa (cerca de R$ 70) e não cobre o consumo de bebidas alcoólicas.

Mas certamente será uma ajuda e tanto para quem não pode se dar ao luxo de gastar com supérfluos. E restaurantes, pubs e bares, a esta altura, não estão na lista de prioridades dos britânicos. Sem saber quando essa crise vai acabar, muita gente evita gastos desnecessários. Até porque muitos estão sem trabalhar, vivendo, em boa medida, da ajuda do governo. O Reino Unido está pagando até 80% dos salários de boa parte dos trabalhadores em todo o país.

Os pacotes de estímulo econômico já somam mais de £1 trilhão (quase R$ 7 trilhões). Tudo isso vindo de um governo conservador, que sempre pregou a austeridade fiscal. Estima-se uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) de quase 20% para este ano no país.

Mas os esforços bilionários adotados até agora pela equipe do primeiro-ministro Boris Johnson para reativar a economia podem estar a perigo. Como em toda a Europa, no Reino Unido não se fala em outra coisa que não seja a ameaça de uma segunda onda de contaminações pelo novo coronavírus. E elas estão crescendo.

Os índices de contaminação pelo novo coronavírus passaram para 4.200 novos casos por dia, contra 3.200 da semana anterior, o que acendeu a luz amarela.

O temor da segunda onda

O grande temor de uma segunda onda de infecções levou o premiê britânico a pisar no freio na semana passada, e ele resolveu adiar o processo de reabertura das atividades econômicas em pelo menos duas semanas: cassinos, boliches, ringues de patinação e salas de convenções não puderam retomar as atividades.

Os salões para tratamentos estéticos, o que exige proximidade extrema com os clientes, também permanecem de portas fechadas. E as cerimônias de casamento só podem ser realizadas com até 30 pessoas.

O ministro da Saúde, Matt Hancock, disse que o governo não pôde avançar mais nas medidas de relaxamento porque a população não está respeitando as regras de convivência do novo normal. As praias, por exemplo, estavam lotadas no último fim semana.

Algumas cidades e regiões do país voltaram a ser submetidas ao lockdown, como Manchester, Lancashire e parte de Yorkshire. Trata-se de um confinamento seletivo, em locais onde foram registrados indicadores muito acima da média nacional. Mas a medida atinge pelo menos 5 milhões de pessoas. Ou seja, antes mesmo de conseguir retomar, pelo menos em parte, a vida normal, o Reino Unido precisou voltar a se fechar.

O primeiro-ministro Boris Johnson admitiu recentemente que a vida não voltaria ao normal antes do Natal, e já tinha avisado que não hesitaria em segurar o processo de reabertura, se necessário. Mas a verdade é que a insatisfação da população é grande.

Na semana passada, em função de novas contaminações pela Europa, o governo anunciou, mais uma vez, a imposição de quarentena de 14 dias para quem entrasse no país vindo da Espanha e de Luxemburgo. A medida pegou de surpresa britânicos que estavam de férias nesses países. As restrições podem ser ampliadas para outras nações, como a França.

A situação de Boris Johnson se complica. Ninguém mais aguenta o confinamento, e ele sabe disso. O Reino Unido foi o país da Europa que mais registrou mortes pela Covid-19 até agora. O governo tem sido criticado desde início da pandemia por demorar demais a anunciar o confinamento. Esta é uma das razões para redobrar a atenção neste momento.

Em Londres, museus começaram a reabrir. Mas teatros, não. A capital pode ter que fechar de novo, se os números de casos voltarem a subir. O prefeito Sadia Khan se disse surpreso com essa possibilidade aventada pelo governo. O fato é que, enquanto não houver uma vacina, não há muito o que se possa fazer. O novo coronavírus mudou a vida de uma capitais mais vibrantes da Europa.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Cientistas russos encontram nova forma de tratamento para covid-19

Uma equipe de cientistas russos sugeriu tratar os pacientes gravemente afetados pelo coronavírus SARS-CoV-2 da mesma maneira que são tratados alguns casos de intoxicação. De acordo com os especialistas do Instituto de Pesquisa de Medicina de …

Covid-19 já causou a morte de um milhão de pessoas no mundo

Nove meses após seu surgimento na China, a pandemia de Covid-19 superou, neste domingo (27), o número simbólico de um milhão de mortos no mundo. No total, o coronavírus causou 1.000.009 mortes e 33.018.877 casos …

Homem que comia alcaçuz todos os dias morre e médicos alertam sobre riscos à saúde

Um homem de 54 anos morreu após consumir alcaçuz em excesso. Segundo os médicos do Hospital Geral de Massachussets (EUA), após duas semanas ingerindo alcaçuz preto em excesso, o homem teve uma overdose de uma …

Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao …

Grande depósito de ovos de dinossauro é descoberto na Espanha

O norte de Espanha foi palco de uma nova descoberta paleontológica. Foram encontrados ovos de 68 milhões de anos atrás, que podem conter embriões desses enormes répteis. José Manuel Gasca estava fazendo jogging um dia no …

Uma cidade brasileira pode ter atingido imunidade de grupo ao Covid-19 a um terrível custo

Um surto explosivo de COVID-19 em Manaus pode ter contaminado pessoas suficientes para que a imunidade coletiva tenha se manifestado, sugerem estudos iniciais. Exames de anticorpos mostram que até dois terços da população pode ter contraído …

O raro pedido de desculpas de Kim Jong-un pela morte de sul-coreano na Coreia do Norte

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, divulgou um raro pedido de desculpas pessoal pelo assassinato de um cidadão sul-coreano, segundo o governo da Coreia do Sul. Kim disse a seu colega sul-coreano, Moon Jae-in, …

Esses são os preparativos finais para a NASA coletar amostras do asteroide Bennu

A NASA já iniciou a contagem regressiva para o grande momento da missão OSIRIS-REx: a coleta de amostras do asteroide Bennu, que acontecerá no dia 20 de outubro. Será uma manobra complicada para a sonda …

Trump volta a lançar dúvida sobre processo eleitoral nos EUA

Após recusar comprometimento com transição pacífica de poder, presidente americano diz não saber se é possível um pleito "honesto". Líder republicano no Senado diz que transferência de mandato presidencial será ordenada. O presidente dos EUA, Donald …

Criador do Novichok aponta falta de principais sintomas da substância em Navalny

Leonid Rink não considera convincente a evidência apresentada pela Alemanha sobre o alegado uso do Novichok contra o opositor russo, pois, se isso tivesse acontecido, os efeitos teriam sido diferentes. Podem ter sido encontrados vestígios de …