Jornalista saudita teria sido desmembrado ainda vivo; durou sete minutos

Tolga Bozoglu / EPA

Jamal Khashoggi, o jornalista saudita desaparecido desde 2 de outubro, teria sido torturado durante sete minutos e desmembrado ainda vivo no interior do consulado da Arábia Saudita, em Istambul, revela a imprensa turca.

O jornal turco pró-governamental Yeni Safak fez, nesta quinta-feira (18), novas revelações sobre o conteúdo das supostas gravações captadas no interior do consulado em Istambul, onde o jornalista saudita teria sido morto. Já na semana passada, as autoridades turcas diziam ter em posse gravações de áudio e vídeo que provavam o assassinato.

De acordo com a reportagem agora divulgada, Jamal teria sido torturado e decapitado por agentes sauditas. O texto conta ainda detalhes mais mórbidos, revelando que o jornalista teria sido torturado durante sete minutos, tendo o seu corpo sido desmembrado enquanto o repórter ainda estava vivo.

Segundo a mesma publicação, na gravação é possível ouvir o Cônsul Geral saudita, Mohammed al-Otaibi, dizer aos supostos torturadores de Khashoggi: “Façam isso lá fora, vão me arranjar problemas”, ao que os supostos torturadores teriam respondido: “Fique calado se quiser viver quando voltar à Arábia Saudita”.

A reportagem vem agora reforçar a pressão sobre a Arábia Saudita para que explique o que aconteceu ao jornalista, crítico do regime de Ríade e que vivia exilado nos Estados Unidos desde 2017.

O desaparecimento do jornalista saudita, que foi ao consulado para tratar de documentação para seu casamento, continua sem uma justificativa por parte das autoridades e as questões continuam a se adensar.

Suspeito morre em acidente de carro

De acordo com a EFE, um dos 15 homens que estavam no consulado onde Jamal foi visto pela última vez – e, por isso, um dos suspeitos – morreu em um misterioso acidente de carro. A notícia foi divulgada pelo Yeni Safak, sem citar qualquer fonte.

O homem foi identificado pelo jornal como Meshaal Saad M. Albostani, um oficial da Força Aérea da Arábia Saudita nascido em 1987.

De acordo com a publicação, existem “rumores de que Albostani pode ter sido silenciado“, tendo sido morto por esse motivo. O Yeni Safak acrescenta ainda que “não há nenhuma informação sobre os detalhes do acidente que causou a morte de Albostani”.

Segundo a imprensa turca, o saudita chegou à Turquia na madrugada de 2 de outubro, por volta da 1h45 no horário local, onde se hospedou num hotel. Albostani teria deixado o país no mesmo dia, ainda durante a noite, em um avião particular.

El Mundo, que cita também a mídia turca, identifica outro dos quinzes suspeitos, Salah Mohamed Tubaiqi, que supostamente teria realizado o esquartejamento do jornalista saudita. O jornal revela que Tubaiqi é um funcionário saudita especializado em análise forense e medicina legal, tendo já desempenhado vários cargos nessa área para departamentos do regime saudita.

Assim como Albostani, Tubaiqi chegou à Turquia durante a madrugada do dia 2 de outubro em um avião particular e se hospedou num hotel. De acordo com fontes policiais citadas pelo New York Times, Tubaiqi levava uma serra quando deixou o país no mesmo dia.

O diário espanhol nota ainda que, em entrevista dada há quatro anos ao jornal Asharaq al Awsat, Tubaiqi se gabou de fazer uma autópsia em apenas sete minutos. O saudita falava ao jornal sobre a morte de alguns peregrinos durante sua jornada a Meca.

De acordo com o Middle East Eye, citado pelo El Mundo, o artigo em questão mencionava uma clínica móvel projetada pelo próprio Tubaiqi para usar em “casos de segurança que exigissem a intervenção de um patologista para realizar uma autópsia ou ainda para examinar um corpo na cena do crime”.

Trump admite morte de Jamal

O presidente dos Estados Unidos admitiu nesta quinta-feira que “certamente parece” que Jamal Khashoggi está morto, deixando ameaças de consequências “severas” caso seja provado que o regime de Ríade foi o responsável pela morte.

Trump, que tem insistido que devem ser conhecidos mais fatos antes de tomar uma posição, não revelou em que se baseou para fazer a última declaração sobre o destino do jornalista, no caso, sua eventual morte.

Quando questionado sobre se Khashoggi estava morto, Trump respondeu: “Certamente parece… Muito triste”. Sobre as consequências para os líderes sauditas se fosse apurado que eram responsáveis pela morte, respondeu: “Teriam que ser severas. É um caso mau. Mas vamos ver o que acontece”.

Entretanto, e de acordo com os relatos da BBC, a polícia turca já alargou o perímetro das buscas. Fontes anônimas revelaram que o corpo pode ter sido deixado em uma floresta próxima do consulado saudita em Istambul ou em terrenos agrícolas.

Apesar de concordarem com uma investigação conjunta, Arábia e Turquia continuam sem se entender quanto ao desaparecimento do jornalista.

A Turquia continua insistindo que a Arábia tem responsabilidades no caso. Por sua vez e em sentido oposto, a Arábia tem negado qualquer ação violenta contra o jornalista, não apresentando, até então, nenhuma versão plausível sobre o que teria acontecido.

Ciberia, Lusa // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …

Vênus tinha oceanos? Cientistas refutam hipótese popular usando modelagem

Cientistas da Suíça e França refutaram a hipótese de que anteriormente Vênus era coberta por oceanos. Um novo estudo revela que mesmo no início, quando o Sol era mais fraco do que agora, a superfície …

Suspeito de ataque na Noruega era fichado na polícia por radicalização

Convertido ao islã e conhecido da polícia, dinamarquês de 37 anos teria usado outras armas além de arco e flecha em ataque que matou cinco pessoas em Kongsberg. Ele está preso e reconheceu envolvimento no …

Oposição manobra para destituir Piñera no Chile por citação nos Pandora Papers

Deputados de todos os partidos da oposição chilena apresentaram uma acusação no Congresso nesta quarta-feira (13) para destituir o presidente Sebastián Piñera pela controversa venda de uma mineradora em um paraíso fiscal, revelada no escândalo …

Fatores externos influenciam, mas não justificam inflação a dois dígitos no Brasil

A recuperação do impacto brutal da pandemia de coronavírus leva a inflação a subir na maioria dos países do mundo, mas a conjuntura internacional não explica o nível chegar a dois dígitos no Brasil. …

UE anuncia 1 bilhão de euros em ajuda ao Afeganistão

União Europeia justifica que é preciso evitar "colapso" no país e fornecer ajuda humanitária aos afegãos. Paralelamente, representantes do bloco europeu e dos EUA se reúnem com membros do Talibã em Doha, no Catar. O Talibã …