Justiça Federal suspende cobrança por bagagem despachada

A Justiça Federal em São Paulo concedeu esta segunda-feira (13) liminar contra a norma que autoriza as companhias aéreas a cobrar pelo despacho de bagagens.

A decisão da 22ª Vara Cível atende pedido do Ministério Público Federal (MPF) contra a Resolução 400, de 13 de dezembro de 2016, da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que permite as novas taxas a partir de amanhã (14).

Na ação, o MPF argumentou que “a cobrança fere os direitos do consumidor e levará à piora dos serviços mais baratos prestados pelas empresas”.

Atualmente os passageiros têm direito de despachar itens com até 23 quilos em voos nacionais e dois volumes de até 32 quilos cada, em viagens internacionais, sem pagar taxas extras. Na cabine, os consumidores podem levar bagagem que não ultrapasse 5 quilos.

O Artigo 13 da nova resolução da Anac elimina a franquia mínima de bagagem despachada, alertou o MPF. O valor pago pela passagem incluiria apenas a franquia da bagagem de mão de 10 quilos, peso que pode ser reduzido “por motivo de segurança ou de capacidade da aeronave”.

O Ministério Público argumenta que a Anac fez a mudança sem analisar a estrutura do mercado brasileiro, nem o impacto da medida sobre os passageiros com menor poder aquisitivo.

Além disso, uma perícia realizada pelo MPF concluiu que “o objetivo das novas regras é ampliar o lucro das companhias, que reduzirão a qualidade dos serviços de menor custo, já embutidos no valor das passagens, e aperfeiçoarão os pacotes mais caros para estimular os consumidores a comprá-los”.

Outras mudanças entram em vigor

Apesar da decisão da Justiça Federal em São Paulo, as demais regras para o transporte aéreo de passageiros previstas para entrar em vigor esta terça-feira (14) continuam valendo,  porque a decisão apenas suspendeu a vigência de dois artigos da resolução da Agência Nacional de Aviação Civil, que tem 45 artigos no total.

Com as novas regras, o consumidor terá 24 horas para desistir da compra da passagem sem ônus, no caso de bilhetes comprados com mais de sete dias antes da data do voo.

Outra mudança é que as empresas não poderão mais cancelar automaticamente o trecho de retorno quando o passageiro avisar que não fará uso do trecho de ida. Ou seja, se o passageiro perder o voo de ida, ele pode utilizar o trecho de volta, desde que avise à companhia aérea.

Se houver extravio de bagagens, o prazo de restituição passa de 30 dias para sete dias, no caso de voos domésticos. Para voos internacionais, o prazo permanece em 21 dias.

A empresa deverá ressarcir os passageiros que estiverem fora de seu domicílio pelas despesas em função do extravio de bagagens, como compra de roupas outros itens necessários.

As mudanças de horário, itinerário ou conexão no voo pela companhia devem ser avisadas com antecedência mínima de 72 horas ao passageiro. Se a alteração for superior a 30 minutos, o passageiro tem direito a desistir do voo.

A indenização para os casos em que a empresa deixar de embarcar o passageiro, por overbooking, por exemplo, será de cerca de R$ 1 mil para voos domésticos e R$ 2 mil para internacionais.

Nos anúncios de venda, as empresas deverão informar o valor total a ser pago pelo consumidor, já incluídas as taxas aeroportuárias e tarifas de embarque. Além disso, no caso da venda pela internet, produtos e serviços adicionais não podem estar pré-selecionados, para que o consumidor não acabe comprando algo sem querer.

Atenção

As novas regras da Anac valem apenas para passagens aéreas compradas a partir de amanhã (14). Para quem já comprou a passagem, valem as regras estabelecidas no contrato de transporte aceito pelo passageiro na data da compra do bilhete, mesmo que o voo venha a ocorrer depois dessa data.

A Anac orienta os passageiros a buscarem informações sobre as novas regras nos canais oficiais de comunicação da agência, da Secretaria de Aviação Civil ou ainda junto às empresas aéreas.

“Publicações divulgadas no WhatsApp que levam a logomarca da Anac ou de qualquer empresa, instituição ou agência de viagem nem sempre são oficiais e podem conter informações erradas”, alerta a Anac.

Lista das novas regras da Anac:

Antes do voo:

  • As empresas aéreas deverão informar o valor total a ser pago pelo consumidor no anúncio da passagem, já incluídas as taxas aeroportuárias e tarifas de embarque
  • O consumidor deve ser informado sobre as principais regras de alteração do contrato, o valor do reembolso, tempos de voo e conexão e regras de bagagem, como valor de excesso e franquia praticada pela empresa
  • Na hora da venda da passagem, serviços e produtos adicionais não podem estar pré-selecionados, para evitar que o consumidor acabe comprando sem querer um serviço
  • As empresas devem oferecer passagens com regras mais flexíveis para alterações. Pelo menos uma das opções de passagem deve garantir 95% de reembolso ao passageiro no caso de mudanças
  • As multas para alteração da passagem ou reembolso não podem ultrapassar o valor pago pela passagem
  • As empresas deverão corrigir erros na grafia do nome do passageiro sem ônus, para evitar problemas de embarque e cobranças indevidas
  • O consumidor terá 24 horas para desistir da compra da passagem sem ônus, no caso de passagens compradas com mais de sete dias antes da data do voo
  • As mudanças de horário, itinerário ou conexão no voo pela companhia devem ser avisadas com antecedência mínima de 72 horas ao passageiro. Se a alteração for superior a 30 minutos, o passageiro tem direito a desistir do voo
  • As empresas devem apresentar regras mais claras sobre procedimentos e documentação para embarque
  • Os passageiros devem cumprir requisitos para embarque, como documentos, vistos, vacinas, etc. e deve atender a instruções e avisos

Durante o voo:

  • O passageiro deve informar a empresa aérea se carrega na bagagem bens de valor superior a cerca de R$ 5,2 mil. O objetivo é evitar conflitos em casos de extravio de bagagem e facilitar eventuais indenizações
  • As empresas não poderão cancelar automaticamente o trecho de retorno quando o passageiro avisar que não fará uso do trecho de ida. Ou seja, se o passageiro perder o trecho de ida, ele pode utilizar o trecho de volta, mediante aviso à companhia aérea. A regra vale para voos domésticos
  • Caso a empresa deixe de embarcar o passageiro, por overbooking, por exemplo, ele deve ser indenizado em cerca de R$ 1 mil para voos domésticos e R$ 2 mil para internacionais
  • A Anac decidiu manter os direitos dos passageiros no caso de atrasos ou cancelamentos de voos, como comunicação, alimentação, transporte e hospedagem. Mas houve alteração na regra: a hospedagem em hotel deve ser oferecida pela empresa apenas em caso de necessidade de pernoite. Em outros casos, a acomodação pode ser feita em outros locais, como nas salas VIP dos aeroportos

Depois do voo:

  • As bagagens extraviadas devem ser restituídas em até sete dias para voos domésticos. Atualmente, o prazo é de 30 dias. Para voos internacionais, o prazo permanece em 21 dias
  • As despesas do passageiro em função do extravio de bagagem, como compra de roupas e itens necessários, devem ser ressarcidas, no caso de passageiros que estejam fora de seu domicílio. O passageiro deve ser indenizado em até sete dias após o registro do extravio

DEIXE UMA RESPOSTA:

Astrônomos criam o mais preciso mapa do passado do Universo

Neste mês, um time de astrônomos apresentou o que é considerado o maior mapa 3D da evolução do universo. A imagem foi divulgada no European Week of Astronomy and Space Science, evento que aconteceu em …

"Mulher das cavernas" descobre 5 novas espécies de pseudo-escorpiões

Ao longo da última década, a portuguesa Ana Sofia Reboleira já descobriu 49 espécies. Dessa vez, a bióloga da Universidade de Aveiro (norte de Portugal) descobriu cinco novas espécies de pseudo-escorpiões. Os novos pseudo-escorpiões descobertos por …

DJ sueco Avicii morre aos 28 anos

O DJ sueco Tim Bergling, mais conhecido como Avicii, foi encontrado morto na cidade de Mascate, no Omã, na tarde desta sexta-feira (20). As informações são de sua agente, Diana Baron. "É com profundo pesar que …

Durante 17 anos, John foi professor - sem nunca ter aprendido a ler

John Corcoran é um professor norte-americano que lecionou durante 17 anos, sem nunca ter aprendido a ler. A história podia ter saído de um filme, mas é real. John Corcoran teve uma infância comum no Novo …

Disney exclui personagem de “Mulan” por ser visto como ícone bissexual

A Disney decidiu eliminar Li Shang do remake do filme “Mulan” porque, ao longo dos anos, a personagem tem sido vista como um ícone bissexual. Segundo o Independent, os fãs da Disney e de “Mulan”, filme …

Menor país do hemisfério sul vai mudar de nome

A Suazilândia, que se localiza na África Austral e faz fronteira com Moçambique e a África do Sul, é o menor país do hemisfério sul. No 50º aniversário da independência da nação, o rei Mswati III …

Banco transfere R$ 120 bilhões por engano

No âmbito de uma operação de negociação de derivados, o banco alemão Deutsche Bank transferiu acidentalmente 28 bilhões de euros (cerca de R$ 120 bilhões). Depois da troca recentemente na liderança do Deutsche Bank, o banco …

Transição no poder em Cuba é “ilegítima”, acusa secretário-geral da OEA

A transição no poder em Cuba “é ilegítima”, considerou o secretário-geral da Organização de Estados Americanos (OEA). Declaração foi dada no mesmo dia que a ilha escolheu o novo presidente, Miguel Díaz-Canel, o primeiro em …

Civilização industrial do tempo dos dinossauros é procurada por cientistas

Seres reptilianos e inteligentes chamados Silurianos viveram na Terra, muito antes de a humanidade aparecer. Certeza na ficção científica de “Doctor Who”, hipótese teórica de uma pesquisa que envolve o diretor do Instituto Goddard da …

“Elon Musk” russo é violado e torturado até a morte na prisão

O empreendedor Valery Pshenichny, conhecido como o Elon Musk russo, foi acusado de roubar 100 milhões de rublos – cerca de R$ 4,2 milhões. A coluna quebrada, sinais de choques elétricos, asfixia, sinais de facadas e …