Macri diz que não foi golpe e Mercosul estaria melhor sem a Venezuela

Guillermo Viana y Nahuel Padrevecchi-gv / GCBA / Flickr

O presidente da Argentina, Mauricio Macri

O presidente da Argentina, Mauricio Macri

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, considera que o Mercosul estaria melhor sem a Venezuela; que o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff não foi um golpe; e que a parceria com o Brasil está acima das “políticas conjunturais” do momento.

Ele manifestou essas opiniões nessa quarta-feira (28), em entrevista a um pequeno grupo de jornais brasileiros –  cinco dias antes de receber o presidente Michel Temer, que viajará para Buenos Aires na próxima segunda-feira (3).

A viagem para a Argentina será a primeira visita bilateral de Temer, que, como presidente, fez duas viagens ao exterior – à China, para a reunião do G-20 (grupo dos vinte países mais desenvolvidos) e aos Estados Unidos (para a Assembleia Geral das Nações Unidas). Ele chegará a Buenos Aires no final da manhã, acompanhado de um grupo de ministros, para se reunir com Macri.

Depois do almoço, Temer viajará a Assunção para um encontro com o presidente do Paraguai, Horácio Cartes.

Na agenda do encontro entre Mauricio Macri, Temer e Cartes, que ainda não foi definida, estão temas que preocupam os três governos: o combate ao narcotráfico e ao contrabando na Tríplice Fronteira; a recuperação econômica regional (depois da queda dos preços das commodities); e o futuro do Mercosul, que hoje vive uma crise institucional.

Mercosul

Macri disse na entrevista aos jornais brasileiros que está muito preocupado com a Venezuela. Desde a campanha para as eleições presidenciais argentinas e depois de sua posse, em dezembro, ele tem criticado o presidente venezuelano Nicolás Maduro, por considerar que estava violando os Direitos Humanos ao prender líderes opositores, acusados de conspirar contra o governo ou de estimular a violência.

“Sinto que o governo de Maduro radicaliza a sua posição, em vez de gerar uma abertura para o diálogo”, disse.

Em relação à permanência da Venezuela no Mercosul, ele foi mais enfático que a ministra das Relações Exteriores da Argentina, Susana Malcorra – candidata para ocupar a Secretaria-Geral das Nações Unidas.

“Na minha opinião, a entrada da Venezuela não foi um acréscimo positivo ao Mercosul”, disse Macri. Segundo ele, o bloco regional teria avançado mais “sem a Venezuela de hoje”.

Além de citar o “colapso econômico”  venezuelano (marcado por uma inflação anual de três dígitos e desabastecimento), Macri considera que o país “não respeita as normas democráticas”.

Ele disse que, se o país não se adequar às normas do Mercosul até o dia 1º de dezembro, “deverá deixar de fazer parte” do bloco regional.

Dezembro é um mês crucial para o presidente venezuelano, em termos de política interna: a oposição, que há nove meses conquistou maioria parlamentar pela primeira vez em dezessete anos, está juntando assinaturas para fazer um referendo revogatório – mecanismo constitucional que permite destituir Maduro antes do fim de seu mandato, em 2019.

Os oposicionistas acusam a Justiça Eleitoral de tomar partido do governo e fazer de tudo para atrasar o processo.

Três dos quatro fundadores do Mercosul (Argentina, Brasil e Paraguai) questionam a permanência da Venezuela no bloco regional, alegando que o país não cumpriu os requisitos necessários, no prazo estipulado (meados de agosto) para ser considerado membro pleno.

Entre os vários acordos a serem incorporados, está um  protocolo de defesa da democracia.

O Uruguai (por questões políticas internas) manteve-se neutro, mas assinou o documento, impedindo o governo venezuelano de assumir a presidência pro-tempore do Mercosul no final de junho (que é rotativa e muda a cada seis meses, de acordo com a ordem alfabética).

Até dezembro, o bloco será administrado por um colegiado dos quatro membros fundadores. Se a Venezuela não cumprir suas obrigações até lá, corre o risco de ser suspensa.

Impeachment

Em relação ao impeachment no Brasil, Macri disse que a “continuidade política” foi respeitada, assim como os procedimentos jurídicos e constitucionais.  “Hoje [o Brasil] é governado pelo vice-presidente da chapa do PT, que ganhou as últimas eleições [presidenciais]”, disse.

Mas, segundo ele, Argentina e Brasil estão acima das conjunturas políticas de momento.

Macri disse que, mal assumiu a presidência argentina, viajou ao Brasil  para manifestar sua vontade de “trabalhar em conjunto” com o maior parceiro comercial argentino – mesmo tendo menos “afinidades políticas” com a então presidente Dilma Rousseff, que apoiou “de forma explícita” Daniel Scioli, candidato da ex-presidente Cristina Kirchner e seu principal rival nas eleições argentinas.

O presidente argentino disse que não considera o impeachment de Dilma um golpe – apesar de saber que tanto no Brasil, como no exterior, existirem interpretações divergentes.

Segundo ele, todo os passos constitucionais foram cumpridos, pelos poderes Judicial e Legislativo.

Crise

Temer e Macri vão se encontrar em um momento em que os dois países – principais sócios do Mercosul – atravessam uma crise econômica.

Numa coletiva nesta quarta-feira, Macri anunciou que “um em cada três argentinos vive abaixo da linha de pobreza”, segundo pesquisa do órgão governamental Indec (Instituto Nacional de Estadísticas e Censo da Argentina) – o equivalente ao IBGE brasileiro.

Durante os dois mandatos da ex-presidente Cristina Kirchner (2007-2015), o Indec sofreu uma intervenção, que reduziu o índice inflacionário.

Oficialmente o custo de vida subia cerca de 10% ao ano, enquanto que as consultoras privadas anunciavam um aumento três vezes maior – equivalente ao aumento salarial acordado entre o governo e os poderosos sindicatos argentinos

Ao assumir em dezembro, Macri prometeu reestruturar o Indec, para tornar suas estatísticas mais transparentes. Ao mesmo tempo, ele se comprometeu a reduzir a pobreza a zero.

As primeiras estatísticas de seu governo mostram que 32% dos argentinos vivem na pobreza e 6,3% na indigência.

Apesar de ter acabado com controles cambiais e reduzido impostos para incentivar o crescimento da economia, o Produto Interno Bruto (PIB) argentino encolheu 5,9% em julho – em comparação com o mesmo mês no ano anterior. Foi a maior retração em 14 anos.

Macri reconheceu que as estatísticas mostram uma realidade “dolorosa”, difícil de aceitar. Mas disse que, pelo menos agora, é possível ter uma verdadeira dimensão do problema que o país enfrenta – o que facilitaria encontrar soluções.

A economia argentina depende em grande parte do desempenho do Brasil, seu principal sócio comercial.

Em 2011, no auge do crescimento econômico dos dois países, o intercambio bilateral foi US$ 39 bilhões. Hoje gira em torno de US$ 26 bilhões.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Mafalda" perde seu criador, Quino, aos 88 anos

O criador de Mafalda, o cartunista argentino Quino, morreu aos 88 anos. O icônico ilustrador e humorista marcou a vida argentina e do mundo todo com a criação da pequena menina com grandes ideias que …

Muito além de Netuno: objeto binário choca cientistas por ter partes orbitando muito perto

Um objeto transnetuniano (TNO, na sigla em inglês) binário foi detectado por uma rede de observação nos EUA. Objetos transnetunianos consistem em pequenos corpos gelados que orbitam o Sol a uma distância longínqua, para além …

Acusados de financiar terrorismo na Síria com bitcoins são detidos na França

A Procuradoria Nacional Antiterrorista (PNAT) da França anunciou a detenção nesta terça-feira (29) de 29 pessoas acusadas de transferir recursos a jihadistas na Síria graças a um circuito sofisticado no qual foram utilizadas criptomoedas. A …

Donald Trump e Joe Biden travam debate caótico

Xingamentos e interrupções marcam primeiro duelo direto. Trump se recusa a condenar racistas, e Biden chama presidente de palhaço e mentiroso. Democrata sinaliza que pretende retaliar Brasil por devastação ambiental. Faltando pouco mais de um mês …

Flight Simulator tem um bug com buraco bizarro no mapa do Brasil

Vejam só: encontraram um bug respeitável na edição 2020 de Flight Simulator, o respeitado simulador de voo da Microsoft. E, para o nosso orgulho, a falha se localiza especificamente no Brasil. Se você sobrevoar as coordenadas …

Médica fez viagem institucional para impedir aborto de criança vítima de estupro e Damares teria atuado nos bastidores

Uma reportagem da Folha de São Paulo afirmou que uma das médicas que trabalhou para impedir o aborto legal de uma criança de 10 anos que foi estuprada em São Mateus, ES, confessou, em entrevista, …

COVID-19: produção de vacina pode causar morte de meio milhão de tubarões, alertam especialistas

Óleo natural feito a partir do fígado dos tubarões é um componente-chave entre os ingredientes utilizados por vários candidatos a vacina contra a COVID-19. A Shark Allies, uma organização de defesa aos tubarões, da Califórnia, EUA, …

Quem é Amy Barrett, a indicada de Trump para Suprema Corte?

Se aprovada pelo Senado, atual juíza federal e católica devota poderá influenciar a vida pública dos EUA por décadas e mover de vez a composição da Corte para uma orientação conservadora. Se no Brasil o presidente …

Uber ganha 18 meses de licença para atuar em Londres

Após uma longa batalha jurídica, a Uber ganhou uma licença para restabelecer suas operações em Londres pelos próximos 18 meses. Em novembro de 2019, a empresa havia sido impedida de atuar na capital inglesa, depois que …

Testes de DNA da moda não identificam indígenas brasileiros

Testes de DNA estão na moda. Se você pensou em exames para comprovar paternidade ou algo nesse sentido: não é disso que estamos falando (embora pudéssemos). A nova tendência — entre aqueles que têm condições para …