Descoberto um “oceano oculto” repleto de peixes desconhecidos

Cientistas norte-americanos do instituto de pesquisa Smithsonian encontraram uma nova zona, a “rarifótica”, situada entre 130 e 300 metros de profundidade, marcada pela luz reduzida que chega da superfície. Com isso, eles propõem uma nova divisão das zonas de luz nos oceanos.

A nova zona fica abaixo da zona mesofótica, entre 40 e 150 metros de profundidade, na qual a luz média penetra – as águas ideais para os recifes de corais tropicais.

A zona rarifótica está repleta de peixes previamente desconhecidos, que constituem todo um ecossistema recém descoberto. Aliás, a zona foi identificada a partir da fauna encontrada durante 80 mergulhos feitos com submersível num recife de corais em Curaçao.

Segundo o ScienceAlert, a pesquisa foi realizada com o objetivo de estudar o declínio da saúde do ecossistema associado ao aquecimento da água.

A existência de peixes até agora desconhecidos na zona rarifótica levou à hipótese de que a nova zona possa ser um refúgio para peixes de recife mais rasos, que querem fugir do aquecimento das águas e da deterioração dos corais, causados pelas mudanças climáticas.

Segundo o Smithsonian Tropical Research Institute (STRI), durante os mergulhos, os cientistas registaram cerca de 4.500 peixes rarifóticos, de 71 espécies diferentes. Além disso, descobriram que um em cada cinco exemplares encontrados são novas espécies, levando os cientistas a acreditarem na existência de uma nova zona de vida oceânica.

“Até agora, meu favorito é o Haptoclinus dropi“, comenta Ross Robertson, biólogo marinho do STRI e coautor do estudo publicado este mês nos Scientific Reports.

Além disso, muitas das novas espécies encontradas são mais próximas das espécies encontradas nas zonas bem iluminadas dos recifes de corais do que de espécies próprias de águas mais profundas, com menos luz.

Os autores do estudo desafiam a crença anterior de que, após a zona mesofótica, os ecossistemas se transferem imediatamente para os do mar profundo, e propõem uma nova divisão das zonas de luminosidade no oceano.

Assim, o oceano contempla uma zona altifótica de luz abundante, entre zero e 40 metros de profundidade; uma zona mesofótica de média luminosidade, entre 40 e 150 metros de profundidade; a nova zona rarifótica, entre 130 e 300 metros; e a zona afótica, totalmente sem luz, abaixo dos 300 metros de profundidade.

“Estima-se que 95% do espaço habitável do nosso planeta esteja no oceano, mas apenas uma fração desse espaço foi explorada”, explicou a pesquisadora e principal autora do estudo, Carole Baldwin, do Smithsonian National Museum of Natural History.

Carole refere ainda que os recifes situados abaixo da zona mesofótica são muito pouco estudados e que o novo estudo contraria a teoria convencional de que dos ecossistemas mesofóticos se passa diretamente para o oceano profundo.

“O que nosso estudo revela é a existência uma zona biológica de transição, até agora não reconhecida, que inclui espécies de recife e de zonas profundas, a zona rarifótica”, conclui a cientista.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Motor nuclear projetado para NASA poderá transportar humanos para Marte em apenas 3 meses

A NASA tem como meta enviar a primeira tripulação humana para Marte em 2030, e certa inovação poderá fazer a jornada de mais de 64 milhões de quilômetros em apenas três meses, em vez de …

Imunidade ao coronavírus 'diminui rapidamente' em assintomáticos, diz estudo britânico

Um estudo britânico publicado nesta terça-feira mostra que a imunidade adquirida por pessoas curadas do novo coronavírus "diminui muito rapidamente", especialmente em pacientes assintomáticos e, em certos casos, pode durar apenas alguns meses. O trabalho …

Senado dos EUA aprova indicada de Trump para Suprema Corte

A poucos dias das eleições americanas, Amy Barrett é confirmada para a vaga por 52 votos a 48. Conservadora e católica devota, ela substitui Ruth Bader Ginsburg, uma das mais célebres figuras progressistas do tribunal. O …

NASA descobre grandes quantidades de água em cratera iluminada na Lua

Nesta segunda-feira (26), a NASA revelou os resultados de dois estudos que trouxeram novas descobertas sobre a Lua: dados obtidos pelo observatório aéreo Stratospheric Observatory for Infrared Astronomy (SOFIA) confirmam, pela primeira vez, que existe …

Ciclone no litoral brasileiro pode causar tempestades em 9 estados

Um ciclone no litoral brasileiro já está causando graves chuvas em diversas regiões do Brasil e seus impactos podem causar tempestades em 9 estados. O Instituto Nacional de Metereologia (Inmet) emitiu sinal de alerta para diversas …

Processo contra o Google nos EUA pode afetar o modo como você usa seu celular

Na última terça-feira (23), o Departamento de Justiça dos EUA entregou um "presente de Halloween" pouco agradável ao Google: um gigantesco processo antitruste, acusando a empresa de práticas que eliminam a competição nos mercados de …

Chilenos decidem a favor de nova Constituição por ampla maioria

Em plebiscito, quase 80% dos eleitores votam a favor de uma nova Carta Magna, em substituição à herdada da era Pinochet, e de que ela seja escrita por uma Assembleia Constituinte com igualdade entre mulheres …

'Vai comprar lá na Venezuela', rebate presidente a apoiador que reclamou de preço do arroz

O presidente Jair Bolsonaro rebateu neste domingo (25), durante passeio de moto por Brasília, crítica de apoiador sobre a alta do preço do arroz. No momento em que saia da Feira Permanente do Cruzeiro, região administrativa …

Espanha, Itália e França ampliam restrições em fim de semana com recorde de casos da Covid-19

Os líderes europeus intensificam as medidas de combate à pandemia do coronavírus, depois da alta de 42% de novos casos da Covid-19 em uma semana. A Itália reforçou neste domingo as medidas de restrição …

Pistachio, o cãozinho filhote que nasceu com pelo verde na Itália

O fazendeiro italiano Cristian Mallocci esperava uma ninhada normal de cachorros de sua cadelinha labradora. Entretanto, ao ver os filhotinhos que nasceram, ele percebeu que um era um pouquinho diferente. ‘Pistachio’, como foi nomeado posteriormente, …