Descoberto um “oceano oculto” repleto de peixes desconhecidos

Cientistas norte-americanos do instituto de pesquisa Smithsonian encontraram uma nova zona, a “rarifótica”, situada entre 130 e 300 metros de profundidade, marcada pela luz reduzida que chega da superfície. Com isso, eles propõem uma nova divisão das zonas de luz nos oceanos.

A nova zona fica abaixo da zona mesofótica, entre 40 e 150 metros de profundidade, na qual a luz média penetra – as águas ideais para os recifes de corais tropicais.

A zona rarifótica está repleta de peixes previamente desconhecidos, que constituem todo um ecossistema recém descoberto. Aliás, a zona foi identificada a partir da fauna encontrada durante 80 mergulhos feitos com submersível num recife de corais em Curaçao.

Segundo o ScienceAlert, a pesquisa foi realizada com o objetivo de estudar o declínio da saúde do ecossistema associado ao aquecimento da água.

A existência de peixes até agora desconhecidos na zona rarifótica levou à hipótese de que a nova zona possa ser um refúgio para peixes de recife mais rasos, que querem fugir do aquecimento das águas e da deterioração dos corais, causados pelas mudanças climáticas.

Segundo o Smithsonian Tropical Research Institute (STRI), durante os mergulhos, os cientistas registaram cerca de 4.500 peixes rarifóticos, de 71 espécies diferentes. Além disso, descobriram que um em cada cinco exemplares encontrados são novas espécies, levando os cientistas a acreditarem na existência de uma nova zona de vida oceânica.

“Até agora, meu favorito é o Haptoclinus dropi“, comenta Ross Robertson, biólogo marinho do STRI e coautor do estudo publicado este mês nos Scientific Reports.

Além disso, muitas das novas espécies encontradas são mais próximas das espécies encontradas nas zonas bem iluminadas dos recifes de corais do que de espécies próprias de águas mais profundas, com menos luz.

Os autores do estudo desafiam a crença anterior de que, após a zona mesofótica, os ecossistemas se transferem imediatamente para os do mar profundo, e propõem uma nova divisão das zonas de luminosidade no oceano.

Assim, o oceano contempla uma zona altifótica de luz abundante, entre zero e 40 metros de profundidade; uma zona mesofótica de média luminosidade, entre 40 e 150 metros de profundidade; a nova zona rarifótica, entre 130 e 300 metros; e a zona afótica, totalmente sem luz, abaixo dos 300 metros de profundidade.

“Estima-se que 95% do espaço habitável do nosso planeta esteja no oceano, mas apenas uma fração desse espaço foi explorada”, explicou a pesquisadora e principal autora do estudo, Carole Baldwin, do Smithsonian National Museum of Natural History.

Carole refere ainda que os recifes situados abaixo da zona mesofótica são muito pouco estudados e que o novo estudo contraria a teoria convencional de que dos ecossistemas mesofóticos se passa diretamente para o oceano profundo.

“O que nosso estudo revela é a existência uma zona biológica de transição, até agora não reconhecida, que inclui espécies de recife e de zonas profundas, a zona rarifótica”, conclui a cientista.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

VSR: o pouco conhecido vírus que se espalha entre crianças no mundo e também no Brasil

No início de 2021, a equipe do Hospital Infantil de Maimonides, no Brooklyn, em Nova York (EUA), começou a experimentar uma cautelosa sensação de alívio. Os casos de covid-19 na cidade estavam em queda. Como …

Com popularidade em queda, premiê britânico Boris Johnson reforma equipe de governo

Após semanas de boatos, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, decidiu modificar o governo nesta quarta-feira para formar uma "equipe unida" e enfrentar os desafios depois de um ano e meio de pandemia e em …

Relatório lista mais de uma dezena de crimes atribuídos a Bolsonaro

Um grupo de juristas liderados pelo ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior entregou nesta terça-feira (14/09) à CPI da Pandemia um relatório de 226 páginas com possíveis crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro durante a …

Simulação virtual mais realista de sempre do Universo é revelada

Um dos aspectos mais incríveis da simulação é que mostra a evolução da matéria durante praticamente os 13,8 bilhões de anos de história do Universo, desde o Big Bang até a atualidade. Uma equipe internacional de …

Asteroide que dizimou dinossauros determinou sucesso das cobras, aponta estudo

As cobras devem seu sucesso na Terra, em parte, ao asteroide que atingiu o planeta há 66 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira (14/9) …

“Abandonados pelo resto do mundo”: África vacinou apenas cerca de 3% da população contra a Covid

As autoridades alertam para os baixos índices de vacinação contra a Covid-19 no continente africano. Segundo dados divulgados nesta terça-feira, cerca de 3,5% da população foi totalmente imunizada contra o coronavírus. O balanço foi anunciado …

Europeus aprovam Merkel e confiam na liderança da Alemanha

Os europeus têm alta estima pela chanceler federal da Alemanha, Angela Merkel, e aprovam o estilo de liderança dela, baseado na busca de consensos, mostra uma pesquisa do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR, na …

Mudanças climáticas: número de dias com calor acima de 50ºC no mundo dobrou em 40 anos

O número de dias extremamente quentes, quando a temperatura passa de 50°C, registrados a cada ano dobrou desde a década de 1980. Essa foi a conclusão de um estudo realizado pela BBC, que apontou também que …

Cofundador da Apple está criando sua própria empresa espacial privada

Steve Wozniak, cofundador da Apple, ao lado de Alex Fielding, fundador da Ripcord, estão lançando a empresa Privateer Space, que irá atuar no setor espacial. Se a descrição do negócio parece vaga, é porque a novidade …

Guia para apostas de sucesso no futebol

Toda semana, há milhares de jogos de futebol e mercados para apostar no Brasil. As casas de apostas como a Betsson fornecerão apostas sobre a probabilidade de resultados e eventos específicos da partida, como o número …