Só um país no mundo sobreviveria a um apocalipse zumbi – e não é o Brasil

Pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora desenvolveram um modelo matemático que permite analisar as probabilidades de sobrevivência da humanidade a um apocalipse zumbi. E as notícias não são boas.

O novo estudo, cujos resultados foram publicados esta semana no arquivo digital ArXiv, da Universidade de Cornell, nos EUA, descreve um cenário hipotético no qual uma pessoa, o “paciente zero”, é infectada com uma enfermidade que a converte num zumbi, desencadeando um surto da enfermidade que se propaga em uma grande cidade.

“Poderíamos argumentar que os zumbis são criaturas fictícias, e que não faz sentido criar o modelo matemático de um surto. Mas mesmo que um apocalipse zumbi só aconteça nos filmes de terror, aprender a modelar matematicamente uma ocorrência de um cenário desses pode ser muito útil“, explica o autor principal do estudo, João Paulo Mendonça.

Além disso, a ideia pode soar a alguns como ficção televisiva, mas o próprio Pentágono, que a tem como um risco real, já se preparou para um apocalipse zumbi.

A grande conclusão do novo estudo é a de que o fator fundamental para a sobrevivência dos humanos é a quantidade inicial de efetivos militares disponíveis para conter o surto e combater os zumbis.

De acordo com os resultados obtidos pelo modelo matemático criado pelos cientistas brasileiros, para uma população ter hipóteses de sobrevivência seria necessário que tivesse um mínimo de 47 militares por cada mil habitantes.

Isso faz com que apenas a população de um país em todo o mundo teria qualquer hipótese de sobreviver a um apocalipse zumbi: nada menos que a Coreia do Norte, que conta com uma razão de 47,4 militares por cada mil civis.

Mas mesmo nos melhores cenários, simulados com uma taxa de 100 soldados por cada mil civis, apenas 12% da população sobrevive a um apocalipse de mortos-vivos.

Boas noticias, ainda assim, se considerarmos que o mais recente estudo matemático de um surto zumbi, realizado há um ano por uma equipe de cientistas da Universidade de Leicester, no Reino Unido, calculou que a propagação de uma infecção zumbi por todo o mundo levaria à extinção de todos os seres humanos em apenas 100 dias.

Como fazer então frente a uma turma de zumbis famintos?

Em todos os cenários estudados, os melhores resultados foram obtidos nos casos em que a maior parte da população civil é forte e se encontra em bom estado de saúde. “As pessoas mais fortes seriam capazes de se adaptar e evoluir, de forma a fazer frente aos zumbis e combater o surto por conta própria”, dizem os cientistas.

Assim, concluem os autores do estudo, a melhor estratégia que um governo pode adotar, para preparar sua população para garantir a sobrevivência a um surto de zumbis, é investir em melhorar os hábitos alimentares e saúde da população.

Algo que, se poderia dizer, também deve agradar bastante aos famintos zumbis do dito surto, tipicamente incansáveis à procura da sua próxima refeição.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Viagem tripulada a Marte seria melhor com passagem por Vênus, afirmam astrônomos

De acordo com cientistas norte-americanos, cálculos das órbitas entre a Terra e Marte os levaram a concluir que tais viagens seriam mais rápidas, eficientes, e permitiriam estudar os dois planetas. Uma viagem da Terra a Marte …

EUA: Suprema corte autoriza a divulgação de documentos financeiros de Trump

A Suprema Corte dos Estados Unidos impôs uma grande derrota a Donald Trump, ao decidir que um procurador de Nova York tem direito de acesso a vários documentos financeiros do presidente, incluindo declarações de …

O fenômeno "água morta", observado a mais de cem anos, é finalmente explicado

Finamente uma equipe com especialistas de múltiplas áreas CNRS e da Universidade de Poitiers, ambas na França, decifrou a misteriosa ocorrência pela primeira vez. O estranho é fenômeno que desacelera navios ou faz que eles parem …

Pode mesmo haver vida nas nuvens de Vênus, dizem cientistas

Quem gosta de astronomia não deve saber que Vênus não é o mais habitável dos planetas. Com temperaturas em torno de 470ºC e com uma atmosfera formada por dióxido de carbono e nitrogênio noventa vezes …

Cientistas rebatem decisão da China de coletar DNA de homens e meninos

Um relatório que revelou que a China está coletando DNA de milhões de pessoas para ajudar a solucionar crimes. Essa informação tem levantado preocupações entre os pesquisadores sobre privacidade e consentimento, sob o argumento de que …

China revela análise de substância estranha encontrada na Lua em 2019

Em julho de 2019, a equipe da missão chinesa Chang'e 4 encontrou uma substância estranha na Lua. A descoberta foi anunciada em agosto do mesmo ano, chamando a atenção da comunidade científica, mas nada foi …

Cientistas alertam OMS para transmissão aérea do coronavírus além de dois metros

A transmissão aérea do novo coronavírus interpela os especialistas desde o início da pandemia. Nessa segunda-feira, um grupo de 239 cientistas alertou as autoridades de saúde do mundo inteiro, e em particular a OMS, …

Governo tem que tirar garimpeiros de terras yanomami em 15 dias para começar a enfrentar covid-19 em áreas indígenas

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região determinou que o Governo Federal deveria retirar os garimpeiros das terras yanomami de Roraima como medida para conter o avanço do novo coronavírus nos territórios indígenas. A decisão liminar …

Encontrada a origem da vida no universo

Uma estrela morre por segundo no universo. Mas esses objetos estelares não somem totalmente, algo sempre fica para trás. Certas estrelas entram em supernova, que geram um buraco negro ou uma estrela de nêutrons, enquanto a …

Bolsonaro afirma que está com covid-19

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (07/07) que seu exame para detectar a covid-19 teve resultado positivo. Bolsonaro, de 65 anos, se submeteu ao exame na segunda-feira, após dizer que estava sentindo sintomas leves da …