Só um país no mundo sobreviveria a um apocalipse zumbi – e não é o Brasil

Pesquisadores da Universidade Federal de Juiz de Fora desenvolveram um modelo matemático que permite analisar as probabilidades de sobrevivência da humanidade a um apocalipse zumbi. E as notícias não são boas.

O novo estudo, cujos resultados foram publicados esta semana no arquivo digital ArXiv, da Universidade de Cornell, nos EUA, descreve um cenário hipotético no qual uma pessoa, o “paciente zero”, é infectada com uma enfermidade que a converte num zumbi, desencadeando um surto da enfermidade que se propaga em uma grande cidade.

“Poderíamos argumentar que os zumbis são criaturas fictícias, e que não faz sentido criar o modelo matemático de um surto. Mas mesmo que um apocalipse zumbi só aconteça nos filmes de terror, aprender a modelar matematicamente uma ocorrência de um cenário desses pode ser muito útil“, explica o autor principal do estudo, João Paulo Mendonça.

Além disso, a ideia pode soar a alguns como ficção televisiva, mas o próprio Pentágono, que a tem como um risco real, já se preparou para um apocalipse zumbi.

A grande conclusão do novo estudo é a de que o fator fundamental para a sobrevivência dos humanos é a quantidade inicial de efetivos militares disponíveis para conter o surto e combater os zumbis.

De acordo com os resultados obtidos pelo modelo matemático criado pelos cientistas brasileiros, para uma população ter hipóteses de sobrevivência seria necessário que tivesse um mínimo de 47 militares por cada mil habitantes.

Isso faz com que apenas a população de um país em todo o mundo teria qualquer hipótese de sobreviver a um apocalipse zumbi: nada menos que a Coreia do Norte, que conta com uma razão de 47,4 militares por cada mil civis.

Mas mesmo nos melhores cenários, simulados com uma taxa de 100 soldados por cada mil civis, apenas 12% da população sobrevive a um apocalipse de mortos-vivos.

Boas noticias, ainda assim, se considerarmos que o mais recente estudo matemático de um surto zumbi, realizado há um ano por uma equipe de cientistas da Universidade de Leicester, no Reino Unido, calculou que a propagação de uma infecção zumbi por todo o mundo levaria à extinção de todos os seres humanos em apenas 100 dias.

Como fazer então frente a uma turma de zumbis famintos?

Em todos os cenários estudados, os melhores resultados foram obtidos nos casos em que a maior parte da população civil é forte e se encontra em bom estado de saúde. “As pessoas mais fortes seriam capazes de se adaptar e evoluir, de forma a fazer frente aos zumbis e combater o surto por conta própria”, dizem os cientistas.

Assim, concluem os autores do estudo, a melhor estratégia que um governo pode adotar, para preparar sua população para garantir a sobrevivência a um surto de zumbis, é investir em melhorar os hábitos alimentares e saúde da população.

Algo que, se poderia dizer, também deve agradar bastante aos famintos zumbis do dito surto, tipicamente incansáveis à procura da sua próxima refeição.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Governo argentino é alvo de roubo de 10 anos de arquivos administrativos

O governo da Argentina foi alvo de um ataque por meio de um ransonware e está com cerca de 10 anos de dados públicos sequestrados desde do dia 25 de novembro. Em entrevista, a ministra da …

Lausanne, na Suíça, é a melhor cidade pequena do mundo

A cidade de Lausanne, na Suíça, foi considerada a melhor cidade pequena do mundo pela influente revista britânica “Monocle”. A publicação fez uma lista com as 25 melhores cidades pequenas do mundo, com população …

Esse organismo unicelular toma "decisões" complexas mesmo sem um cérebro

Um organismo unicelular de água fresca chamado Stentor roeseli demonstra comportamento inteligente. Ele foi descoberto em 1906, e quando estimulado no microscópio, essa criatura com formato de trompete conseguiu tomar decisões consideradas complexas para um …

Rússia é banida de eventos esportivos mundiais por quatro anos

Decisão deixará o país de fora dos Jogos Olímpicos de 2020 e da Copa do Mundo de Futebol de 2022. Agência Mundial Antidoping (Wada) conclui que Moscou manipulou dados laboratoriais de seus atletas. A Rússia está …

Pessoas em situação de rua viram guias turísticos na Irlanda

Olha só que iniciativa maravilhosa. Na Irlanda, o projeto ‘Secret Street Tours’ treina pessoas em situação de rua para usar seu conhecimento sobre a cidade para serem guias de turistas em tours pela cidade de …

Cientistas finalmente criam neurônios artificiais

Uma equipe internacional liderada por pesquisadores da Universidade de Bath (Inglaterra) realizou um feito inédito: conseguiu reproduzir a atividade biológica de neurônios usando chips de silicone. E o que é ainda melhor: esses “neurônios artificias” requerem …

Huawei pode lançar novos smartphones no Brasil, afirma executivo

A Huawei oficializou, nesta quinta-feira, 5, uma plataforma de auxílio aos desenvolvedores para publicarem e divulgarem seus aplicativos para os dispositivos da companhia. Chamada Huawei Ability Gallery, trata-se de uma expansão do ecossistema da App Gallery, …

Metrô de Paris ficará em greve até segunda-feira contra reforma da Previdência

A greve dos metroviários de Paris contra o projeto de reforma da Previdência francesa foi prorrogada até segunda-feira (9). Nas assembleias-gerais realizadas pela categoria na manhã de quinta-feira (5), primeiro dia da paralisação, quase todos os …

"Operação Maleta Verde", o escândalo que atinge governo e oposição na Venezuela

Com semblante mais sério que de costume, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela pelos Estados Unidos, pelo parlamento da União Europeia e por vários países da América Latina, dirigiu-se a jornalistas reunidos em …

Sarampo causou mais de 140 mil mortes em 2018

De acordo com OMS, maioria das vítimas tinha menos de cinco anos de idade e não havia sido vacinada. No ano passado, foram registrados quase 10 milhões de casos da doença no mundo. O sarampo causou …