O presidente de Liberland está impedido de entrar no país que criou

Vit Jedlicka, fundador e presidente de Liberland

Vit Jedlicka, fundador e presidente de Liberland, não consegue por os pés no próprio país

Vit Jedlicka tem um plano ambicioso: tornar realidade o país que considera ideal em um local que, segundo ele mesmo diz, é uma terra de ninguém localizada entre a Sérvia e a Croácia. Mas enfrenta um irônico problema: ele foi proibido de colocar os pés no local, batizado de Liberland.

Com apenas sete quilômetros quadrados, Liberland é um pântano sem habitantes.

Apesar de se tratar de uma área tão pequena, Vit Jedlicka – “eleito” primeiro presidente de Liberland – vê a criação do país como a realização de um sonho libertário: um lugar onde os impostos não são obrigatórios, não há controle de posse de armas e cuja moeda é o  dinheiro virtual bitcoin.

Em 2015, Jedlicka, sua namorada e um grupo de amigos fincaram uma bandeira no local. Os amigos o acabaram elegendo para liderar o novo país.

Desde então, cerca de 500 mil pessoas já se inscreveram, via internet, para serem cidadãs de Liberland. O presidente já formou um gabinete de governo e afirma ter embaixadores no mundo inteiro, todos apenas esperando a oficialização do país.

Ele também já arrecadou dinheiro para Liberland por meio de financiamento coletivo pela internet e doações. Também já foram impressos os passaportes diplomáticos.

O território de Liberland, que assume como línguas oficiais o checo e o inglês, tem sua própria constituição, escudo, bandeira e hino nacional.

site oficial da República de Liberland disponibiliza informação detalhada sobre o processo de aquisição de cidadania. Os interessados podem mesmo candidatar-se online.

O único problema é que nem Jedlicka e nem ninguém conseguiu ocupar o território.

Terra de ninguém

Em 2015, Liberland parecia ser um raro exemplo de um termo jurídico, o terra nullius, um pedaço de terra que não é reivindicado por nenhum governo.

A região já foi parte da Sérvia, mas quando as fronteiras daquele país foram redesenhadas, no fim da guerra civil da antiga Iugoslávia, na década de 1990, ela foi parar no território croata.

Mas a Croácia não queria a área – se tivesse aceito a região, teria que ter aceito também as novas fronteiras, que davam ao país menos território do que costumava ter.

A Sérvia, por sua vez, gostou do novo desenho – que lhe dava mais espaço -, apesar de ter perdido Liberland.

Então, por razões diferentes, os dois países recusaram a região.

Jedlicka, um funcionário de relações públicas de 32 anos nascido na República Tcheca, viu a terra rejeitada como uma oportunidade e, de todas as partes do mundo, idealistas libertários foram para a região dos Bálcãs para se estabelecer no novo país.

Google Maps

Localização da mais nova nação da Europa, Liberland: 45°46’N 18°52’E

Localização da mais nova nação da Europa, Liberland: 45°46’N 18°52’E

Mas foi aí que os problemas começaram: o governo da Croácia pode até não querer a terra pantanosa, mas também não demonstra nenhum interesse em ter um bando de libertários com direito a portar armas em sua vizinhança.

O país decidiu prender e multar quem tentasse entrar, fosse por terra ou água. O próprio presidente de Liberland foi preso e multado quando tentou sair da Croácia e entrar em seu país.

Para piorar ainda mais o cenário, Jedlicka foi proibido neste ano de entrar também na Croácia.

Mas ele não pretende desistir. O presidente de Liberland tem mantido uma agenda internacional movimentada, participando de conferências no mundo todo, indicando ministros e representantes internacionais e mantendo seu país vivo nas redes sociais.

Jedlicka também organizou um concurso de arquitetura para Liberland, que atraiu grandes escritórios do mundo todo.

Viagem

Em setembro, o presidente o seu ministro do Exterior, José Miguel Maschietto, se reuniram com a reportagem da BBC em Budapeste.

Os dois estavam nervosos, pois não sabiam se conseguiríamos atravessar a fronteira e entrar na Croácia.

Tarde da noite, passamos por um pequeno posto de fiscalização – Jedlicka não se anunciou como um chefe de estado, disse apenas que era um turista.

O presidente tinha dois compromissos: participar de uma conferência sobre economia regional e entrar com um recurso contra a condenação por entrar em Liberland de forma ilegal.

Ir ao evento era uma tentativa de provar que ele é um representante real de um país real e entregar belos catálogos para burocratas europeus – ele e outros cidadãos de Liberland realmente acreditam que um refúgio para o livre mercado nos Bálcãs pode ajudar na recuperação econômica de uma região problemática.

A pendência judicial não se resolveu: uma instância superior da Justiça croata anulou a condenação original e enviou o caso de volta para os magistrados locais para um novo julgamento.

Jedlicka espera perder o caso de novo.

E eis seu argumento: se a Croácia estava multando Jedlicka por entrar em Liberland de forma ilegal, isto é a prova de que existe uma fronteira internacional no local, como o presidente do país sempre alegou.

Para a decepção de Jedlicka, o magistrado achou que o caso estava além de sua competência, o que levou ao adiamento da decisão.

Barcos e ficção

Depois desta derrota, Jedlicka foi examinar barcos.

O plano dele é construir um assentamento temporário com casas flutuantes no rio Danúbio, perto do território de Liberland. Outros barcos vão servir como salas de reunião e acomodações diplomáticas.

O presidente acredita que a compra de propriedades vai mostrar a seriedade de seus objetivos.

“Queremos mostrar que somos pessoas de verdade que conseguem fazer coisas de verdade, mas de um jeito romântico”, explicou.

José Miguel Maschietto, o ministro do Exterior, também de 32 anos, acompanha Jedlicka na busca por barcos.

Maschietto afirma ser um comandante no Exército italiano e ter servido nas tropas de paz da ONU em Kosovo, mas não disse quando isso correu. Frequentemente, ele afirma coisas que não são verdade, não são exatamente como ele descreve ou são improváveis.

O ministro do Exterior de Liberland diz estar em contato constante com os embaixadores, mas não consegue dizer seus nomes.

Megamiguel8000 / Wikipedia

Escudo Oficial da República Livre de Liberland

Escudo Oficial da República Livre de Liberland

Depois de algumas checagens, a história de Maschietto fica ainda mais complicada.

Três anos atrás, ele afirmava ser um pianista e compositor famoso, ganhador de um prêmio pela trilha sonora do filme Gravidade, maestro na companhia de ópera estatal de Praga, maestro convidado da Ópera Nacional de Paris e maestro convidado no Balé Bolshoi. Um currículo cheio de prêmios e cargos de prestígios.

Maschietto deu entrevistas para a imprensa italiana e tcheca. Por ser de origem equatoriana e ter sido adotado quando ainda era criança por uma família italiana, o embaixador do Equador na Alemanha queria indicar o “prodígio musical” como cônsul honorário em Praga. Havia até um projeto de fazer um filme sobre sua vida.

O problema é que nada do que ele dizia era verdade.

Nenhum dos locais onde ele afirmava ter trabalhado tinha registros dele. Seu talento no piano era medíocre – até conseguiu reger uma orquestra em Viena, mas o gerente da instituição disse que os músicos se rebelaram contra sua liderança depois de apenas meia hora, o que levou à sua substituição.

Um grupo de equatorianos que vivem na Alemanha e em Praga, incluindo o músico famoso Boris Cepeda (que nunca tinha ouvido falar de Maschietto), acabou por desmascará-lo.

O governo do Equador reconheceu que foi enganado e retirou a indicação para cônsul honorário. Com isso, Maschietto desapareceu por alguns anos e ressurgiu novamente como o ministro do Exterior de Liberland, mas alterando seu nome – provavelmente para evitar ser reconhecido.

Renúncia

A reportagem da BBC contou ao presidente Jedlicka sobre o passado de Maschietto.

O presidente ficou surpreso e chocado – e o ministro acabou renunciando.

“Ainda estou fazendo o que posso para escolher as melhores pessoas para a equipe e ultimamente não tenho tido muita sorte. Espero conseguir pessoas melhores em breve. Você não se interessaria em trabalhar no nosso serviço secreto?”, escreveu Jedlicka de volta à reportagem.

Jedlicka continua trabalhando em sua equipe de governo, mas tudo indica que está tentando perseguir uma fantasia.

Se a Croácia e a Sérvia resolverem seus problemas de fronteira, não haverá mais nenhum pedaço de terra sobrando.

Mas o presidente de Liberland gosta de repetir que todos os países são fantasias. “Todos saem da cabeça de alguém.”

// BBC

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Senado oficializa criação da CPI da Pandemia

Presidente do Senado diz que foco deve estar nas ações e omissões do governo federal e no repasse de recursos da União para estados e municípios. STF julgará determinação do ministro Barroso que ordenou abertura …

Bernie Madoff, maior golpista da história, morre em prisão norte-americana, diz relato

Bernard Madoff, o ex-financista que realizou a maior fraude de investimento na história dos Estados Unidos, morreu aos 82 anos de idade, de acordo com relatos da mídia. Em 2009, o notório financista recebeu uma sentença …

Salvator Mundi, obra mais cara de Da Vinci avaliada em R$2,6 bi, é vista em iate de príncipe

A obra de arte mais cara do mundo é ‘Salvator Mundi’, atribuída a Leonardo da Vinci. Com valor estimado em mais de 400 milhões de dólares ou superior aos 2,6 bilhões de reais, seu paradeiro …

Variante indiana da Covid-19 se propaga mais rápido e é menos detectada por testes PCR

A Índia enfrenta a pior onda de contaminações da Covid-19 desde o início da pandemia, com mais de 165 mil casos registrados nas últimas 24 horas: duas vezes mais do que no último pico, em …

Tipo sanguíneo não afeta risco de contrair COVID-19, diz novo estudo

Um estudo buscou entender se determinados tipos sanguíneos trazem mais riscos de contrair a COVID-19, e concluiu que não é o caso. Com a pandemia, muito se questiona em relação ao comportamento da COVID-19 em nosso …

Buracos negros são famintos, mas possuem boas maneiras à 'mesa', aponta estudo

Todos os buracos negros supermassivos nos centros das galáxias possuem períodos nos quais devoram a matéria situada de seus arredores. De acordo com um estudo publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics, as galáxias ativas têm …

Pnad e Caged: No auge do desemprego, Brasil enfrenta falhas nas estatísticas do mercado de trabalho que confundem e desorientam

Num momento em que o país tem registrado números diários de mortes por covid-19 que ultrapassam 4 mil e diversos Estados e municípios reforçam medidas de distanciamento social, na tentativa de conter a propagação do …

Jovem negro de Minnesota morreu por “disparo acidental”, afirma polícia

Policial teria confundido arma de descarga elétrica com arma de fogo. Incidente em meio a julgamento da morte de George Floyd acirra tensões e agrava protestos. Mineápolis e outras cidades ampliam toque de recolher. A policial …

Bia, assistente de voz do Bradesco, vai responder mensagens de assédio

O Bradesco precisou tomar providências para proteger uma mulher de assédio. No caso, uma mulher que nem existe fisicamente. A mulher que dá voz ao sistema de inteligência artificial do aplicativo, a Bia (sigla para Bradesco …

Covid-19: Médicos pressionam governo francês para aumentar controles de pessoas vindas do Brasil

Especialistas acreditam que medidas do governo francês para frear entrada de variante P1 no país são insuficientes e pressionam para aumento de controles de passageiros provenientes do Brasil nos aeroportos ou pela suspensão dos …