Privatização do primeiro satélite nacional pode frear inclusão digital no Brasil

O governo de Michel Temer (PMDB) vai privatizar as operações do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), o único e primeiro satélite controlado pelo país. E o plano de vendas anunciado pela Telebras pode impedir que se alcance um dos principais objetivos do equipamento: a universalização do acesso à internet banda larga no Brasil.

Lançado em 4 de maio, o SGDC é um projeto da Telebras, empresa de economia mista vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) em parceria com o Ministério da Defesa. O satélite vai fornecer conexões para serviços de telefonia, televisão e internet para fins civis e militares.

O plano de venda prevê 70% da capacidade do satélite, divididas em quatro lotes. O primeiro será exclusivo da empresa estatal; os outros três serão comercializados com empresas que atuam nos regimes de concessão, permissão e autorização de serviços de telecomunicações.

Avaliação

O diretor técnico do Clube de Engenharia, Marcio Patusco, acredita que o plano de vendas do SGDC vai retirar a descaracterização do projeto.

O projeto foi criado em 2013 e previa, inicialmente, dar autonomia ao Brasil em relação ao tráfego das Forças Armadas e suprir a demanda por internet de alta velocidade em municípios onde não há infraestrutura, de acordo com as metas do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL).

“Na hora que você repassa isso para empresas que querem lucro e que têm um compromisso consumista, esse compromisso [social] praticamente é abandonado; é, na verdade, uma exploração comercial“, disse o engenheiro. Ele afirma ainda que o processo privatização será problemático para a inclusão digital de localidades onde não há atendimento.

Segundo a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), 37 dos mais de 5,5 mil municípios brasileiros representam 50% de acessos à banda larga fixa registrado e atingem a 78% da população do país.

A média brasileira da densidade do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), em março de 2017, era de 39,1 em cada 100 domicílios. A taxa da região mais atendida, o Sudeste, é de 53,82; enquanto o Nordeste, 17,89.

Para Patusco, o SDGC pode se transformar em um satélite comercial comum, como os que já atendem grandes centros urbanos. O critério vai depender única e exclusivamente das empresas que ganharem a licitação.

Durante a transmissão do lançamento do satélite, o presidente Michel Temer afirmou que o satélite iria “democratizar o fenômeno digital no nosso país” e que a banda larga vai atingir “todos os recantos” do Brasil.

Mas um dos pontos críticos do edital do governo federal, e que preocupa a Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações (Abrint), é que o chamamento não prevê, para as empresas, contrapartidas sociais.

Erich Rodrigues, presidente da associação que representa pequenos e médios empresários que operam no mercado de distribuição de serviços de banda larga, afirma que os 23% da população que ainda não têm acesso à internet serão os mais impactados pela medida.

“É uma mudança significativa de rumo depois de todo um investimento já feito; afinal, a nação já investiu muito dinheiro nesse satélite, além do uso militar, havia a aplicação social dentro dessa perspectiva da universalização da banda larga”, disse.

Rodrigues critica ainda a impossibilidade de pequenas empresas participarem do processo, já que o edital não não permite a participação em consórcios ou lotes — o que daria condições a pequenas empresas de participarem do processo de leilão.

O Brasil de Fato procurou o MCTIC, que afirmou que à reportagem teria que entrar em contato com a assessoria da Telebras. A empresa, por sua vez, não respondeu aos questionamentos feitos por e-mail após três dias de espera.

Soberania nacional

Para Marcio Patusco, a terceirização também vai implicar em danos à soberania nacional, com o envolvimento de uma terceira entidade no controle do satélite, além da Telebras e das Forças Armadas. O engenheiro não descarta a possibilidade de as empresas obterem informações sigilosas do país.

O contrato para a construção do SGDC foi assinado após o vazamentos de documentos pelo estadunidense Edward Snowden revelar que membros do governo brasileiro, inclusive a então presidenta Dilma Rousseff (PT), foram alvo de espionagem pela NSA, agência de segurança nacional dos EUA.

“Isso determinou uma modificação e uma reorientação de investimentos de forma que o Brasil pudesse ter, realmente, este satélite sendo uma prioridade; e cursando o tráfego destinado às forças armadas e um tráfego que fosse orientado para hospitais, escolas e entidades públicas de forma a proteger essas informações que na verdade tinham sido que eram bastante sigilosas”, analisou Patusco.

Por e-mail, o Ministério da Defesa esclareceu que o plano de venda pela Telebras diz respeito à comercialização da Banda Ka, usada para fins civis. A pasta afirmou que as Forças Armadas vão utilizar uma banda distinta, a Banda X, e os centros de controle estarão em bases militares.

Até 1998, quando a então Embratel foi privatizada, o país possuía satélites próprios para as comunicações militares. Desde então, o Brasil só tem satélites de baixa órbita que são usados, por exemplo, para o monitoramento ambiental.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Não comemorei ou me orgulhei de ter banido Trump do Twitter", diz Jack Dorsey

Em uma série de tuítes, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, defendeu o banimento de Donald Trump da rede social na última sexta-feira (8). Segundo o executivo, essa foi a medida certa para a …

EUA adicionam Xiaomi e mais 8 empresas chinesas à lista de companhias ligadas a militares

Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um "frenesi final" do governo Trump em sua campanha anti-China. Na quinta-feira (14), o Departamento …

Petrobras é a segunda maior do mundo em operações no oceano

Entre as 100 maiores corporações transnacionais que operam nos oceanos mundo afora, a Petrobras aparece em segundo lugar. A lista, divulgada nesta quarta-feira (13/01), é parte de uma pesquisa publicada na renomada revista Science Advances, …

Estudo detecta pela 1ª vez em que resulta colisão de 3 buracos negros

Um novo estudo da agência espacial norte-americana NASA revela novas informações sobre o que acontece após colisões entre três buracos negros supermassivos. Com a ajuda do Observatório de Raios X Chandra, da NASA, e vários outros …

5 razões por que 2021 pode ser um ano crucial na luta contra o aquecimento global

O mundo tem um tempo limitado para agir de modo a evitar os piores efeitos das mudanças climáticas. A pandemia de covid-19 foi o grande problema de 2020, sem dúvida, mas espera-se que, até o final …

Supremo da Coreia do Sul confirma 20 anos de prisão para ex-presidente

O Supremo Tribunal confirmou hoje a condenação a 20 anos de prisão pronunciada em 2017 contra a ex-presidente Park Geun-hye, destituída nesse mesmo ano depois de ser reconhecida culpada de corrupção e abuso de poder. …

Esse homem só pode tentar adivinhar a própria senha mais duas vezes para recuperar $236 milhões de dólares em Bitcoin

Com altas recentes no preço do Bitcoin, um fenômeno infeliz está surgindo: pessoas que acumularam incríveis fortunas na criptomoeda estão percebendo que perderam as senhas das suas carteiras digitais criptografadas. Stefan Thomas, um programador em São …

Vacina contra covid-19: a estratégia do país que decidiu vacinar os jovens antes dos idosos

A Indonésia lançou um programa de vacinação em massa gratuito contra a covid-19 em uma tentativa de impedir a propagação do vírus e fazer sua economia voltar a se aquecer. Mas o país está adotando uma …

Com popularidade a mil, Signal vai contratar mais pessoas e otimizar recursos

Recentemente, o Canaltech noticiou que um simples tweet publicado pelo empresário Elon Musk fez com que o Signal, um mensageiro instantâneo conhecido por respeitar a privacidade de seus usuários e ser 100% em código aberto, …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …