Encontrado o último (e mais sofisticado) submarino nazista

(dv) Armada Argentina

Submarino ARA San Juan da Armada Argentina

Um raro submarino, que teria sido utilizado em uma misteriosa operação de fuga de nazistas de alto escalão, foi descoberto na Dinamarca.

Os restos de um raro submarino alemão, muito sofisticado para a tecnologia marítima daquela época, foram encontrados na área de Skagerrak, perto da costa da Dinamarca, como resultado do trabalho do Museu de Guerra Naval da Jutlândia para mapear, e eventualmente retirar, destroços marítimos no mar do Norte, reporta a TV2.

O submarino alemão U-3523 foi afundado por um bombardeiro britânico B-24 Liberator no dia 6 de maio de 1945, quando as Forças Aliadas libertaram a Dinamarca da ocupação nazista. Todos os 58 tripulantes morreram.

“Esse era um submarino muito especial. Foi o submarino mais sofisticado que os alemães construíram durante a Grande Guerra. Era muito moderno e estava muito à frente de seu tempo”, disse Gert Normann Andersen, curador do museu da Jutlândia.

Segundo o diretor, apenas dois dos 118 submarinos que foram encomendados pelo comando nazista entraram em serviço.

Atualmente, existe apenas um exemplar preservado dessa classe de submarinos, que está em exposição no Museu Marítimo Alemão, em Bremerhaven, que foi uma das principais bases alemãs de submarinos durante a Segunda Guerra Mundial e que continua sendo um dos principais portos comerciais do país.

De acordo com Andersen, o submarino já tinha sido utilizado como navio de treino em Wilhelmshaven, outra importante base naval nazista, mas acredita-se que também tivesse sido usado em uma missão secreta impedida pelo bombardeiro britânico.

O desaparecimento do U-3523 é envolto em rumores sobre alguns dos principais personagens nazistas que tentavam fugir para a América do Sul, com fortunas que consistiam em ouro e preciosas obras de arte. Esses rumores continuam a circular ainda hoje por falta de provas conclusivas.

Apesar do U-3523 lançar alguma luz sobre esse enigma da fuga nazista, o Museu de Guerra Naval não tem planos para retirar o submarino da água. Atualmente, o veículo repousa em segurança a uma profundidade de 123 metros.

“Ninguém tem permissão para recuperar o submarino. Por isso, deveriam ser as próprias autoridades alemãs a dizer que gostariam que ele fosse recuperado e examinado“, afirma o curador.

O U-3523 diesel-elétrico foi encomendado em novembro de 1943, concluído em dezembro de 1944, e entrou em serviço em janeiro de 1945. Tinha uma velocidade máxima na superfície de 30 quilômetros por hora e podia operar com motores silenciosos devido a técnicas inovadoras de engenharia. Com uma tripulação de cinco oficiais e cerca de 50 tripulantes, poderia viajar até 28 mil quilômetros.

Produzido prematuramente e com defeitos significativos, a série continha algumas soluções revolucionárias, sendo o primeiro submarino a operar totalmente submerso. Apesar de nunca ter sido usado em combate real devido a falhas, o submarino podia passar vários dias embaixo d’água.

O Museu da Jutlândia está em processo para realizar uma grande varredura do fundo do mar do Norte à procura de naufrágios. Até agora, foram encontrados 450 destroços, dos quais 12 submarinos, três britânicos e nove alemães.

Ciberia // Sputnik / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA:

"Trump me sugeriu processar a União Europeia", diz primeira-ministra britânica

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, revelou neste domingo, 15, que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, lhe disse para "processar a União Europeia" em meio às tratativas de negociações do Brexit - …

Descoberta "oficina de múmias" próximo a pirâmides de Gizé

Arqueólogos alemães e egípcios anunciaram neste sábado (14) ter descoberto uma "oficina de mumificação" perto da necrópole de Saqqara, no Egito. Arqueólogos egípcios anunciaram a descoberta de um antigo sepultamento e de uma oficina de mumificação …

Os romanos podem ter sido os primeiros caçadores de baleias

Ossadas de baleias cinzentas e baleias-francas do Atlântico Norte foram encontradas no Estreito de Gibraltar. Esses ossos sugerem que, nos primeiros séculos depois de Cristo, as baleias não só circulavam por mares europeus como também …

Cabine de avião da Ryanair despressuriza e 33 passageiros vão parar no hospital

Trinta e três passageiros de um avião da companhia low-cost Ryanair tiveram que ser hospitalizados depois que a cabine do aparelhou sofreu uma despressurização. O piloto precisou fazer uma aterrissagem de emergência em Frankfurt, na …

Marun nega participação em supostas fraudes no Ministério do Trabalho

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, negou hoje (14) em nota que tenha participado de supostas fraudes no Ministério do Trabalho para beneficiar sindicatos em Mato Grosso do Sul, seu reduto eleitoral. A informação …

Mosaico que retrata "espiões bíblicos" de Moisés é descoberto em Israel

A descoberta de uma série de mosaicos que datam de 1.600 anos atrás, no interior de uma antiga sinagoga, em Israel, está “revolucionando” tudo o que sabíamos sobre o Judaísmo da época, apresentando “novas pistas” …

Poderíamos ter ido a Marte na década de 60, diz astronauta

O popular astronauta Chris Hadfield diz que a tecnologia que nos levou à lua e nos trouxe de volta na década de 60 poderia nos ter mandado também para Marte. O canadense Chris Hadfield foi astronauta …

Duas novas espécias de morcegos amarelos são descobertas na África

Duas novas espécies de morcegos amarelos foram recentemente descobertas no Quênia, na África. Mas os cientistas não estão interessados apenas nas cores apelativas desses animais. Na verdade, essas espécies também fornecem pistas importantes sobre alguns ramos …

Fragmento mais antigo da "Odisseia" de Homero é encontrado na Grécia

Arqueólogos encontraram uma placa de argila que contem a transcrição de 13 versos da Odisseia de Homero durante escavações na antiga cidade de Olímpia, na Grécia. Uma equipe de arqueólogos gregos e alemães encontrou uma placa …

Roupas com nanotubos de carbono podem ser utilizadas como baterias

Engenheiros da Universidade de Cincinnati, nos EUA, em parceria com a Base Aérea de Wright-Patterson, estão desenvolvendo uma roupa que pode ser utilizada como bateria, sendo assim capaz de recarregar dispositivos eletrônicos.   O tecido …