250 russos siberianos foram os primeiros americanos

Eric S. Carlson / Ben A. Potter

Uma recente análise genética sugere que a população fundadora dos nativos americanos que migrou da Sibéria era composta por aproximadamente 250 indivíduos.

Apesar dos inúmeros estudos genéticos, os cientistas ainda não tinham chegado a um consenso sobre quantos nativos americanos compunham a população original.

O novo estudo, publicado na Genetics and Molecular Biology, corrobora resultados de estudos anteriores e sugere que a população fundadora dos nativos americanos era composta por 250 indivíduos.

“Passar de algumas centenas de fundadores para cerca de 40 milhões de habitantes, que vivem em diferentes condições ambientais, é algo muito empolgante”, comentou o professor de antropologia da Universidade do Kansas, Michael Crawford. “Esse estudo é sobre entender como a evolução opera em termos de diversidade genética.”

Segundo Nelson Fagundes, pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, averiguar o tamanho dos grupos fundadores é muito importante, já que determina a quantidade de diversidade genética que se transfere aos descendentes do grupo. Por sua vez, isso pode alterar a eficácia com que a seleção natural elimina os genes “ruins”.

“As grandes populações têm uma seleção muito eficiente, enquanto em populações pequenas são geneticamente suscetíveis a algumas doenças”, explicou Fagunde.

Para revelar o tamanho do grupo fundador, a equipe de cientistas estudou amostras de DNA de 10 indivíduos americanos nativos da América Central e do Sul, 10 pessoas de diferentes grupos siberianos e 10 indivíduos da China, representando assim as várias afiliações tribais.

Os dados genéticos ajudam a pintar a imagem de como se desenrolou a antiga migração. Os cientistas sabem que a variação genética dentro de uma amostra está diretamente relacionada com o tamanho da população. A isso, juntaram o fato de a diferença genética entre duas populações aumentar com o tempo.

Isso permitiu aos pesquisadores associar os dados do DNA em simulações computacionais e determinar o tamanho original do grupo fundador, explicou o líder do estudo.

De acordo com os modelos, o grupo original era composto por 229-300 pessoas, o que levou à estimativa final de 250 indivíduos. Esse número é muito pequeno, o que significa que havia pouca variação genética na população.

Mas desde essa época já se passou muito tempo. Os nativos americanos tiveram assim tempo para recuperar sua diversidade através de novas mutações genéticas. Mais do que isso: alguns nativos da América do Note formaram uniões com pessoas de migrações posteriores, o que também contribuiu para a diversidade genética, conclui o estudo.

Ciberia // Sputnik / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …