Amazon abre seu primeiro supermercado que não aceita dinheiro

Dois anos depois de a Amazon inovar no ramo das lojas de conveniência abrindo a sua própria rede que aceita apenas pagamentos virtuais, a empresa está pronta para dar o próximo passo: nesta terça-feira (25), ela abriu a primeira unidade de supermercado Go na cidade de Seattle.

Com 715 m² de área construída (966 m² se contar também a área reservada para estacionamento), o supermercado Amazon Go segue a mesma premissa das lojas de conveniência da empresa de não aceitar dinheiro físico, mas desta vez o desafio para conseguir isso será bem maior.

Isso porque, nas lojas de conveniência, a variedade de itens era baixa e praticamente todos eles vinham em pacotes fechados, o que facilitava a conferência. Agora, além de uma variedade muito maior de produtos, é preciso que os sistemas do mercado façam conferências muito mais complexas (por exemplo: entender a diferença entre um cliente pegar uma maçã para conferir o estado dela e pegar uma maçã para colocar no carrinho).

Por causa disso, a entrada da loja possui catracas que só são abertas quando o usuário as desbloqueia utilizando um smartphone que está logado em sua conta na Amazon, além de o prédio todo estar cercado por câmeras e sensores que permitem que não apenas os produtos sejam adicionados ao carrinho apenas quando o cliente realmente os escolhe para compra, mas também que, caso ele desista de algum destes, não precise devolvê-lo na exata prateleira em que ele foi retirado para que o sistema acuse a remoção deste item do carrinho.

Ao todo, o Amazon Go terá uma variedade de 5.000 itens diferentes em suas prateleiras, contando com uma mistura de marcas famosas, marcas menos conhecidas e itens orgânicos. De acordo com Dilip Kumar, vice-presidente da Amazon, o objetivo é fazer com que os clientes tenham a sensação de estar fazendo suas compras num supermercado comum, daquele tipo que utilizaram durante toda a vida, e apenas algumas coisas muito específicas que funcionarão de modo diferente.

Uma dessas coisas é a venda de produtos tradicionalmente são preparados na hora, como carnes ou itens de padarias. Como o mercado da Amazon não possui açougueiros ou confeiteiros, itens como carne e peixe fresco, além de bolos e doces, são embalados individualmente e enviados para a loja dia sim, dia não, garantindo que os produtos adquiridos pelos clientes estarão sempre frescos.

Outra diferença dos mercados tradicionais é que a área destinada a bebidas alcóolicas terá funcionários humanos ajudando no atendimento e verificando a documentação do cliente para garantir que a Amazon não esteja vendendo bebidas para menores de idade (já que não existem caixas para fazer essa conferência no fim da compra). E, quando o cliente já pegou tudo o que precisa, é só sair da loja, sem a necessidade de passar as compras por qualquer caixa, que o valor já será debitado automaticamente na conta Amazon dele.

Ainda que o experimento esteja no início, Kumar já afirmou que o tamanho não é um impedimento para o modelo de negócio da empresa, e o mercado poderia ser até 10x maior que o sistema da Amazon daria conta do mesmo jeito. Assim, é de se esperar que a empresa esteja pensando em entrar no ramo dos grandes varejistas e competir diretamente com marcas como Costco e Sam’s Club.

E, mesmo que ainda não exista nenhum cronograma para expansão desses mercados da Amazon, se levarmos em conta a velocidade com que o experimento da loja de conveniência se espalhou para outras metrópoles como Nova York, San Francisco e Chicago, não seria um absurdo se em poucos meses a Amazon abrisse novos mercados em outras cidades dos Estados Unidos.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

UE exportou mais de um bilhão de doses contra Covid-19, diz Comissão Europeia

A União Europeia exportou mais de um bilhão de doses de vacinas contra a Covid-19 para mais de 150 países. Essa quantidade representa a metade das doses produzidas na Europa, de acordo com dados …

Colin Powell, ex-secretário de Estado dos EUA, morre aos 84 anos

Primeiro negro a ocupar topo da diplomacia e da máquina militar americana, ex-general teve papel de destaque na Guerra do Golfo e arranhou sua credibilidade ao apoiar a invasão do Iraque uma década depois. Colin Powell, …

Criminosos usam escaneamento por código do próprio usuário para 'sequestrar' contas do WhatsApp

Em 2019, um relatório divulgado pelo laboratório de pesquisa da empresa de segurança virtual Eset alertou que uma das formas crescentes de sequestro de contas do WhatsApp era feita por meio de um ataque conhecido …

EUA: Manobras de Trump bloqueiam investigação sobre invasão do Capitólio

Vários parceiros e associados do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, se recusaram a comparecer à comissão da Câmara que investiga a invasão de 6 de janeiro de 2021 contra o Capitólio, sede do …

Dor nos olhos após COVID-19: cientistas explicam causa de complicação inesperada do vírus

Uma pesquisa de cientistas alemães mostrou que o coronavírus pode penetrar nos olhos e infectar os fotorreceptores e células ganglionares na retina. Isso pode ser uma causa de problemas com os olhos após a COVID-19. Os …

Estudo mostra como mudanças climáticas afetarão a energia hidrelétrica no Brasil

Um novo relatório publicado pela Global Environmental Change revela que, nas próximas décadas, as reduções de precipitação e vazão dos rios na região amazônica — a maior bacia hidrográfica do mundo e uma forte candidata …

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …