Anistia Internacional acusa empresas farmacêuticas de deixar países pobres sem vacinas anticovid

A ONG Anistia Internacional divulgou um relatório nesta quarta-feira acusando os grandes grupos farmacêuticos que produzem vacinas contra a Covid-19 de alimentar uma crise de direitos humanos sem precedentes. Por essa razão, a entidade faz um apelo para o envio urgente de 2 milhões de doses de vacinas anticovid para os países pobres.

No relatório intitulado de “Vacinas contra a Covid-19: Uma Dose de Desigualdade”, a ONG Anistia Internacional afirma que as empresas farmacêuticas não priorizam os países mais pobres. A publicação acontece durante uma cúpula mundial sobre imunizantes que está sendo realizada virtualmente.

“Vacinar o mundo é nossa única saída desta crise. Deveria ser hora de saudar essas empresas, que criaram essas vacinas tão rapidamente, como heróis”, afirmou a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnes Callamard, em um comunicado.

“Mas, em vez disso, para sua vergonha e dor coletiva, o bloqueio intencional da transferência de conhecimento das grandes empresas farmacêuticas e suas manobras em favor dos Estados ricos criaram uma escassez de vacinas totalmente previsível e totalmente devastadora para tantos países”, reiterou.

Desrespeito dos direitos humanos

Para chegar a essas conclusões, a Anistia analisou as políticas da AstraZeneca, Pfizer, BioNTech, Moderna, Johnson & Johnson e Novavax – cuja vacina ainda não foi aprovada – sobre direitos humanos, preços, propriedade intelectual, intercâmbio de conhecimento e tecnologia, alocação de doses e transparência.

Segundo a ONG, “em vários graus, os seis fabricantes de vacinas falharam em cumprir suas responsabilidades no que diz respeito aos direitos humanos”.

O documento aponta que das 5,76 bilhões de doses administradas, apenas 0,3% foram para países de renda “baixa”, enquanto 79% foram para países de renda “média-alta” e “alta”, de acordo com a ONG. Segundo a Anistia, Pfizer, BioNTech e Moderna planejam obter um lucro total de US$ 130 bilhões até o final de 2022.

A ONG alerta, no entanto, que “os lucros nunca devem ser mais importantes que as vidas”. Se a maioria dessas empresas receberam “milhares de dólares dos governos para financiamento, os fabricantes de vacinas monopolizaram a propriedade intelectual, bloquearam as transferências de tecnologia e limitaram de maneira agressiva as medidas que permitiriam estender a fabricação desses imunizantes em todo o mundo”, ressalta.

Resposta insuficiente

Antes da divulgação do relatório, a ONG também afirma ter contatado as fabricantes citadas. Todas as empresas responderam, com exceção da Novavax, e afirmaram que uma distribuição justa e igualitária, especialmente nos países pobres, é essencial.

A resposta, no entanto, foi considerada insuficiente pela Anistia Internacional.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Sinais de possível 1º exoplaneta fora da Via Láctea são detectados

Pela primeira vez na história, é possível que os cientistas tenham descoberto um planeta em outra galáxia. O possível exoplaneta recebeu o nome de M51-ULS-1 e se encontra a 28 milhões de anos-luz de distância na …

China vai vacinar crianças a partir de três anos contra a covid-19

Imunizantes aprovados são das farmacêuticas chinesas Sinopharm e Sinovac, fabricante da Coronavac. País será um dos primeiros a começar a vacinar essa faixa etária. No total, China já vacinou 76% da população. Ao menos cinco províncias …

"Bolsonaro ignora todas as necessidades culturais dos brasileiros", diz Gilberto Gil à revista Télérama

A imprensa francesa desta segunda-feira (25) destaca o show de Gilberto Gil nesta noite na Filarmônica de Paris. O músico brasileiro conversou com o jornal Le Monde e com a revista Télérama. "Gilberto Gil", embaixador …

"Peças extraordinárias" achadas na Indonésia podem ser da lendária "ilha do Ouro"

Tesouros no valor de milhões de dólares encontrados nos últimos cinco anos ao longo do rio Musi podem ser do antigo império malaio Serivijaia, na ilha de Sumatra, que por 300 anos dominou as rotas …

Pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", diz diretor da OMS

A pandemia de Covid-19 vai acabar "quando o mundo decidir acabar com ela", disse neste domingo (24) o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Ghebreyesus. O representante da ONU discursou na abertura …

Google está “criando Deus”, alerta ex executivo da Google

Segundo um ex-executivo do Google, a singularidade está chegando. E, segundo ele isso representa uma grande ameaça para a humanidade. Mo Gawdat, ex-diretor de negócios da organização moonshot do Google, que na época se chamava Google …

Pandemia causa a maior redução na expectativa de vida desde a Segunda Guerra

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2, mais de 4,9 milhões de pessoas morreram oficialmente em consequência da infecção, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Nesse cenário, a pandemia da covid-19 reduziu a expectativa de vida …

Forças Armadas da Noruega assinam contrato bilionário de mísseis para caças F-35

Noruega tem sido um parceiro ativo no programa de caças dos EUA F-35, tendo em conta que 18 empresas deste país nórdico são parceiros diretos. Subsequentemente, a Noruega decidiu adquirir 52 caças F-35 para substituir …

Brasil fez lobby para mudar relatório climático, diz Greenpeace

Vários países, entre eles o Brasil, tentaram fazer mudanças em um crucial relatório da ONU sobre como combater o aquecimento global, afirmou o Greenpeace nesta quinta-feira (21/10), citando um grande vazamento de documentos. Os documentos aos …

Site da Coreia do Sul é usado para hospedar vírus e distribuí-lo via torrents

Uma campanha de distribuição de malwares na Coreia do Sul está disfarçando cavalos de troia de acesso remoto como um jogo para o público adulto, compartilhado via serviço de hospedagem de arquivos, como o WebHard, …