Pela primeira vez, Brasil apoia embargo dos EUA a Cuba na ONU

Beto Barata / PR

Presidente Michel Temer faz o discurso de abertura da 72ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU)

Pelo 28º ano consecutivo, o embargo dos EUA imposto a Cuba há quase seis décadas foi condenado nesta quinta-feira (7) por uma esmagadora maioria na Assembleia Geral da ONU, onde a resolução cubana obteve 187 votos contra três, os dos Estados Unidos, Israel e pela primeira vez, o Brasil.

O embargo dos EUA, imposto há 57 anos e endurecido várias vezes, não conseguiu derrubar o governo do Partido Comunista Cubano.

Mas o presidente Donald Trump, que busca uma mudança de regime em Cuba e na Venezuela e considera Havana responsável pela sobrevivência do governo de Nicolás Maduro, até aumentou as sanções contra a ilha no quadro de sua luta contra “Cubazuela”, termo cunhado por seu representante diplomático para a América Latina.

Após dois dias de debates em que dezenas de países chicotearam o embargo por considera-lo “anacrônico” e “desumano”, o Brasil rompeu com sua tradição de exigir o fim do embargo sob a liderança do novo presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, aliado de Trump e feroz oposição do socialismo.

Apenas dois países se abstiveram: a Ucrânia e, pela primeira vez, a Colômbia, cujo presidente de direita Iván Duque é outro grande aliado de Washington.

O governo cubano diz que, desde que o presidente John F. Kennedy impôs o embargo a Cuba em fevereiro de 1962, menos de um ano depois que Fidel Castro declarou o caráter socialista da revolução, causou danos à ilha de mais US $ 138.000 à taxa de câmbio atual.

Sufoco econômico

Os Estados Unidos “não escondem seu propósito de sufocar economicamente Cuba e aumentar danos, privações e sofrimento ao nosso povo”, disse o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, que denunciou “uma escalada de agressão a Cuba” por Trump.

“É hora de parar com a demência imperialista”, lançou ao seu lado o ministro venezuelano das Relações Exteriores Jorge Arreaza, que viajou a Nova York para participar do debate.

A política dos EUA em relação a Cuba “fracassou, assim como o golpe contra Maduro”, disse Arreaza. Mas “a América Latina e o Caribe não são e nunca serão quintais de nenhum império”.

Há um ano, a resolução que pedia o fim do embargo contra Cuba foi apoiada na ONU por 189 países e rejeitada apenas pelos Estados Unidos e Israel, como em 2017. A Ucrânia e a Moldávia se abstiveram.

Somente uma vez, em 2016, Washington se absteve de votar contra a resolução que condenava o embargo em um contexto da abordagem de Barack Obama à ilha, que incluiu a reabertura de embaixadas nas duas capitais em 2015.

Violações dos direitos humanos

Mas Trump reverteu essa política e continua a aumentar a pressão com novas sanções que causaram uma crise de energia e combustível e que busca reduzir pela metade o turismo para Cuba, visitado no ano passado por 600.000 americanos.

Os Estados Unidos dizem que o embargo é necessário para punir um governo que viola os direitos humanos de seu próprio povo e onde mais de 50.000 ativistas, jornalistas e outros foram presos arbitrariamente desde 2010, segundo a embaixadora da ONU Kelly Kraft.

“Os Estados Unidos não são responsáveis pelos infindáveis abusos do regime contra seu próprio povo; não aceitamos nenhuma responsabilidade por isso”, disse Kraft à Assembleia, reivindicando o direito de seu país de negociar com quem ele quiser.

Além disso, ele disse que “Cuba contribui ativamente para a instabilidade regional” e “colabora com o regime de Maduro, perpetuando uma crise humanitária e econômica que se estende para além das fronteiras da Venezuela”, afirmou.

O embargo fracassou e a política dos EUA em relação a Cuba é um modelo de “diplomacia desperdiçada” que está punindo os novos pequenos empresários cubanos, Christopher Sabatini, pesquisador do centro de análise Chatham House para a América Latina e professor da Universidade de Columbia.

“As transições democráticas da União Soviética e da Europa Oriental não ocorreram quando esses países estavam sob embargo”, lembrou. Na sua opinião, as sanções “estão levando os cubanos mais para os braços dos russos e o que resta do apoio ao petróleo venezuelano; portanto, está tendo o efeito oposto“, como desejado.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …