Os cães nativos da América desapareceram e ninguém sabe por quê

(dr) Illinois State Archaeological

Primeiros cães chegaram à América há cerca de 10 mil anos

Um novo estudo aponta que os primeiros cães das Américas não evoluíram a partir de lobos norte-americanos, como se especulava. Segundo a pesquisa, os animais teriam seguido os humanos durante movimentos migratórios entre o norte da Ásia e a América.

A relação de amizade e dependência entre cães e homens remonta à pré-história, onde a aproximação de um animal que procurava restos de comida tinha interesse, pois podia significar proteção.

Portanto, é natural que, com a chegada dos primeiros seres humanos à América, há pelo menos 16 mil anos, os cães também viessem para o continente. Mas, registros paleontológicos mostram que os primeiros cães a pisar em solo americano vieram apenas cerca de 10 mil anos.

Com base em informações genéticas de 71 restos de ossadas de cães da América do Norte e da Sibéria, uma equipe de cientistas concluiu que o cão “nativo” da América, que existia antes do contato com o europeu, tinha um genoma completamente diferente dos lobos norte-americanos ou mesmo de outras linhagens de caninos.

A pesquisa, publicada na revista Science na semana passada, mostra ainda que o DNA desse ancestral praticamente desapareceu, quando comparado com outras espécies contemporâneas.

Acredita-se que os europeus tenham trazido suas raças de cães e, ao menosprezar o cão nativo da América, acabaram por fazer com que a reprodução fosse evitada ou até mesmo combatida. A raça do cão americano acabou extinta.

Outra hipótese sugere que os cães americanos não tenham sobrevivido às pestes trazidas pelos europeus e pelos seus cães. Assim como muitos índios morreram por doenças desconhecidas no sistema imunológico, um fenômeno semelhante pode ter acontecido no mundo animal.

“Os estudos de DNA sugerem que a população de cães americanos anteriores à chegada dos europeus foi ampla e rapidamente substituída“, afirma a pesquisadora Máire Ní Leathlobhair, do departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Cambridge.

“Dados obtidos através da análise genética mostram que os cães contemporâneos são de um grupo filogenético diferente dos cães anteriores ao contato com os europeus.”

Legado dos cães nativos

Apesar de muito pouco ter restado desses animais nativos, a pesquisa aponta outra descoberta: o câncer conhecido há centenas de anos e que ainda hoje afeta populações caninas em todo o mundo, pode ser o elo perdido para conectar os animais atuais com os cães ancestrais.

Trata-se do tumor venéreo canino transmissível. É uma neoplasia exclusiva dos cães, o mais comum tumor genital entre estes animais – ocorre mais frequentemente em zonas de clima temperado, mas está presente em todos os continentes.

“Esse câncer, contagioso, se manifesta através de tumores genitais. E se espalha entre os animais por transferência de células cancerígenas vivas, geralmente durante a cópula”, explica a veterinária Ní Leathlobhair.

Essa doença foi documentada por veterinários há centenas de anos, mas, de acordo com o novo estudo, pode ter surgido, na verdade, há muito mais tempo – há 8,2 mil anos.

O levantamento genético concluiu que a doença não surgiu em solo americano. Veio de uma matriz comum, ou seja, o ancestral asiático siberiano deu origem ao cão nativo americano. Mas, segundo as análises realizadas, a doença se originou justamente no lado que “ficou” na Ásia e, de lá, se espalhou por todo o mundo, incluindo a Europa.

Por isso, quando chegaram à América, os cães europeus traziam uma doença que os cães americanos já tinham – pois ambos a “receberam” de um antepassado comum.

“É incrível pensar que, possivelmente, o único sobrevivente de uma linhagem perdida de cães seja um tumor que pode se espalhar entre os cães como uma infecção”, explicou Ní Leathlobhair.

Além disso, alguns cientistas acreditam que certas tonalidades de pelo dos lobos norte-americanos sejam resultado do cruzamento, em tempos antigos, de lobos com cães nativos.

“Esse estudo demonstra que a história dos seres humanos é espelhada nos nossos animais domésticos”, diz o autor principal do estudo, Greger Larson, da Universidade de Oxford. “As pessoas da Europa e das Américas eram geneticamente distintas e seus cães também”, concluiu.

A equipe internacional de pesquisa foi liderada por pesquisadores da Universidade de Oxford, Universidade de Cambridge, Universidade Queen Mary de Londres e Universidade de Durham.

Apesar de coincidir com o período de colonização, ainda não é certo o que teria levado à extinção dessa espécie antiga de animais. Mais pesquisas genéticas e arqueológicas podem ajudar a desvendar esse mistério no futuro.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Confira o que cérebro de abelhas tem em comum com o de humanos

Segundo cientistas, existem semelhanças entre a atividade cerebral das abelhas-europeias e a dos humanos, o que poderia levar abelhas a serem usadas para estudar funções cerebrais dos humanos. As oscilações alfa (a atividade eléctrica gerada pelo …

Síndrome bizarra: esse é o primeiro caso de uma pessoa que urina álcool

Médicos do hospital da Universidade de Pittsburgh Medical Center (EUA) relataram o primeiro caso de uma síndrome bizarra na qual a pessoa urina álcool. Em outras palavras, o álcool se forma naturalmente na sua bexiga, …

Amazon abre seu primeiro supermercado que não aceita dinheiro

Dois anos depois de a Amazon inovar no ramo das lojas de conveniência abrindo a sua própria rede que aceita apenas pagamentos virtuais, a empresa está pronta para dar o próximo passo: nesta terça-feira (25), …

Não há motivo para pânico por coronavírus no Brasil, dizem especialistas

O primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, confirmado nesta quarta-feira (26/02), levou o estado de São Paulo, onde reside o paciente infectado, a montar um centro de contingência para enfrentamento da doença. Quatro mil leitos, …

Abolição da pena de morte no Colorado entra em vigor em julho

O Colorado, no oeste americano, se tornou o vigésimo segundo estado dos Estados Unidos a abolir a pena capital, depois de um intenso e longo debate, especialmente por parte da oposição republicana. O fim da …

Cannabis tem potencial terapêutico como antibiótico, segundo cientistas

Uma equipe de cientistas da Universidade McMaster, no Canadá, estabeleceu que o canabigerol (CBG) tem potencial no tratamento de bactérias patogênicas. Cientistas da Universidade McMaster no Canadá identificaram um composto antibacteriano gerado pela maconha que poderia …

Escócia será o primeiro país a distribuir absorventes menstruais gratuitamente

O Parlamento autônomo da Escócia deu um passo em direção à gratuidade dos absorventes higiênicos para mulheres - decisão inédita no mundo. A proposta de lei foi votada por 112 deputados e visa lutar contra …

Não precisa sofrer. Carnaval começa cedo em 2021

Com a chegada da quarta-feira de Cinzas, está declarado o fim do Carnaval 2020… Ok, vai… Dá para fazer mais um bota fora na sexta e sábado dessa semana, pois, como sempre, brasileiro dá o …

Coronavírus: antiga vacina pode ter resposta para prevenção contra Covid-19

Novos casos do coronavírus SARS-CoV-2 continuam a se espalhar pelo mundo, mesmo que em velocidade menor de propagação, e sem nenhuma vacina ou medicamento para a prevenção — pelo menos até agora. Já são mais de …

Líderes políticos condenam apoio de Bolsonaro a ato anti-Congresso

Presidente teria compartilhado com aliados convocação para manifestações a seu favor e contra o Legislativo. Lula, FHC, OAB e outras lideranças alertam contra ameaça às instituições democráticas e à Constituição. Líderes políticos de várias correntes e …