Centenas de argentinos fazem renúncia coletiva ao catolicismo

Quase duas semanas depois da rejeição da legalização do aborto pelo Senado argentino, centenas de cidadãos participaram de uma apostasia coletiva no último fim de semana em Buenos Aires.

O objetivo dos manifestantes era não apenas recusar o catolicismo, mas também fazer um apelo em favor do Estado laico, contrariamente ao que prevê a Constituição do país.

“Você preenche esse formulário, coloca uma foto de sua carteira de identidade, outra de seu ato de batismo, e nos responsabilizaremos pelo resto.” Na esquina das avenidas Callao e Corrientes, no coração da capital argentina, César Rosenstein dá as instruções aos futuros apóstatas.

Este membro da Coalizão Argentina por um Estado Laico (Cael) não esperava tanto sucesso na mobilização. “Faz dez anos que lutamos pela separação da Igreja e do Estado. Mas é a primeira vez que eu vejo tantas pessoas prontas a renunciar coletivamente à fé católica”, diz. O princípio é simples: com alguns documentos à mão, cada um pode exigir sua exclusão da Igreja Católica.

“Isso quer dizer concretamente que a Igreja não pode mais contar conosco como um de seus membros. E que, nos registros paroquiais, ao lado de nosso nome, aparecerá a menção ‘apóstata’. Mesmo se nós preferimos que nosso nome fosse simplesmente apagado desses registros”, reitera Rosenstein.

“Não em meu nome”

Na longa fila de espera no estande da Cael, a grafista Marcia organiza suas fotocópias. “Batizaram-me quando eu era bebê. Eu não tinha evidentemente a possibilidade de me opor. Fiz todos os meus estudos em uma escola católica e não me reconheço nesses ensinos que considero nefastos. Recuso-me a fazer parte desta instituição e, sobretudo, recuso que a Igreja aja em meu nome!“, exclama a jovem.

“No en mi nombre” é justamente um dos slogans desta manifestação. Alguns organizadores exibem a frase estampada em camisetas. Vários manifestantes utilizam também um lenço verde, símbolo da campanha nacional pela legalização do aborto na Argentina.

Há pouco menos de duas semanas, senadores do país rejeitaram por 38 votos contra 31 uma proposta de lei visando legalizar a interrupção voluntária da gravidez – um balde de água fria no movimento feminista argentino, que nunca conheceu tamanho avanço.

O resultado da votação gerou muita revolta. A apostasia é um gesto político forte, uma manifestação de nossa oposição à ingerência permanente da Igreja nos debates da sociedade”, afirma, indignada, Julieta Arosteguy, integrante da Cael.

Um milhão de abortos ilegais por ano

Na América Latina, onde os países são majoritariamente católicos, o aborto é legalizado em poucos países: Uruguai, Guiana, Cuba, além da Cidade do México.

O país do papa Francisco – onde a Constituição indica desde o segundo artigo que o governo “apoia o culto católico apostólico romano” – autoriza a interrupção da gravidez somente em caso de estupro ou se a gestação apresenta risco para a saúde da mãe.

No entanto, isso não impede que um milhão de argentinas abortem clandestinamente a cada ano, dizem as organizações feministas. Desde o início deste mês, ao menos três mulheres morreram no país tentando colocar um fim à gravidez de forma clandestina.

A Igreja Católica reivindica 90% de seguidores na Argentina. No entanto, pesquisas de opinião revelam que 76% da população se considera católica. A alta quantidade de fiéis permite que a Igreja obtenha a cada ano subvenções do Estado, da ordem de 176 milhões de pesos (equivalente a mais de R$ 23 milhões).

A Argentina é um país hipócrita. Somos todos batizados porque é o costume, nos casamos na igreja porque é o costume, mas poucos argentinos frequentam as missas e são praticantes verdadeiros”, avalia Julieta Arosteguy.

“Sou agnóstico. O certo é que não acredito mais nessa instituição“, afirma Alexis, que veio com a família renunciar à fé católica. Diante dele, os filhos brincam com os lenços verdes da campanha pró-aborto. Apontando para as crianças, ele sorri: “Evidentemente, não os batizei. Eles farão o que quiserem quando crescerem”, diz.

A Cael enviará os pedidos de apostasia à conferência episcopal de Buenos Aires no dia 24 de agosto.

// RFI

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Como pode uma pessoa gozando de todas as suas faculdades mentais, decidir ter uma relação consensual sem nenhum contraceptivo, sabendo da possibilidade da gravidez depois de todos estes fatos, então decidir matar um inocente no útero, já sabemos que em casos de estupro e risco de morte para mãe, esse método pode ser realizado mesmo na argentina. Agora querem que torne legal para todos os casos. Neste ponto estou totalmente a favor da igreja, não quer uma gravidez indesejada então previna-se por favor.

  2. O Sr. Alexis no final da reportagem diz: “Sou agnóstico. O certo é que não acredito mais nessa instituição“, afirma Alexis, que veio com a família renunciar à fé católica. Diante dele, os filhos brincam com os lenços verdes da campanha pró-aborto. Apontando para as crianças, ele sorri: “Evidentemente, não os batizei. Eles farão o que quiserem quando crescerem”, diz.
    Graças a Deus ele também não os abortou! Assim como seus pais também não o fizeram!
    Eu não creio que a liberdade sexual foi uma vitória para as mulheres ( quem ganhou foi o homem) mas a defendo desde que as mulheres a exerçam com responsabilidade exigindo o uso do preservativo pelo parceiro, pois está em jogo uma vida humana, a do feto!
    Não é o fato de tornar-se um agnóstico ou um desigrejado(sem igreja, sem religião) que nos desobrigará da responsabilidade de nossos atos. Que tenhamos condição de pensar mais nos outros do que na nossa vontade de prazer a todo custo.

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …