China apoia criação de comissão da OMS para investigar “resposta mundial” ao coronavirus

(dr)

A China afirmou nesta sexta-feira (8) que apoia a criação de uma comissão liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para avaliar “a resposta mundial” ao novo coronavírus. A

declaração foi feita após a forte pressão internacional, sobretudo por parte dos Estados Unidos e da Austrália, a favor de uma investigação sobre o surgimento da doença em Wuhan, em dezembro.

Pequim adiantou que quer a instalação da comissão “após o fim da pandemia”. Outro ponto importante, destacou o ministério chinês das Relações Exteriores: não se trata de uma investigação direcionada especificamente para a China, e sim de uma avaliação sobre o conjunto de países do mundo.

A investigação deverá acontecer de forma “aberta, transparente e inclusiva”, disse Hua Chunying, porta-voz do ministério. Ela afirmou que a iniciativa precisa ser validada pela Assembleia Mundial da Saúde da OMS ou seu conselho executivo, os dois principais órgãos da agência da ONU, sediada em Genebra.

Nas últimas semanas, vários países, como França, Alemanha ou Reino Unido, pediram ao governo chinês que demonstre mais transparência em sua gestão da epidemia. Outras nações, como Estados Unidos e Austrália, pediram uma investigação internacional na China sobre a origem do vírus. O presidente Donald Trump chegou a ameaçar Pequim com novas tarifas.

Com o aumento da polêmica, a OMS pediu na semana passada para participar das investigações chinesas sobre a origem do coronavírus. O governo chinês rejeitou inicialmente os pedidos, denunciando uma “politização” da crise de saúde.

Guerra comercial

Apesar das recentes trocas de farpas entre Washington e Pequim, os dois países demonstraram nesta sexta-feira uma atitude mais conciliadora na área econômica e afastaram os riscos de retomada da guerra comercial.

Os principais negociadores, o vice-premiê chinês, Liu He, e o representante para o Comércio americano, Robert Lighthizer, discutiram pelo telefone nesta sexta-feira pela primeira vez desde o início da pandemia. Eles se comprometeram a aplicar o acordo comercial preliminar assinado no início do ano entre as duas maiores potência econômicas mundiais, informou a agência oficial Xinhua.

O tratado foi anunciado em janeiro, após quase dois anos de guerra comercial com tarifas de importação. Mas logo depois, a cidade chinesa de Wuhan, berço da epidemia de Covid-19, anunciou o início da quarentena para conter a propagação do vírus.

Segundo o pacto, Washington deveria suspender os aumentos de tarifas e Pequim intensificar as compras de produtos americanos em US$ 200 bilhões durante dois anos, em relação aos números de 2017. Mas a pandemia, que paralisou a economia mundial, provocou dúvidas sobre a capacidade da China de cumprir com sua promessa.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …