Cientistas identificam a última refeição de um monstro marinho do tempo dos dinossauros

Todd Marshall / Universidade de Edimburgo

Conceito artístico do parente de ictiossauro descoberto na Escócia

Os ictiossauros, “primos” dos golfinhos dos mares da época mesozoica, comiam grandes lulas e peixes, assim como seus sucessores contemporâneos: as baleias, revelam cientistas britânicos em um artigo publicado na revista Historical Biology.

“Entre as costelas deste ictiossauro, conseguimos encontrar muitos espinhos que cobrem os tentáculos de lulas antigas. É muito surpreendente que tenhamos conseguido descobrir o que comeu pela última vez uma criatura que viveu na Terra há cerca de 200 milhões de anos”, diz Dean Lomax da Universidade de Manchester, no Reino Unido.

“Outros ictiossauros comiam peixe nos primeiros dias de vida, por isso a descoberta é interessantíssima”, acrescenta o paleontólogo.

Os répteis marítimos da época mesozoica são em muitos aspectos um enigma para os paleontólogos, pois seus restos mortais dificilmente são conservados, devido às particularidades do ambiente em que viviam.

Contudo, durante as últimas décadas, cientistas conseguiram revelar muitos detalhes que mudaram radicalmente teorias antes aceitas, como, por exemplo, sobre a comida e o estilo de vida destas criaturas.

Por exemplo, há três anos, um grupo de cientistas revelou que os ictiossauros surgiram na Terra antes mesmo de viverem no mar. Além disso, revelou-se que pliossauros, principais abutres marítimos do período cretáceo, possuíam problemas de saúde como câncer e artrite reumatoide.

Outras peculiaridades da sua anatomia indicam semelhanças entre ictiossauros e mamíferos marítimos contemporâneos dos nichos que foram libertados depois da morte dos gigantescos pangolins há 65,5 milhões de anos.

A equipe de Dean Lomax desvendou mais um segredo dos monstros marítimos da época dos dinossauros ao estudar os restos do menor ictiossauro na história da ciência, Ichthyosaurus communis, que atingia 70 centímetros de comprimento na fase adulta.

Heinrich Harder / Wikimedia Commons

Ictiossauro, dinossauro primo dos golfinhos

Este mamífero marítimo foi uma das primeiras descobertas deste ramo na história da ciência – os fósseis foram encontrados por Mary Anning, a primeira paleontóloga, em placas de giz na costa sul da Inglaterra e registrados ainda em 1822.

Em 2015, Nigel Larkin, analisou os fósseis destes animais guardados no museu da Universidade de Birmingham, limpando-os e catalogando-os. Um dos fósseis pequenos atraiu a atenção do cientista por conter inserções fora do habitual, levando-o a pedir ajuda a Lomax, especialista na esfera de paleontologia de dinossauros.

Segundo Lomax, Larkin tinha encontrado um fóssil único – esqueleto verdadeiro de um Ichthyosaurus communis recém-nascido que morreu depois de ter comido uma lula do início do período Jurássico, por volta de 200 milhões de anos atrás.

A descoberta, segundo paleontólogos, é importantíssima para a ciência, já que nunca tinha sido encontrado ou analisado ictiossauros primitivos que comiam algo além de peixe.

Consecutivamente, a existência de mais opções na dieta dos ictiossauros indica que estes mamíferos marítimos começaram a explorar os mares e ocupar nichos ecológicos diferentes já no início de sua evolução, conclui o artigo na revista Historical Biology.

Ciberia // Sputnik News / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA e Reino Unido teriam dado 'luz verde' a Israel para retaliar Irã após ataque a petroleiro

Irã rejeitou o envolvimento do país no ataque contra o petroleiro Mercer Street no mar Arábico que ocorreu na quinta-feira (29), condenando as acusações lançadas pelo governo israelense. Tel Aviv teria recebido "luz verde" de Washington …

Incêndios causam mortes e devastação no sul da Europa

A União Europeia EU) enviou ajuda para a Turquia nesta segunda-feira (02/08), e voluntários se juntaram a bombeiros na luta contra fortes incêndios que já duram seis dias e mataram oito pessoas no país. Em …

Golpe militar em Mianmar completa seis meses e já resultou em quase mil mortes de civis

Aterrorizados pela repressão da junta militar e pela propagação do coronavírus, poucos birmaneses se atreviam a ir às ruas para protestar neste domingo (1º), quando completam-se seis meses do golpe de Estado que mergulhou …

Governo italiano vende casas a 2 euros na região da Sicília

Mais uma vez o governo italiano está vendendo casas em áreas rurais da Itália, após o sucesso da campanha para repovoamento de áreas abandonadas. Além de promover a ocupação por meio de incentivos para jovens e …

Bolsonaro admite não ter provas de fraudes eleitorais

Em live para a qual convocou veículos de imprensa, Bolsonaro exibiu uma série de teorias falsas, cálculos equivocados e vídeos antigos, já verificados e desmentidos, mas que ainda circulam na internet, como supostas evidências de …

A incrível civilização antiga que mumificava os mortos 2 mil anos antes dos egípcios

"As mais antigas evidências arqueológicas conhecidas de mumificação artificial de corpos", segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), estão presentes na América do Sul, na costa árida …

Delta pode causar covid-19 mais grave, alerta agência americana

Documento interno do órgão de prevenção de doenças dos EUA indica que a variante delta do coronavírus é tão contagiosa quanto a catapora e pode ser transmitida mesmo por indivíduos vacinados. "A guerra mudou", diz …

Vendas de vacinas anticovid impulsionam lucros de laboratórios

A empresa farmacêutica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira (28) que as vendas de sua vacina contra a Covid-19 alcançaram US $ 1,17 bilhão no primeiro semestre do ano. Este número corresponde à entrega de aproximadamente …

Cientistas transformaram água pura em metal pela primeira vez

Cientistas transformaram, pela primeira vez, água pura em metal. A pesquisa poderia permitir um estudo detalhado das condições de extrema alta pressão dentro de grandes planetas. A água pura é um isolante quase perfeito. Sim, a …

Imagens do satélite Amazonia-1 já estão disponíveis — e qualquer um pode acessar

O Ministério da Ciência e Tecnologia comunicou, nesta semana, que as imagens do Amazonia-1 já podem ser acessadas pelo público. O satélite Amazonia-1 foi lançado em fevereiro de 2021 e, desde então, já avançou por etapas importantes, …