Descoberta nova espécie de tiranossauro – sem lábios e com escamas, como o crocodilo

Os tiranossauros tinham a face coberta por uma camada escamosa, similar à dos crocodilos, sem lábios e com um focinho dotado de grande sensibilidade tátil, segundo um grupo de cientistas que analisou a textura e ossos faciais de uma nova espécie denominada “Daspletosaurus hornery“.

Uma nova espécie de dinossauros predadores, um tiranossauro com uma forma incomum de evolução, foi descoberta por uma equipa internacional de cientistas.

O novo membro da família dos tiranossauros viveu no final do Cretácico (entre cem e 66 milhões de anos), foi localizado em Montana (EUA) e media cerca de nove metros de comprimento e 2,2 metros de altura, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira pela revista “Scientific Reports”.

A equipe de especialistas, liderada por Thomas Carr, do departamento de Biologia do Carthage College nos Estados Unidos, examinou a topografia dos ossos faciais para tentar descobrir o tipo de tecido que cobria a cabeça do Daspletosaurus hornery.

Para isso, compararam o tecido que era produzido por esse tipo de superfície com o de crocodilos e cinco tipos de pássaros, o que sugere que o tiranossauro tinha a face coberta de escamas planas.

Os tiranossauros “são idênticos à espécie dos crocodilos em que os ossos de seus focinhos e mandíbulas são rugosos, com a exceção de uma estreita faixa de osso suave ao longo da fileira de dentes”, afirma um comunicado.

Os pesquisadores também não encontraram nenhuma evidência da existência de lábios no tiranossauro, pois o tecido rugoso coberto de escamas “se estende por toda a fila de dentes sem deixar espaço” para eles.

No entanto, encontraram evidências de outros tipos de pele, incluídas as áreas de osso muito grosso que suportava uma pele tipo armadura no focinho e em ambos os lados da mandíbula inferior, que devia proteger o animal durante a caça e a alimentação.

Tanto na família dos crocodilos como nos tiranossauros, o focinho e as mandíbulas apresentavam vários buracos pelos quais penetrava o nervo trigêmeo, o que dotava a pele de alta sensibilidade, semelhante a dos dedos humanos.

Este tipo de sistema tátil facial altamente sensível poderia ter ajudado essa família de dinossauros na captura de suas presas e em tarefas de identificação e manipulação.

Os ossos do Daspletosaurus “são fundamentais” para estudar a evolução dos dinossauros, explicou o cientista David Varrichio da Universidade Estadual de Montana.

O especialista afirmou que nessa região existem espécimes de “alta qualidade” em bom estado de conservação que “revelam detalhes de como viveram esses gigantes carnívoros” e oferecem detalhes sobre a evolução do grupo dos tiranossauros.

O Daspletosaurus horneru foi “o mais jovem e o último de sua estirpe“, que viveu pouco depois do Daspletosaurus torosus, encontrado em Alberta (Canadá), e ambas as espécies tiveram uma estreita relação evolutiva, o que sugere que ambos representam uma linhagem única, explicou Carr.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …