Christophe Snoeck et al.

Fragmentos de osso cremados encontrados em Stonehenge

Continuam a ser feitas novas descobertas em torno do monumento de Stonehenge. Depois de se ter percebido que alguns dos famosos pilares que o compõem vieram de outros lugares, sabe-se agora que há forasteiros entre as pessoas enterradas no local.

Uma investigação arqueológica apurou que 10 pessoas enterradas no monumento de Stonehenge não eram naturais da Planície de Salisbury, no condado de Wiltshire, na Inglaterra, onde se situam os famosos pilares. Uma conclusão retirada após a análise a vestígios humanos desenterrados no local.

Stonehenge, que foi usado como cemitério em tempos primitivos, tem sido alvo de escavações desde o século passado. Entre 1919 e 1926, as pesquisas efetuadas no terreno revelaram os vestígios de cerca de 58 pessoas que tinham sido cremadas.

Os vestígios humanos estavam nos chamados Buracos Aubrey, uma série de 56 poços, onde foram encontrados fragmentos de ossos occipitais, ou seja da base do crânio, pertencentes a, pelo menos, 25 pessoas.

Os cientistas estudaram esses fragmentos pela análise dos isótopos de estrôncio dos ossos, como explicam no artigo científico publicado nos Scientific Reports.

A técnica é habitualmente utilizada nos dentes, que “retêm incrivelmente bem os isótopos de estrôncio”, explica o Sciencealert.

O estrôncio é um metal branco prateado que pode ser encontrado no solo e é absorvido pelas plantas. Quando elas são ingeridas pelas pessoas, como parte da alimentação, os isótopos de estrôncio “substituem algum do cálcio nos dentes e ossos”.

Viajantes oriundos de Gales

Os isótopos, que podem ser definidos como átomos de um mesmo elemento químico, podem ser associados a determinadas regiões geográficas, ajudando a identificar o tipo de alimentação de uma pessoa ou até de onde ela é.

E o fato de os corpos terem sido cremados não foi um problema para os pesquisadores. O processo destrói “toda a matéria orgânica, incluindo o DNA, mas a matéria inorgânica sobrevive”, explica o líder do estudo, Christophe Snoeck, da Universidade de Oxford, em declarações ao jornal The Guardian.

No caso de elementos químicos pesados como o estrôncio, a cremação até tem efeitos positivos. “Graças às altas temperaturas alcançadas, a estrutura do osso é modificada, tornando-o resistente a trocas post-mortem com o solo do enterro”, esclarece Snoeck.

Assim, os cientistas conseguiram comparar os isótopos de estrôncio antigos com os que se encontram atualmente em plantas, na água e na dentina (que compõe os dentes) de vários locais do Reino Unido.

Os resultados apurados foram surpreendentes, com a descoberta de que 10 das 25 pessoas enterradas não viveram os últimos anos da sua vida em Stonehenge, contendo isótopos coincidentes com os níveis de Gales.

Isso significa que estas pessoas podem ter sido viajantes que participaram no esforço que levou ao transporte das pedras do monumento desde Gales ocidental até a planície de Salisbury.

A datação por radiocarbono confirma que essas pessoas viveram entre 3.180 a 2.380 antes de Cristo, época em que a cremação era prática habitual no território da atual Grã-Bretanha.

“O que é realmente fascinante é que a data de cerca de 3.000 antes de Cristo coincide com nossas datas de radiocarbono para pedreiras nos afloramentos das pedras, nas Colinas Preseli de Pembrokeshire, no oeste de Gales”, destaca o coautor da pesquisa, Mike Parker Pearson, arqueólogo da Universidade College London, citado pelo Live Science.

“Algumas das pessoas enterradas em Stonehenge podem ter estado envolvidas na movimentação das pedras – uma jornada de mais de 290 quilômetros”, admite Pearson. A pesquisa concluiu ainda que 15 das 25 pessoas enterradas eram naturais de Salisbury, tendo vivido em uma área em torno de 20 quilômetros do monumento durante toda a  vida.

Os vestígios de madeira encontrados também são reveladores. Quando Stonehenge foi erguido, as pessoas eram cremadas com madeira de diferentes tipos de árvores. Alguns dos vestígios dessas árvores utilizadas como combustível indicam a construção de uma pira funerária a partir de madeiras locais, para cremar os mortos.

Todavia, outros vestígios apontam para árvores provenientes de bosques densos, como os que havia no oeste de Gales.

Os cientistas admitem que algumas pessoas podem ter sido cremadas em outro local e transportadas para a planície de Salisbury, para serem enterradas em Stonehenge, o que reforça a importância do local como um dos mais significativos espaços de enterro do Neolítico.

As conclusões retiradas “enfatizam a importância das ligações inter-regionais, envolvendo o movimento tanto de materiais como de pessoas na construção e no uso de Stonehenge”, conclui Snoeck.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

2 mil anos depois, a rede de estradas romanas ainda gera riquezas

“Todos os caminhos levam a Roma”. Todo mundo já ouviu dizer e a ciência já nos mostrou que o ditado popular é realmente verdade. Um novo estudo mostra agora que a riqueza gerada pelas estradas …

Com apenas 3 anos, Ophelia tem um QI superior ao de Einstein

Ophelia Morgan-Dew tem apenas 3 anos, vive na cidade de Herefordshire, no Reino Unido, e pode ser o mais novo gênio do mundo. A menina fez o teste para medir o QI e os resultados …

Ex-diretor da CIA admite recorrer à Justiça contra Donald Trump

O ex-diretor da CIA John Brennan admitiu neste domingo (19) recorrer à Justiça, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter cancelado seu acesso a informação confidencial e à Casa Branca. “Se esse é …

Roraima volta a pedir ao STF limite de entrada de venezuelanos

O governo de Roraima voltou a pedir ao Supremo Tribunal Federal (STF) a suspensão temporária de entrada de imigrantes em território brasileiro para tentar conter o perigo de conflitos e o “eventual derramamento de sangue …

Aumento do Judiciário compromete orçamento de 13 Estados

Metade dos 26 estados ligou o alerta orçamentário: o aumento que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) concederam a si mesmos – ainda depende de aprovação no Senado – pode inviabilizar a folha de …

Universidade de São Paulo abre inscrições para curso gratuito sobre Harry Potter

O universo de Harry Potter continua conquistando gerações. Desde o lançamento do primeiro romance em 1997 (A Pedra Filosofal), foram mais de 450 milhões de cópias vendidas, traduções para 73 idiomas e o surgimento de …

Polícia catalã abate homem que invadiu delegacia aos gritos de “Alá é grande”

O homem de 29 anos, de origem argelina, foi abatido, na manhã desta segunda-feira (20), depois de ter tentado invadir uma delegacia catalã armado com uma faca aos gritos de “Allahu Akbar”. Segundo o El País, …

Juiz solta empresário filmado agredindo a esposa; imagens fortes

O juiz Fabiano Ribeiro abriu mão da fiança e permitiu que o empresário Giorgio Alan Bortolin dos Santos, preso em flagrante após ser filmado por uma câmera de segurança agredindo a própria mulher, responda ao …

“Bola de fogo” 40 vezes mais brilhante que a Lua cheia atravessa os EUA

Uma bola de fogo cruzou o céu do estado norte-americano do Alabama durante a noite de sexta-feira (17). A NASA divulgou um vídeo, no qual mostra o objeto sobrevoando a cidade, com um feixe de …

Com curso gratuito, USP quer meninas cientistas

Meninas que sonham ser cientistas contam agora com o incentivo de um grupo de pesquisadoras e cientistas de São Paulo. É o projeto “Meninas com Ciência-2ª edição SP: de mulheres cientistas para meninas que sonham”, …