Grande Barreira de Corais da Austrália é avaliada em R$ 140 bilhões

O valor econômico da Grande Barreira de Corais da Austrália ronda os 56 bilhões de dólares australianos (cerca de R$ 140 bilhões) e dela dependem 64 mil trabalhadores, o que a torna um bem muito importante para que se perca, afirma um estudo publicado nesta segunda-feira (26).

“Este relatório apresenta uma clara conclusão: a Grande Barreira de Corais, como ecossistema, como motor econômico e como tesouro mundial, é muito importante para desaparecer”, destacou o diretor da Fundação da Grande Barreira de Corais, Steve Sargent, no citado documento.

A fundação encarregou o trabalho à empresa britânica Deloitte, que – além de avaliar o valor econômico – efetuou uma sondagem entre 1.500 pessoas, na Austrália e outros países, que revelou que dois em cada três entrevistados pagaria para proteger este patrimônio da humanidade.

“Com um valor de 56 bilhões de dólares australianos, a Grande Barreira vale o equivalente a doze Casas da Ópera de Sydney. […] O estudo também confirma que nenhum outro ativo natural australiano contribui tanto, em termos de marca e valor icônico, à marca ‘Austrália’“, afirmou Sargent.

Dos 56 bilhões calculados como valor econômico, o turismo fornece 29 bilhões de dólares australianos (cerca de R$ 70 bilhões).

A Grande Barreira de Corais forneceu à economia australiana 6,4 bilhões de dólares australianos (R$ 16 bilhões) no ano fiscal 2015-16, além de dependerem dela 64 mil postos de trabalho a tempo completo, dos quais 33 mil estão em Queensland, estado situado no nordeste da Austrália e que abriga a Grande Barreira.

O autor do relatório, John O’Mahony, da Deloitte, indicou por sua parte no documento que o estudo permite ter uma ideia do que custará perder a Grande Barreira de Corais, à qual qualificou de algo que “não tem preço”, “insubstituível”, “claramente muito mais que a maior estrutura viva do mundo”.

Os cientistas advertem há vários anos da ameaça sem precedentes que a Grande Barreira de Corais australiana sofre devido ao aquecimento da água do mar e ao aumento da acidez devido às mudanças climáticas.

O branqueamento dos corais, exacerbado pelo aumento da temperatura de água do mar, ocorreu de forma recorrente nesta barreira de 2.300 quilômetros de recifes coralinos desde a década de 1990.

“A gravidade do branqueamento de 2016 sai dos gráficos”, denunciou este ano o biólogo Terry Hugues, da Universidade James Cook, noutro estudo.

A Grande Barreira contém 400 tipos de coral, 1.500 espécies de peixes e 4 mil variedades de moluscos e faz parte da lista do Patrimônio da Humanidade da Unesco.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Pessoas feias superestimam drasticamente suas aparências

Pessoas pouco atraentes parecem menos capazes de julgar com precisão sua própria atratividade, e tendem a superestimar sua aparência. Não faltam disparidades entre pessoas atraentes e pouco atraentes. Estudos mostram que os mais belos entre nós …

Noruega acusa Pequim de ciberataque contra serviços do governo

Pela primeira vez na história, o Serviço de Segurança Policial da Noruega (PST, na sigla em inglês) identificou a China como sendo responsável por um ataque hacker contra as autoridades do país nórdico. A agência de …

China supera marca de 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 aplicadas

Quantia representa mais de um terço das doses aplicadas no mundo. Após início lento da imunização, autoridades chinesas querem vacinar completamente 40% da população até o final de junho. O número de doses de vacinas contra …

Brasileiros protestam no exterior contra Bolsonaro e gestão da epidemia

Dezenas de milhares de pessoas tomaram as ruas de várias capitais brasileiras neste sábado para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro e sua gestão da pandemia, que já deixou mais de meio milhão de …

Relíquia do Jurássico: descoberto animal marinho cuja espécie vive há 180 milhões de anos

Um grupo de pesquisadores descreveu uma nova espécie de ofíuros – um animal marinho parecido com as estrelas-do-mar, que recebeu o nome de Ophiojura, informou nesta quinta-feira (17) Tim O’Hara, curador dos Museus Victoria (Austrália) …

Projeto de estrada cortando parque das cataratas de Iguaçu ameaça outras áreas de proteção pelo Brasil

Uma das paisagens naturais mais impressionantes do Brasil e reconhecida pela Unesco, o Parque Nacional do Iguaçu, que abriga as cataratas, no Paraná, pode ser cortado ao meio por uma rodovia asfaltada – em …

Por que a imunidade de rebanho está longe de ser realidade

Embora costume ser apresentada como simples cálculo matemático, alcançar a imunidade de rebanho não é tarefa fácil. Ela não só depende da infecciosidade das variantes, como da adoção de medidas sanitárias pela população. Apesar das campanhas …

Uso de maconha na adolescência pode atrapalhar o desenvolvimento do cérebro

O consumo de maconha pode ser prejudicial ao cérebro humano durante a adolescência, de acordo com estudo publicado na última quarta-feira (16). Segundo a pesquisa, realizada em regiões da Europa, o uso recreativo da planta pode …

EUA terão feriado para comemorar fim da escravidão

Data já celebrada na maioria dos estados vai se tornar feriado federal. O "Juneteenth" lembra dia em que os últimos escravos negros foram libertados no país, em 1865. Após aprovação pelo Congresso dos Estados Unidos na …

5 perguntas sobre os denisovanos, 'parentes' extintos dos humanos modernos que viveram na Terra há 50 mil anos

Desde que os primeiros vestígios dos denisovanos foram descobertos em 2008, os cientistas não descansaram tentando obter mais informações sobre eles. A tarefa, no entanto, não tem sido fácil, porque até agora só foram encontrados pequenos …