Grande Barreira de Corais da Austrália é avaliada em R$ 140 bilhões

O valor econômico da Grande Barreira de Corais da Austrália ronda os 56 bilhões de dólares australianos (cerca de R$ 140 bilhões) e dela dependem 64 mil trabalhadores, o que a torna um bem muito importante para que se perca, afirma um estudo publicado nesta segunda-feira (26).

“Este relatório apresenta uma clara conclusão: a Grande Barreira de Corais, como ecossistema, como motor econômico e como tesouro mundial, é muito importante para desaparecer”, destacou o diretor da Fundação da Grande Barreira de Corais, Steve Sargent, no citado documento.

A fundação encarregou o trabalho à empresa britânica Deloitte, que – além de avaliar o valor econômico – efetuou uma sondagem entre 1.500 pessoas, na Austrália e outros países, que revelou que dois em cada três entrevistados pagaria para proteger este patrimônio da humanidade.

“Com um valor de 56 bilhões de dólares australianos, a Grande Barreira vale o equivalente a doze Casas da Ópera de Sydney. […] O estudo também confirma que nenhum outro ativo natural australiano contribui tanto, em termos de marca e valor icônico, à marca ‘Austrália’“, afirmou Sargent.

Dos 56 bilhões calculados como valor econômico, o turismo fornece 29 bilhões de dólares australianos (cerca de R$ 70 bilhões).

A Grande Barreira de Corais forneceu à economia australiana 6,4 bilhões de dólares australianos (R$ 16 bilhões) no ano fiscal 2015-16, além de dependerem dela 64 mil postos de trabalho a tempo completo, dos quais 33 mil estão em Queensland, estado situado no nordeste da Austrália e que abriga a Grande Barreira.

O autor do relatório, John O’Mahony, da Deloitte, indicou por sua parte no documento que o estudo permite ter uma ideia do que custará perder a Grande Barreira de Corais, à qual qualificou de algo que “não tem preço”, “insubstituível”, “claramente muito mais que a maior estrutura viva do mundo”.

Os cientistas advertem há vários anos da ameaça sem precedentes que a Grande Barreira de Corais australiana sofre devido ao aquecimento da água do mar e ao aumento da acidez devido às mudanças climáticas.

O branqueamento dos corais, exacerbado pelo aumento da temperatura de água do mar, ocorreu de forma recorrente nesta barreira de 2.300 quilômetros de recifes coralinos desde a década de 1990.

“A gravidade do branqueamento de 2016 sai dos gráficos”, denunciou este ano o biólogo Terry Hugues, da Universidade James Cook, noutro estudo.

A Grande Barreira contém 400 tipos de coral, 1.500 espécies de peixes e 4 mil variedades de moluscos e faz parte da lista do Patrimônio da Humanidade da Unesco.

// EFE

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …