Brasileiro cria minicérebro com gene de Neanderthal para ajudar a prevenir o autismo

Minicérebros criados por cientista brasileiro com material genético do Homem de Neanderthal podem ajudar a prevenir o autismo. A afirmação é feita pelo autor do trabalho, o geneticista Alysson Muotri.

A pesquisa inédita desenvolvida pelo geneticista brasileiro Alysson Muotri tem como objetivo compreender as diferenças entre o cérebro dos humanos modernos e o dos nossos parentes mais próximos já extintos, os de Neanderthal.

“A pesquisa pode permitir que a gente tenha insights terapêuticos de como prevenir alterações ou defeitos que levem ao espectro autista, permitindo que a gente disseque quais seriam as vias moleculares que estariam sendo afetadas e descubra ferramentas farmacológicas que poderiam interferir no processo, logo cedo“, explica Muotori.

“Isso poderia fazer com que o indivíduo não tenha toda a dificuldade social lá na frente”, ressalta o professor da Universidade da Califórnia, em San Diego.

Segundo o Dr. Muotri, nas primeiras observações já foi possível verificar que o minicérebro neanderthalizado segue uma trajetória de neurodesenvolvimento diferente e apresenta uma redução no número de sinapses em comparação ao do ser humano moderno.

“Essa redução sináptica é uma coisa que a gente já viu quando usa essa mesma tecnologia com células derivadas de indivíduos autistas. Então, o que pode estar sugerindo é que esses neanderthais poderiam ter problemas de sociabilização“, complementa Muotri.

Muotri Lab / UC San Diego

O Dr. Alysson Muotri em seu laboratório na Universidade da Califórnia, em San Diego

O estudo envolveu três áreas da ciência: a tecnologia Crispr de edição do genoma, os estudos sobre DNA antigo e os organoides celulares, conhecidos como minicérebros, que são construídos a partir de células-tronco.

O geneticista brasileiro, que dirige o programa de células-tronco da Universidade da Califórnia, confessa que se surpreendeu com os resultados da pesquisa e agora pretende integrar esses minicérebros a uma plataforma robótica para que esses organismos “comecem a explorar o universo“, a fim de descobrir se os neanderthais tinham algum problema de aprendizado ou se possuíam capacidade maior ou menor de adaptação.

“A forma com a qual a gente está fazendo isso é integrar esses minicérebros a uma plataforma robótica. Então, a gente estimula um robô a explorar o mundo e transferir essas informações para o cérebro criado em laboratório. Aí, conseguimos testar essas hipóteses de que o cérebro do Neanderthal seria menos adaptativo ou se teria dificuldades de comunicação ou aprendizado”, destaca o geneticista.

Além da descoberta sobre o funcionamento do cérebro do Homem de Neanderthal, o pesquisador acredita que o entendimento do processo evolutivo do ser humano pode permitir a manipulação de vias moleculares e a criação de novos medicamentos.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Arqueólogos revelam restos mortais de cachorro de 8.400 anos descoberto na Suécia

Após vários meses de meticulosos trabalhos de escavação, foram finalmente revelados os restos mortais de um cachorro, de uma raça há muito tempo desaparecida, enterrado há mais de 8.400 anos na Suécia ao lado de …

“Cogumelos mágicos” são 4x melhores do que antidepressivos, descobre estudo

Quando a psilocibina, a molécula psicodélica descoberta nos cogumelos mágicos (Psilocybe cubensis), é usada durante a psicoterapia, parece possuir efeitos antidepressivos rápidos, substanciais e duradouros contra a depressão maior, de acordo com um novo ensaio …

Sem Trump, Putin e Bolsonaro ensaiam aproximação

Moscou sabe que a troca de poder na Casa Branca abre brecha na política externa brasileira. O elogio do presidente russo às "qualidades masculinas" de Bolsonaro pode ser apenas o primeiro sinal de uma aproximação. "O …

Crimes por preconceito de cor, raça ou orientação sexual podem ter punição maior

Projeto passa no Senado e vai à Câmara, mas falta definir tamanho da pena. Proposta entrou na pauta a pedido de Paulo Paim para "dar uma resposta" ao assassinato de João Alberto Silveira Freitas. Falta a …

Vacinação contra a Covid-19 será obrigatória em voos da companhia aérea australiana Qantas

A vacina contra a Covid-19 ainda não está pronta, mas as companhias aéreas já começam a se preparar. É o caso da australiana Qantas, que anunciou a futura exigência de um certificado de vacinação …

Galinhas substituem agrotóxicos em ação contra veneno na agricultura

A presença de insetos é uma frequente preocupação para agricultores. Os animais são capazes de prejudicar plantações e, para evitá-los, é comum que fazendeiros recorram a pesticidas. A utilização de produtos químicos, no entanto, é nociva …

França aprova projeto de lei que prevê punir filmagem de policiais em ação

Deputados franceses aprovaram nesta terça-feira (24), em primeira leitura, o polêmico projeto de lei sobre a "segurança global", que prevê punir a gravação e divulgação de policiais em ação. O texto será votado pelo …

Astrônomos revelam que 2ª minilua da Terra é do tamanho de carro pequeno

A minilua chamada 2020 CD3 conta com um diâmetro de entre um metro e 1,5 metro e chegou a ficar a 13 mil quilômetros do nosso planeta. A minilua 2020 CD3, que orbita a Terra nos …

Diego Maradona morre aos 60 anos

O ex-jogador argentino Diego Maradona, maior astro da história do futebol do país sul-americano, morreu nesta quarta-feira (25/11) aos 60 anos, após sofrer uma parada cardiorrespiratória em sua casa em Tigre, ao norte de Buenos …

Incêndios na Amazônia deixam rastro de destruição por décadas

Entre galhos e folhas esturricados sobre o solo que abrigava uma área de floresta intacta, o cheiro de queimada ainda é forte. Próximo a uma das aldeias da Terra Indígena Uru-Eu-Wau-Wau, em Rondônia, vazios surgiram …