Afinal, a mumificação egípcia é anterior à Era dos Faraós

Museu Egípcio, Turim

A múmia pré-histórica S. 293, preservada em Turim desde 1900

É oficial: os egípcios mumificavam deliberadamente seus mortos muitos anos do que pensávamos. Análises forenses a uma múmia pré-histórica revelam que a prática remonta muito antes do Período Faraônico – é uma receita com mais de 5 mil anos. 

Análises forenses realizadas numa múmia pré-história (a S. 239) revelam que a prática de mumificação dos egípcios já acontecia há, pelo menos, 5.600 anos – cerca de 1.500 anos antes do que era considerado até então.

A investigação teve por base uma das mais antigas múmias intactas do mundo, que data de 3.700 a 3.500 a.C. Este é o mais antigo corpo humano preservado no Museu Egípcio, em Turim, na Itália.

“Nossas descobertas representam a incorporação literal dos pioneiros da mumificação clássica, que mais tarde veio a se tornar um dos pilares centrais e icônicos da antiga cultura egípcia”, disse o arqueólogo e químico Stephen Buckley, da Universidade de York, no Reino Unido.

A múmia S. 293 estava em Turim desde 1900, quando foi comprada pelo arqueólogo e egiptólogo italiano Ernesto Schiaparelli. Apesar de ter chegado à cidade italiana sem qualquer documentação sobre sua origem, nunca foi realizado nenhum estudo nem qualquer tratamento de conservação à múmia.

Até então, pensava-se que, assim como as múmias encontradas em Gebelein, no Egito, a Múmia S. 293 tivesse sido mumificada naturalmente – que o calor, a salinidade e a secura do deserto egípcio tivessem preservado o corpo, sem qualquer intervenção humana.

No entanto, a análise mais recente revelou que a múmia pré-histórica tinha agentes conservadores e foi possível descrever a “receita” utilizada. Segundo os pesquisadores, a mumificação tinha por base um óleo vegetal (possivelmente óleo de gergelim), que era o elemento dominante.

A este, misturava-se uma resina de conífera importada do Oriente (possivelmente resina de pinheiro), uma planta do tipo “bálsamo”, um extrato vegetal aromático e uma goma vegetal feita através de plantas (um açúcar natural que pode ter sido extraído da acácia).

A resina, quando misturada com o óleo, traria suas propriedades anti bacterianas e protegia o corpo da decomposição, apontam os cientistas no estudo publicado na semana passada no Journal of Archaeological Science.

“Até então, não tivemos uma múmia pré-histórica que realmente demonstrasse – de forma tão perfeita através da química – as origens do que se tornaria a mumificação icônica que conhecemos hoje em dia”, explicou Buckley em declarações à BBC.

Pesquisa começou têxteis egípcios

A pesquisa começou anos antes. A equipe já tinha encontrado evidências de mumificação precoce em tecidos utilizados nas cerimônias fúnebres.

Em artigo publicado em 2014, os pesquisadores explicavam que as substâncias encontradas nos têxteis egípcios utilizados para envolver múmias pré-históricas eram consistentes com os agentes de embalsamento.

Os tecidos estudados datavam de 4 mil a.C., sendo muito mais antigos do que o período até agora considerado como o começo dos processos de embalsamento e mumificação.

“Supostamente, a mumificação em geral começou por volta de 2.600 anos a.C., quando a Grande Pirâmide estava sendo construída”, explicou Buckley, convicto de que as novas pesquisas permitem agora concluir “haver evidências de que a preservação do corpo começou mais cedo do que isso”.

No entanto, para confirmar, os cientistas precisavam testar em uma múmia real e, tendo em conta que a S. 293 não tinha tido qualquer contato com produtos químicos conservantes, a múmia pré-histórica era o exemplar perfeito.

“Combinando análise química com exame visual do corpo, investigações genéticas, datação por radiocarbono e análise microscópica dos revestimentos de linho, confirmamos que esse processo ritual de mumificação ocorreu por volta de 3.600 a.C. Foi feito em um homem que teria entre 20 e 30 anos quando morreu”, explicou Jana Jones, egiptólogo e especialista em práticas funerárias egípcias antigas da Universidade Macquarie, em Sydney, Austrália.

Buckley explica ainda que o fato dessa mesma receita continuar a ser usada quase 2 mil anos depois para embalsamar faraós significa que há uma espécie de identidade pan-egípcia muito antes da formação do primeiro estado-nação do mundo em 3.100 a.C. Suas origens remontam a muito mais cedo do que pensávamos”

Ao longos dos anos, os egípcios foram depois aperfeiçoando a “receita” que protegia e conservava os mortos. Os principais passos da mumificação eram a remoção do cérebro e dos órgãos internos, a colocação do corpo em um sal natural para ficar seco, o revestimento do corpo na receita de embalsamamento para matar bactérias, a envolvência do corpo em linho.

“Foi a secagem e a receita de embalsamamento que foram fundamentais para a preservação”, para quem “a mumificação estava no coração da cultura egípcia”.

“A vida após a morte era apenas uma continuação do desfrutar da vida. Mas os egípcios precisavam que o corpo fosse preservado para que o espírito tivesse um lugar para residir”, concluiu o cientista.

Ciberia // BBC / ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Homem que comia alcaçuz todos os dias morre e médicos alertam sobre riscos à saúde

Um homem de 54 anos morreu após consumir alcaçuz em excesso. Segundo os médicos do Hospital Geral de Massachussets (EUA), após duas semanas ingerindo alcaçuz preto em excesso, o homem teve uma overdose de uma …

Conflito armado se acirra na fronteira entre Armênia e Azerbaijão

A Armênia e o Azerbaijão se acusaram mutuamente neste domingo (27/09) de iniciar confrontos mortais na região separatista de Nagorno-Karabakh, na fronteira entre os dois países, em meio a uma disputa territorial de décadas. Ao …

Grande depósito de ovos de dinossauro é descoberto na Espanha

O norte de Espanha foi palco de uma nova descoberta paleontológica. Foram encontrados ovos de 68 milhões de anos atrás, que podem conter embriões desses enormes répteis. José Manuel Gasca estava fazendo jogging um dia no …

Uma cidade brasileira pode ter atingido imunidade de grupo ao Covid-19 a um terrível custo

Um surto explosivo de COVID-19 em Manaus pode ter contaminado pessoas suficientes para que a imunidade coletiva tenha se manifestado, sugerem estudos iniciais. Exames de anticorpos mostram que até dois terços da população pode ter contraído …

O raro pedido de desculpas de Kim Jong-un pela morte de sul-coreano na Coreia do Norte

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, divulgou um raro pedido de desculpas pessoal pelo assassinato de um cidadão sul-coreano, segundo o governo da Coreia do Sul. Kim disse a seu colega sul-coreano, Moon Jae-in, …

Esses são os preparativos finais para a NASA coletar amostras do asteroide Bennu

A NASA já iniciou a contagem regressiva para o grande momento da missão OSIRIS-REx: a coleta de amostras do asteroide Bennu, que acontecerá no dia 20 de outubro. Será uma manobra complicada para a sonda …

Trump volta a lançar dúvida sobre processo eleitoral nos EUA

Após recusar comprometimento com transição pacífica de poder, presidente americano diz não saber se é possível um pleito "honesto". Líder republicano no Senado diz que transferência de mandato presidencial será ordenada. O presidente dos EUA, Donald …

Criador do Novichok aponta falta de principais sintomas da substância em Navalny

Leonid Rink não considera convincente a evidência apresentada pela Alemanha sobre o alegado uso do Novichok contra o opositor russo, pois, se isso tivesse acontecido, os efeitos teriam sido diferentes. Podem ter sido encontrados vestígios de …

Este pode ser o 1º planeta descoberto em outra galáxia, a 23 milhões de anos-luz

Astrônomos encontraram um candidato a planeta localizado em outra galáxia, bem longe da Via Láctea, em uma região de intensa atividade caótica. Este mundo distante parece ser um pouco menor do que Saturno e orbita um …

EUA: Trump causa alvoroço ao recusar transição pacífica caso perca as eleições

Donald Trump tensionou a classe política nos Estados Unidos ao se recusar a garantir uma passagem pacífica do poder se perder a eleição presidencial dos Estados Unidos para Joe Biden, em 3 de novembro. Bastou uma …