Os possíveis cenários caso a UE aceite adiar o Brexit mais uma vez

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ainda espera que os outros 27 chefes de Estado e de governo da UE se manifestem sobre se concordam ou não que o Brexit seja adiado. A decisão, originalmente esperada para a quarta-feira passada, foi adiada para a próxima semana.

Nesta sexta-feira (25/10), os embaixadores da UE concordaram, em princípio, sobre a necessidade de um adiamento mas não sobre seu prazo. Eles se reunirão novamente na próxima segunda ou terça-feira em Bruxelas. “Houve uma concordância geral sobre a necessidade de um adiamento”, afirmou um funcionário da UE após o encontro dos embaixadores dos 27 outros membros da UE.

Sendo assim, embora seja praticamente certo que Bruxelas adiará de novo a data do Brexit, ainda é preciso decidir quanto tempo durará a prorrogação do prazo.

A própria porta-voz da Comissão Europeia, Mina Andreeva, admitiu nesta sexta-feira ter havido um acordo sobre “o princípio de uma extensão” e que os responsáveis continuarão trabalhando no assunto nos próximos dias.

O primeiro-ministro Boris Johnson, após ser forçado pelo Parlamento britânico, solicitou à UE uma prorrogação de três meses da data de saída, prevista atualmente para 31 de outubro, com a opção de o prazo terminar mais cedo se os deputados britânicos conseguirem finalizar o processo do Brexit. Johnson enviou um pedido de adiamento neste fim de semana, embora relutante e num texto sem assinatura.

O negociador da UE para o Brexit, Michel Barnier, reconheceu, após participar da reunião de embaixadores, que os 27 Estados-membros não foram capazes de decidir a duração da prorrogação, mas classificou a discussão como “excelente”.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que recomendará que o pedido seja aceito, enquanto os políticos alemães também indicaram a mesma disposição, em tese.

No entanto, o governo da França, que muitas vezes foi o que mais reclamou durante as negociações do Brexit, expressou ceticismo e levantou a possibilidade de um adiamento mais curto, destinado a permitir somente tempo hábil para se tentar aprovar o atual acordo do Brexit no Parlamento britânico.

Considerando que a UE aceite alguma forma de adiamento, cenário mais provável, o que acontece a seguir em Westminster? Como os políticos britânicos conseguirão avançar após 41 meses de impasse desde o referendo de 2016? Três cenários parecem mais prováveis:

Opção 1: Prorrogação do prazo, sem eleição, tentativa de aprovar o acordo

A saída mais rápida é o governo minoritário de Boris Johnson tentar aprovar o atual acordo do Brexit no Parlamento. No entanto, isso exigirá pelo menos algum apoio da oposição, porque os conservadores não conseguem aprovar um acordo sozinhos.

O acordo corre o risco de não ser aprovado no Parlamento ou ser alterado de tal forma que a UE passe a se opor ao texto, o que também pode inviabilizá-lo.

O benefício de se escolher essa rota, do ponto de vista de muitos parlamentares, seria concluir a primeira etapa do processo do Brexit antes da realização de uma eleição geral. Quase todos os deputados conservadores e trabalhistas prometeram, durante a campanha de 2017, tirar o Reino Unido da UE, de uma maneira ou de outra, a fim de cumprir a decisão do referendo.

Johnson disse à oposição que, se ela concordar com sua data proposta para novas eleições (12 de dezembro), ele concederá mais tempo para debater e assinar o acordo antes de dissolver o Parlamento para a campanha eleitoral. Se eles recusarem a ideia, Johnson ameaçou efetivamente paralisar o governo.

Opção 2: Prorrogação do prazo, eleição, conservadores vencem

Seja antes ou depois de o Parlamento aprovar o Brexit, o Reino Unido parece fadado a ter uma eleição geral mais cedo ou mais tarde.

O primeiro-ministro precisará do apoio da oposição para que ocorra uma eleição antecipada, mas a liderança do Partido Trabalhista indicou possível disposição para a realização do pleito após o adiamento estar garantido.

Pesquisas recentes sugerem que os conservadores ganhariam a maioria se uma votação fosse realizada agora. Entretanto, as pesquisas de intenção de voto têm se mostrado bastante voláteis desde o referendo de 2016. Em 2017, Theresa May convocou uma eleição antecipada, esperando uma grande maioria, mas viu seu apoio encolher e a oposição crescer quando os votos foram computados.

Se os conservadores ganharem a maioria, o caminho para aprovar o acordo de Boris Johnson estaria livre.

Opção 3: Prorrogação do prazo, eleição, mudança de governo

Se os trabalhistas conquistam a maioria, ou vários partidos da oposição se unirem para formar uma coalizão anticonservadora, o caminho a seguir se torna mais obscuro. O que parece certo, porém, é que os vencedores precisariam de um adiamento muito mais longo do que apenas três meses.

Qualquer governo não conservador – mesmo uma coalizão – seria quase certamente liderado pelo Partido Trabalhista de Jeremy Corbyn, por isso seria uma suposição razoável de que o plano proposto por eles para o Brexit seja usado como um modelo.

O partido de Corbyn, se eleito, promete renegociar um acordo diferente e mais suave com a UE e depois levar esse acordo para ser votado pela população através de um referendo, contra a opção de permanecer na UE.

Cada etapa desse processo certamente levaria vários meses – considerando que a paciência da Europa ainda dure. Mas o atraso adicional seria adocicado pela perspectiva em potencial de a UE manter todos os seus 28 membros.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Líbano inicia luto nacional e recebe ajuda internacional

Diversos países enviam suprimentos médicos a Beirute. Presidente da França chega ao Líbano para avaliar situação. Megaexplosão deixou ao menos 137 mortos, incluindo diplomata alemão, e mais de 5 mil feridos. Beirute amanheceu nesta quinta-feira (06/08) …

StarShip finalmente levanta voo: a nave que um dia levará cem humanos para Marte e Lua

A SpaceX fez um lançamento de teste com sucesso do seu gigantesco protótipo do StarShip SN5 em Boca Chica, Texas (EUA), a uma altura planejada de 150 metros. A massiva torre de aço inoxidável flutuou no …

EUA conduzem lançamento de teste do míssil balístico Minuteman III

O projétil não tinha ogiva de combate, mas era equipado com três veículos recuperáveis que foram submetidos a testes. Militares dos EUA lançaram na manhã desta terça-feira (4) um míssil balístico Minuteman III a partir da …

Beirute soma mais de 100 mortos e 4000 feridos após explosões

O Líbano vive nesta quarta-feira (5) um dia de luto nacional, após as explosões na região portuária de Beirute, na tarde de ontem. A tragédia soma pelo menos 100 mortos, 4.000 feridos e 300.000 …

Mensagem na areia salva marinheiros desaparecidos no Oceano Pacífico

Trio de marinheiros que havia se desviado de rota e ficado sem combustível foi localizado numa pequena ilha da Micronésia após três dias. Aeronaves avistaram sinal gigante de SOS escrito na areia da praia. Três homens …

Problemas cardíacos duradouros se apresentam em 78% dos pacientes de coronavírus

O entusiastas do retorno da economia para a normalidade defendem suas opiniões geralmente com base no fato da maioria dos pacientes exibirem sintomas leves ou sequer ter qualquer sintoma de coronavírus, comparando negligentemente o Covid-19 …

Governo britânico vai pagar parte da conta de consumo em pubs e restaurantes

Incentivos não vão faltar para quem estava com saudades de frequentar bares, pubs e restaurantes no Reino Unido. Durante o mês de agosto, o governo britânico vai bancar parte da conta de quem sair …

Cientistas revelam origem de estranhos meteoritos encontrados na Terra

Uma equipe de cientistas norte-americanos teoriza que alguns dos meteoritos, que não se encaixam nas duas categorias principais, têm uma origem até hoje desconhecida por astrônomos. Um grupo significante de meteoritos, que existem hoje na Terra, …

Twitter pode ser multado em US$ 250 milhões por abuso de dados dos usuários

O Twitter confessou que, possivelmente, será multado em até US$ 250 milhões pela Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC, no original em inglês) por ter desrespeitado um acordo firmado em 2011 com a agência …

OMS afirma que não há solução milagrosa para lutar contra Covid-19

A Organização Mundial de Saúde avisou na segunda-feira que não há, nem haverá uma solução milagre contra a pandemis de Covid-19, não obstante a corrida que se verifica actualmente de forma a descobrir uma vacina …