Anúncio polêmico: norte-americanos queimam produtos, Nike ganha milhões

Americanos se recusam a usar produtos da Nike e chegam a queimar tênis e cortar meias. Tudo por causa de um atleta que gerou polêmica há dois anos.

Em 2016, no último jogo da pré-época dos San Francisco 49ers, Colin Kaepernick, jogador de futebol americano, decidiu se ajoelhar durante o hino nacional como forma de protesto frente à violência policial junto da comunidade negra.

Ao protesto do atleta, juntaram-se mais jogadores e outras personalidades que ajudaram a dividir ainda mais o país. Contudo, muitos americanos não gostaram do ato de protesto de Colin, considerando ter sido uma ofensa e desrespeito ao país.

“Não vou ficar de pé e mostrar orgulho por uma bandeira e um país que oprime os negros. Para mim isto é maior do que o futebol e seria egoísta da minha parte olhar para o outro lado”, disse o jogador sobre o ato de protesto.

Drew Sheneman, Newark Star-Ledger

Colin Kaepernick ajoelhado é uma ofensa. Cartoon de Drew Sheneman para o Newark Star-Ledger

Depois das declarações, o presidente norte-americano Donald Trump entrou em cena insultando os jogadores e pedindo para que fossem demitidos.

A atenção midiática negativa gerada pela controvérsia em volta do jogador teria pesado na decisão final dos clubes de não o contratarem, mantendo o jogador afastado dos gramados desde 2017 – pelo que o jogador está processando a Liga de Futebol Americana, argumentando que os donos dos clubes o colocaram intencionalmente de parte por causa do seu ativismo.

Agora, dois anos depois da polêmica inicial, a Nike surge com uma nova campanha onde Colin Kaepernick é o rosto principal.

Sob o lema “Believe in something. Even if it means sacrificing everything” (Acredite em algo. Mesmo que signifique sacrificar tudo), a marca esportiva junta o atleta a outros, como a tenista Serena Williams, o jogadora de basquete LeBron James e a jogadora de futebol Megan Rapinoe.

Lançada na segunda-feira (3), a campanha publicitária que celebra o 30º aniversário da campanha “Just Do It”, voltou a polemizar no país com os apoiantes mais conservadores de Donald Trump se revoltando com o apoio da marca americana ao ativismo de Colin Kaepernick.

“Acreditamos que Colin é um dos atletas mais inspiradores dessa geração, que elevou o poder do esporte para ajudar a levar o mundo para a frente”, disse à ESPN, Gino Fisanotti, vice-presidente da promoção da marca.

Nas redes sociais, são muitos os americanos que, indignados com a parceria entre Colin e Nike, se filmam queimando ou cortando seus produtos. Tênis, meias e chuteiras são muitos dos artigos que acabam em chamas ou em pedaços.

O próprio presidente norte-americano também decidiu dar uma opinião sobre a nova campanha da marca. “Penso que além do envio de uma mensagem, trata-se de uma mensagem terrível, que não devia ser enviada”, disse Donald Trump em entrevista ao Daily Caller.

Donald Trump, desde o início contra a atitude de Colin Kaepernick, também afirmou que a marca Nike “tem certa liberdade para fazer coisas que as pessoas pensam que não se devem fazer”. No Twitter, o presidente também afirmou que a marca esportiva está sendo “completamente destruída“.

Segundo a BBC, o contrato mantido em 2016 entre Colin Kaepernick e a Nike, que incluía representação total e equipamento esportivo personalizado e que estaria chegando ao fim, foi renegociado com melhorias significativas para que o jogador fizesse parte dessa nova campanha.

Mas mesmo apesar da controvérsia, a camiseta de Colin se tornou a mais vendida da NFL logo depois do jogo onde o atleta se ajoelhou e mesmo um ano depois do protesto, em 2017, quando o atleta já se encontrava afastado dos gramados, a camiseta era ainda a 39ª mais vendida nos Estados Unidos.

Em menos de 24 horas, a discórdia em torno da nova campanha da Nike já valeu uma queda na cotação da bolsa da qual recupera, mas também já rendeu mais de 40 milhões à marca em exposição midiática, beneficio que ultrapassa os riscos de perder alguns clientes.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Covid-19: Austrália não deve reabrir fronteiras antes de 2022

A Austrália não deve reabrir suas fronteiras para viajantes estrangeiros em 2021, apesar do avanço das campanhas de vacinação em todo o mundo. A afirmação é do secretário da Saúde, Brendan Murphy, um dos …

Burger King revela seu 1º sanduíche 100% vegano

As lojas britânicas do Burger King agora têm um sanduíche inteiramente vegano. Desde o último dia 11 de janeiro a rede de fast food disponibiliza em seu cardápio no país o Vegan Bean Burger, um …

Novo implante controla fome e pode substituir cirurgia bariátrica

Um implante simples de um dispositivo sem fio, que controla o apetite, pode substituir a cirurgia bariátrica. Ele foi criado por médicos e pesquisadores da Universidade A&M do Texas, EUA e pode ajudar na perda de …

Amazon abre tecnologia da Alexa para montadoras de carros e outras empresas

A Amazon anunciou nesta sexta-feira (15) que dará a empresas terceiras a possibilidade de acessar a inteligência artificial central que sustenta a Alexa, a assistente de voz da marca. E as montadoras de automóveis serão as …

Com abstenção recorde de 51,5%, ministro da Educação considera Enem um 'sucesso'

A abstenção no primeiro dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, realizado neste domingo (17), foi recorde e atingiu 51,5%. O nível de abstenção supera o pior índice registrado até agora, em 2009, quando …

Álcool danifica o cérebro na adolescência

Se nós confiarmos apenas nas propagandas parece que o álcool de uma cerveja, uma taça de vinho ou de algum destilado serve apenas para unir as pessoas e deixá-las alegres. Mas o álcool pode ter …

Joe Biden reverterá políticas trumpistas logo após posse

Já nas primeiras horas após assumir, novo chefe de Estado americano assinará uma série de decretos presidenciais abordando pandemia, dificuldades da economia nacional, injustiça racial e mudança climática. O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, …

Rússia prende opositor Alexei Navalny no desembarque em Moscou

O Serviço Prisional Russo (FSIN) confirmou ter prendido o opositor Alexei Navalny neste domingo, na chegada dele a Moscou. O Kremlim o acusa de ter violado as condições de uma pena de prisão suspensa …

Ikea agora vende mini casas móveis para quem quer uma vida simples, livre e sustentável

Quem sonha com uma vida mais nômade, livre de amarras e principalmente ecologicamente correta poderá encontrar na IKEA uma parceira capaz de tornar tal sonho em realidade: em uma casa móvel, sustentável, bonita e praticamente …

O zumbido de fundo do universo pode ter sido ouvido pela primeira vez

Baseado no que sabemos sobre ondas gravitacionais, o Universo deve estar cheio delas. Cada par de buracos negros ou estrelas de nêutrons e colisão, cada supernova com núcleo em colapso — até mesmo o próprio …