Anúncio polêmico: norte-americanos queimam produtos, Nike ganha milhões

Americanos se recusam a usar produtos da Nike e chegam a queimar tênis e cortar meias. Tudo por causa de um atleta que gerou polêmica há dois anos.

Em 2016, no último jogo da pré-época dos San Francisco 49ers, Colin Kaepernick, jogador de futebol americano, decidiu se ajoelhar durante o hino nacional como forma de protesto frente à violência policial junto da comunidade negra.

Ao protesto do atleta, juntaram-se mais jogadores e outras personalidades que ajudaram a dividir ainda mais o país. Contudo, muitos americanos não gostaram do ato de protesto de Colin, considerando ter sido uma ofensa e desrespeito ao país.

“Não vou ficar de pé e mostrar orgulho por uma bandeira e um país que oprime os negros. Para mim isto é maior do que o futebol e seria egoísta da minha parte olhar para o outro lado”, disse o jogador sobre o ato de protesto.

Drew Sheneman, Newark Star-Ledger

Colin Kaepernick ajoelhado é uma ofensa. Cartoon de Drew Sheneman para o Newark Star-Ledger

Depois das declarações, o presidente norte-americano Donald Trump entrou em cena insultando os jogadores e pedindo para que fossem demitidos.

A atenção midiática negativa gerada pela controvérsia em volta do jogador teria pesado na decisão final dos clubes de não o contratarem, mantendo o jogador afastado dos gramados desde 2017 – pelo que o jogador está processando a Liga de Futebol Americana, argumentando que os donos dos clubes o colocaram intencionalmente de parte por causa do seu ativismo.

Agora, dois anos depois da polêmica inicial, a Nike surge com uma nova campanha onde Colin Kaepernick é o rosto principal.

Sob o lema “Believe in something. Even if it means sacrificing everything” (Acredite em algo. Mesmo que signifique sacrificar tudo), a marca esportiva junta o atleta a outros, como a tenista Serena Williams, o jogadora de basquete LeBron James e a jogadora de futebol Megan Rapinoe.

Lançada na segunda-feira (3), a campanha publicitária que celebra o 30º aniversário da campanha “Just Do It”, voltou a polemizar no país com os apoiantes mais conservadores de Donald Trump se revoltando com o apoio da marca americana ao ativismo de Colin Kaepernick.

“Acreditamos que Colin é um dos atletas mais inspiradores dessa geração, que elevou o poder do esporte para ajudar a levar o mundo para a frente”, disse à ESPN, Gino Fisanotti, vice-presidente da promoção da marca.

Nas redes sociais, são muitos os americanos que, indignados com a parceria entre Colin e Nike, se filmam queimando ou cortando seus produtos. Tênis, meias e chuteiras são muitos dos artigos que acabam em chamas ou em pedaços.

O próprio presidente norte-americano também decidiu dar uma opinião sobre a nova campanha da marca. “Penso que além do envio de uma mensagem, trata-se de uma mensagem terrível, que não devia ser enviada”, disse Donald Trump em entrevista ao Daily Caller.

Donald Trump, desde o início contra a atitude de Colin Kaepernick, também afirmou que a marca Nike “tem certa liberdade para fazer coisas que as pessoas pensam que não se devem fazer”. No Twitter, o presidente também afirmou que a marca esportiva está sendo “completamente destruída“.

Segundo a BBC, o contrato mantido em 2016 entre Colin Kaepernick e a Nike, que incluía representação total e equipamento esportivo personalizado e que estaria chegando ao fim, foi renegociado com melhorias significativas para que o jogador fizesse parte dessa nova campanha.

Mas mesmo apesar da controvérsia, a camiseta de Colin se tornou a mais vendida da NFL logo depois do jogo onde o atleta se ajoelhou e mesmo um ano depois do protesto, em 2017, quando o atleta já se encontrava afastado dos gramados, a camiseta era ainda a 39ª mais vendida nos Estados Unidos.

Em menos de 24 horas, a discórdia em torno da nova campanha da Nike já valeu uma queda na cotação da bolsa da qual recupera, mas também já rendeu mais de 40 milhões à marca em exposição midiática, beneficio que ultrapassa os riscos de perder alguns clientes.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Buracos negros são famintos, mas possuem boas maneiras à 'mesa', aponta estudo

Todos os buracos negros supermassivos nos centros das galáxias possuem períodos nos quais devoram a matéria situada de seus arredores. De acordo com um estudo publicado na revista científica Astronomy & Astrophysics, as galáxias ativas têm …

Pnad e Caged: No auge do desemprego, Brasil enfrenta falhas nas estatísticas do mercado de trabalho que confundem e desorientam

Num momento em que o país tem registrado números diários de mortes por covid-19 que ultrapassam 4 mil e diversos Estados e municípios reforçam medidas de distanciamento social, na tentativa de conter a propagação do …

Jovem negro de Minnesota morreu por “disparo acidental”, afirma polícia

Policial teria confundido arma de descarga elétrica com arma de fogo. Incidente em meio a julgamento da morte de George Floyd acirra tensões e agrava protestos. Mineápolis e outras cidades ampliam toque de recolher. A policial …

Bia, assistente de voz do Bradesco, vai responder mensagens de assédio

O Bradesco precisou tomar providências para proteger uma mulher de assédio. No caso, uma mulher que nem existe fisicamente. A mulher que dá voz ao sistema de inteligência artificial do aplicativo, a Bia (sigla para Bradesco …

Covid-19: Médicos pressionam governo francês para aumentar controles de pessoas vindas do Brasil

Especialistas acreditam que medidas do governo francês para frear entrada de variante P1 no país são insuficientes e pressionam para aumento de controles de passageiros provenientes do Brasil nos aeroportos ou pela suspensão dos …

Rede 5G pode transmitir energia elétrica e aposentar as baterias no futuro

O mundo já conhece os benefícios da tecnologia 5G como a alta velocidade na transmissão de dados e baixa latência. Agora, os cientistas do Instituto de Tecnologia da Geórgia, nos EUA, descobriram que essas redes …

Covid: como evitar a trágica marca de 5 mil mortes por dia no Brasil?

No dia 19 de maio de 2020, o Brasil atingiu pela primeira vez a marca das mil mortes diárias por covid-19. Esse número permaneceu relativamente estável, em um patamar considerado alto, durante todo o segundo semestre …

Físicos afirmam que o universo é um computador de aprendizado de máquina

Físicos teóricos que trabalham com a Microsoft lançaram um artigo na sexta-feira afirmando que o universo é essencialmente um computador de aprendizagem de máquina (machine learning, em inglês). Os pesquisadores, vários afiliados à Microsoft, pré-publicaram um …

Mundo ainda tem países sem uma única dose de vacina

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 600 milhões de doses de vacina contra a covid-19 já foram aplicadas em todo o mundo. Mas a discrepância entre países é alta: enquanto, …

Covid: site calcula quando você será vacinado. Resultados não animam

Um grupo de voluntários chamado CoronavirusBra desenvolveu uma plataforma para calcular quando você será vacinado contra a covid-19. O ‘Quando vou ser vacinado?’ utiliza dados públicos como a média de imunizados com o número de pessoas …