Anúncio polêmico: norte-americanos queimam produtos, Nike ganha milhões

Americanos se recusam a usar produtos da Nike e chegam a queimar tênis e cortar meias. Tudo por causa de um atleta que gerou polêmica há dois anos.

Em 2016, no último jogo da pré-época dos San Francisco 49ers, Colin Kaepernick, jogador de futebol americano, decidiu se ajoelhar durante o hino nacional como forma de protesto frente à violência policial junto da comunidade negra.

Ao protesto do atleta, juntaram-se mais jogadores e outras personalidades que ajudaram a dividir ainda mais o país. Contudo, muitos americanos não gostaram do ato de protesto de Colin, considerando ter sido uma ofensa e desrespeito ao país.

“Não vou ficar de pé e mostrar orgulho por uma bandeira e um país que oprime os negros. Para mim isto é maior do que o futebol e seria egoísta da minha parte olhar para o outro lado”, disse o jogador sobre o ato de protesto.

Drew Sheneman, Newark Star-Ledger

Colin Kaepernick ajoelhado é uma ofensa. Cartoon de Drew Sheneman para o Newark Star-Ledger

Depois das declarações, o presidente norte-americano Donald Trump entrou em cena insultando os jogadores e pedindo para que fossem demitidos.

A atenção midiática negativa gerada pela controvérsia em volta do jogador teria pesado na decisão final dos clubes de não o contratarem, mantendo o jogador afastado dos gramados desde 2017 – pelo que o jogador está processando a Liga de Futebol Americana, argumentando que os donos dos clubes o colocaram intencionalmente de parte por causa do seu ativismo.

Agora, dois anos depois da polêmica inicial, a Nike surge com uma nova campanha onde Colin Kaepernick é o rosto principal.

Sob o lema “Believe in something. Even if it means sacrificing everything” (Acredite em algo. Mesmo que signifique sacrificar tudo), a marca esportiva junta o atleta a outros, como a tenista Serena Williams, o jogadora de basquete LeBron James e a jogadora de futebol Megan Rapinoe.

Lançada na segunda-feira (3), a campanha publicitária que celebra o 30º aniversário da campanha “Just Do It”, voltou a polemizar no país com os apoiantes mais conservadores de Donald Trump se revoltando com o apoio da marca americana ao ativismo de Colin Kaepernick.

“Acreditamos que Colin é um dos atletas mais inspiradores dessa geração, que elevou o poder do esporte para ajudar a levar o mundo para a frente”, disse à ESPN, Gino Fisanotti, vice-presidente da promoção da marca.

Nas redes sociais, são muitos os americanos que, indignados com a parceria entre Colin e Nike, se filmam queimando ou cortando seus produtos. Tênis, meias e chuteiras são muitos dos artigos que acabam em chamas ou em pedaços.

O próprio presidente norte-americano também decidiu dar uma opinião sobre a nova campanha da marca. “Penso que além do envio de uma mensagem, trata-se de uma mensagem terrível, que não devia ser enviada”, disse Donald Trump em entrevista ao Daily Caller.

Donald Trump, desde o início contra a atitude de Colin Kaepernick, também afirmou que a marca Nike “tem certa liberdade para fazer coisas que as pessoas pensam que não se devem fazer”. No Twitter, o presidente também afirmou que a marca esportiva está sendo “completamente destruída“.

Segundo a BBC, o contrato mantido em 2016 entre Colin Kaepernick e a Nike, que incluía representação total e equipamento esportivo personalizado e que estaria chegando ao fim, foi renegociado com melhorias significativas para que o jogador fizesse parte dessa nova campanha.

Mas mesmo apesar da controvérsia, a camiseta de Colin se tornou a mais vendida da NFL logo depois do jogo onde o atleta se ajoelhou e mesmo um ano depois do protesto, em 2017, quando o atleta já se encontrava afastado dos gramados, a camiseta era ainda a 39ª mais vendida nos Estados Unidos.

Em menos de 24 horas, a discórdia em torno da nova campanha da Nike já valeu uma queda na cotação da bolsa da qual recupera, mas também já rendeu mais de 40 milhões à marca em exposição midiática, beneficio que ultrapassa os riscos de perder alguns clientes.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Mistura inusitada de amônia e água cria raios superficiais e granizos em Júpiter

Júpiter, o maior gigante gasoso do Sistema Solar, é um lugar coberto por tempestades estranhas. O que os cientistas ainda não sabiam é que no meio dessas tormentas, existem raios de natureza bem diferente dos …

Emocionante avanço da teoria para a realidade: bizarro efeito quântico é observado

No núcleo toda estrela anã branca — o denso resto de uma estrela que queimou todo seu combustível — existe um fenômeno quântico enigmático: enquanto ganha massa ela reduz de tamanho chegando a um ponto …

Estudo prevê 300 mil mortes por covid até fim do ano nos EUA

Pesquisadores da Universidade de Washington pintam cenário sombrio caso restrições não sejam respeitadas. Enquanto primeiros epicentros registram queda, outros estados americanos divulgam taxas de infecções recordes. A epidemia de covid-19 deve matar aproximadamente 300 mil americanos …

Coronavírus: Exportações devem cair mais de 20% na América Latina, diz ONU

As exportações da América Latina e do Caribe podem cair mais de 20% em 2020 devido às consequências da pandemia do coronavírus, que também terá um impacto negativo nas importações, disse uma agência da …

O que é nitrato de amônio, que pode provocar explosões como a de Beirute?

A recente tragédia no país árabe trouxe de novo à tona preocupações sobre o armazenamento do perigoso material, tornando necessário saber como esses incidentes ocorrem para os prevenir. A explosão de nitrato de amônio em Beirute, …

Astrônomos descobrem nuvens gigantes "escondidas" em Vênus há 35 anos

Uma equipe de astrônomos encontrou nuvens venenosas, com gotas de ácido sulfúrico em sua formação, em meio à densa atmosfera de Vênus. Curiosamente, essas nuvens já estavam presente na atmosfera venusiana há pelo menos 35 anos, …

Japão lembra 75 anos de bomba de Hiroshima e pede união contra armas nucleares

Esta quinta-feira (6) marca o 75º aniversário do primeiro ataque com bomba atômica do mundo. Cerca de 140 mil pessoas morreram no bombardeio à cidade japonesa, realizado pelo Estados Unidos no fim da Segunda Guerra …

Donald Trump determina bloqueio do TikTok e WeChat nos EUA em 45 dias

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump assinou na noite de ontem (6) uma ordem executiva determinando o fim de relações com as empresas responsáveis pelos apps TikTok e WeChat no país norte-americano. Em comunicado emitido …

Brasil caminha para ter 200 mil mortes pelo coronavírus até outubro, diz especialista

Na semana em que o Brasil deverá registrar 100 mil mortes pelo novo coronavírus, um especialista brasileiro indica que o país caminha para dobrar esse número em dois meses, atingindo 200 mil óbitos pela pandemia …

Petição defende que França assuma controle do Líbano

Suspeita de que desastre em Beirute foi causado por negligência eleva indignação dos libaneses, que pedem mandato francês pelos próximos dez anos no país. Apelo recebe mais de 50 mil assinaturas após visita de Macron. Quase …