Anúncio polêmico: norte-americanos queimam produtos, Nike ganha milhões

Americanos se recusam a usar produtos da Nike e chegam a queimar tênis e cortar meias. Tudo por causa de um atleta que gerou polêmica há dois anos.

Em 2016, no último jogo da pré-época dos San Francisco 49ers, Colin Kaepernick, jogador de futebol americano, decidiu se ajoelhar durante o hino nacional como forma de protesto frente à violência policial junto da comunidade negra.

Ao protesto do atleta, juntaram-se mais jogadores e outras personalidades que ajudaram a dividir ainda mais o país. Contudo, muitos americanos não gostaram do ato de protesto de Colin, considerando ter sido uma ofensa e desrespeito ao país.

“Não vou ficar de pé e mostrar orgulho por uma bandeira e um país que oprime os negros. Para mim isto é maior do que o futebol e seria egoísta da minha parte olhar para o outro lado”, disse o jogador sobre o ato de protesto.

Drew Sheneman, Newark Star-Ledger

Colin Kaepernick ajoelhado é uma ofensa. Cartoon de Drew Sheneman para o Newark Star-Ledger

Depois das declarações, o presidente norte-americano Donald Trump entrou em cena insultando os jogadores e pedindo para que fossem demitidos.

A atenção midiática negativa gerada pela controvérsia em volta do jogador teria pesado na decisão final dos clubes de não o contratarem, mantendo o jogador afastado dos gramados desde 2017 – pelo que o jogador está processando a Liga de Futebol Americana, argumentando que os donos dos clubes o colocaram intencionalmente de parte por causa do seu ativismo.

Agora, dois anos depois da polêmica inicial, a Nike surge com uma nova campanha onde Colin Kaepernick é o rosto principal.

Sob o lema “Believe in something. Even if it means sacrificing everything” (Acredite em algo. Mesmo que signifique sacrificar tudo), a marca esportiva junta o atleta a outros, como a tenista Serena Williams, o jogadora de basquete LeBron James e a jogadora de futebol Megan Rapinoe.

Lançada na segunda-feira (3), a campanha publicitária que celebra o 30º aniversário da campanha “Just Do It”, voltou a polemizar no país com os apoiantes mais conservadores de Donald Trump se revoltando com o apoio da marca americana ao ativismo de Colin Kaepernick.

“Acreditamos que Colin é um dos atletas mais inspiradores dessa geração, que elevou o poder do esporte para ajudar a levar o mundo para a frente”, disse à ESPN, Gino Fisanotti, vice-presidente da promoção da marca.

Nas redes sociais, são muitos os americanos que, indignados com a parceria entre Colin e Nike, se filmam queimando ou cortando seus produtos. Tênis, meias e chuteiras são muitos dos artigos que acabam em chamas ou em pedaços.

O próprio presidente norte-americano também decidiu dar uma opinião sobre a nova campanha da marca. “Penso que além do envio de uma mensagem, trata-se de uma mensagem terrível, que não devia ser enviada”, disse Donald Trump em entrevista ao Daily Caller.

Donald Trump, desde o início contra a atitude de Colin Kaepernick, também afirmou que a marca Nike “tem certa liberdade para fazer coisas que as pessoas pensam que não se devem fazer”. No Twitter, o presidente também afirmou que a marca esportiva está sendo “completamente destruída“.

Segundo a BBC, o contrato mantido em 2016 entre Colin Kaepernick e a Nike, que incluía representação total e equipamento esportivo personalizado e que estaria chegando ao fim, foi renegociado com melhorias significativas para que o jogador fizesse parte dessa nova campanha.

Mas mesmo apesar da controvérsia, a camiseta de Colin se tornou a mais vendida da NFL logo depois do jogo onde o atleta se ajoelhou e mesmo um ano depois do protesto, em 2017, quando o atleta já se encontrava afastado dos gramados, a camiseta era ainda a 39ª mais vendida nos Estados Unidos.

Em menos de 24 horas, a discórdia em torno da nova campanha da Nike já valeu uma queda na cotação da bolsa da qual recupera, mas também já rendeu mais de 40 milhões à marca em exposição midiática, beneficio que ultrapassa os riscos de perder alguns clientes.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …