Propulsor elétrico da Nasa quebra recordes e pode nos levar a Marte

NASA

Scott Hall faz alguns ajustes finais no propulsor iônico X3 antes de um teste na Universidade de Michigan

Um propulsor que está sendo desenvolvido para uma futura missão da NASA para Marte quebrou vários recordes durante seus testes, sugerindo que a tecnologia está no caminho para levar os humanos ao planeta vermelho nos próximos 20 anos.

O propulsor X3, projetado por pesquisadores da Universidade de Michigan, em cooperação com a NASA e a Força Aérea dos EUA, é um propulsor Hall – um sistema que impulsiona a espaçonave acelerando uma corrente de átomos eletricamente carregados, ou íons.

Em uma recente demonstração realizada no Centro de Pesquisa Glenn da NASA, o X3 quebrou recordes do máximo de potência, impulso e corrente operacional alcançados por um hélice Hall até hoje, de acordo com a equipe de pesquisa da Universidade de Michigan e representantes da NASA.

“Nós mostramos que o X3 pode operar com mais de 100 kW de potência”, disse o pesquisador Alec Gallimore, que lidera o projeto, em entrevista ao Space.com.

“O X3 funcionou em uma enorme variedade de energia de 5 kW a 102 kW, com corrente elétrica de até 260 amperes, e gerou 5,4 Newtons de impulso, que é o maior nível de impulso alcançado por qualquer propulsor de plasma até o momento”, acrescentou Gallimore. O recorde anterior era de 3,3 Newtons.

40 km por segundo

Os propulsores Hall e outros tipos de motores de íons usam eletricidade, geralmente gerada por painéis solares, para expelir o plasma – uma nuvem semelhante a gás de partículas carregadas – para fora de um bocal, gerando impulso. Esta técnica pode impulsionar a nave espacial a velocidades muito maiores do que os foguetes de propulsão química podem, de acordo com a NASA.

É por isso que os pesquisadores estão tão interessados ​​na aplicação potencial de propulsão iónica para viagens espaciais de longa distância. Considerando que a velocidade máxima que pode ser alcançada por um foguete químico é de cerca de 5 quilômetros por segundo, um propulsor Hall poderia levar uma embarcação até 40 km/s, diz Gallimore.

Os motores de íons também são conhecidos por ser mais eficientes do que os foguetes de potência química. Uma nave espacial com propulsão Hall levaria carga e astronautas para Marte usando muito menos material propulsor do que um foguete químico.

Um propelente comum para propulsores de íons é o xenônio.  A nave espacial Dawn da NASA, que atualmente está em órbita no planeta anão Ceres, usa esse gás.

“Você pode pensar na propulsão elétrica como tendo 10 vezes os quilômetros por litro em comparação com a propulsão química”, disse Gallimore ao Space.com.

JPL-Caltech / NASA

Nave espacial Dawn, conceito artístico

Em busca de mais Watts

O ponto negativo dos propulsores de íons, no entanto, é que eles possuem um impulso muito baixo e, portanto, devem operar por um longo tempo para acelerar uma nave espacial a altas velocidades, de acordo com a NASA.

Além disso, os propulsores de íons não são poderosos o suficiente para superar a atração gravitacional da Terra, portanto não podem ser usados ​​para lançar a nave espacial, que teria que ser lançada para além da órbita terreste por um foguete lançador tradicional.

“Os sistemas de propulsão química podem gerar milhões de kilowatts de energia, enquanto os sistemas elétricos existentes só conseguem 3 a 4 quilowatts”, explica Gallimore. Os propulsores Hall comercialmente disponíveis não são poderosos o suficiente para impulsionar uma nave tripulada até marte, acrescentou.

“O que precisamos para a exploração humana é um sistema que pode processar algo como 500.000 watts (500 kW), ou mesmo um milhão de watts ou mais”, aponta Gallimore. “Isso é algo como 20, 30 ou mesmo 40 vezes o poder dos sistemas convencionais de propulsão elétrica”.

É aí que entra o X3. Gallimore e sua equipe estão abordando o problema da energia, tornando o propulsor maior do que esses outros sistemas e desenvolvendo um design que aborda uma das falhas da tecnologia.

“Nós descobrimos que, em vez de ter um canal de plasma, onde o plasma gerado é esgotado do propulsor e produz impulso, teríamos vários canais no mesmo propulsor”, explica. “Nós chamamos isso de canal aninhado”.

De acordo com Gallimore, o uso de três canais permitiu que os engenheiros tornassem o X3 muito menor e mais compacto do que um propulsor de Hall de canal único equivalente deveria ser.

A equipe da Universidade de Michigan vem trabalhando na tecnologia em cooperação com a Força Aérea desde 2009. Primeiro, os pesquisadores desenvolveram uma hélice de dois canais, o X2, antes de passar para o X3, mais poderoso e com três canais.

Em fevereiro de 2016, a equipe se associou à Aerojet Rocketdyne, fabricante de foguetes com sede na Califórnia, que está desenvolvendo um novo sistema de propulsão elétrica, chamado XR-100, para o programa NASA Next Space Technologies for Exploration Partnerships ou NextSTEP. O propulsor X3 é uma parte central do sistema XR-100.

Scott Hall, doutorando da Universidade de Michigan que trabalhou no projeto X3 nos últimos cinco anos, disse que o trabalho tem sido bastante desafiador devido ao tamanho do propulsor.

“É pesado – 227 quilos. Tem quase um metro de diâmetro”, diz Hall. “A maioria dos propulsores Hall são o tipo de coisa que uma ou duas pessoas podem pegar e carregar ao redor do laboratório. Precisamos de um guindaste para mover o X3”.

No próximo ano, a equipe executará um teste ainda maior, que visa provar que o propulsor pode operar a plena potência por 100 horas.

Gallimore diz que os engenheiros também estão projetando um sistema especial de blindagem magnética que deixaria o plasma longe das paredes do propulsor para evitar danos e permitir que o propulsor funcione de forma confiável por períodos de tempo ainda mais longos.

Segundo Gallimore, sem a blindagem, uma versão de vôo X3 provavelmente começaria a ter problemas após várias mil horas de operações. Uma versão blindada magneticamente pode ser executada por vários anos com força total.

Ciberia // HypeScience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Os estados quânticos mais extremos são descobertos por cientistas

Pela primeira vez, físicos descobriram uma maneira de definir matematicamente o grau de quanticidade que qualquer coisa — seja partícula, átomo, molécula ou mesmo um planeta — exibe A partícula de luz é uma bola zunindo …

Itália supera a marca de 50 mil mortos por COVID-19

Primeiro país ocidental a registrar casos da doença torna-se o sexto do mundo a alcançar esta marca. País é o que mais teve mortes no continente nos últimos dias. O governo italiano informou nesta segunda-feira (23) …

Covid-19: EUA pretendem lançar campanha de vacinação em dezembro

O país, o mais atingido pela epidemia no mundo, espera vacinar sua população 24 horas após a concessão da autorização de emergência pelo FDA, a agência americana reguladora de medicamentos. A reunião pública de …

França quer punir delito de "ecocídio"

Membros do governo francês anunciaram neste domingo (22/11) que pretendem promover uma projeto de lei para punir o "delito de ecocídio" com o objetivo de combater danos graves e intencionais ao meio ambiente, com previsão …

Barco em formato de ziper “abre” os mares enquanto navega

Se na fábula bíblica Moisés abriu o Mar Vermelho, o designer japonês Yasuhiro Suziki decidiu tornar a metáfora quase literal, ao criar um barco no formato de um imenso zíper. O resultado é ao mesmo tempo …

Soldado medieval encontrado com espada e facas no fundo de um lago da Lituânia

Mais de 500 anos atrás, o corpo de um soldado medieval assentou no fundo de um lago da Lituânia e por séculos ficou escondido sob a lama. Agora, esses restos submersos finalmente foram encontrados. O esqueleto …

Como cientistas querem fazer 'viagem no tempo' por meio do olfato

Pinturas como a Mona Lisa atraem milhões de visitantes todos os anos a museus em todo o mundo. Imagine se, junto ao impacto visual da obra-prima de Leonardo da Vinci, eles também pudessem sentir o …

Companhias aéreas que voam para o Brasil em meio à pandemia

Maioria das empresas aéreas cortou rotas internacionais para o Brasil devido ao coronavírus e fechamento de fronteiras. Porém, algumas ainda têm voos programados. Veja a lista. Várias companhias aéreas cortaram voos internacionais para o Brasil devido …

Mais de 500 pescadores contraem doença de pele misteriosa no Senegal

Mais de 500 pescadores foram infectados por um doença de pele misteriosa no Senegal após retornarem do mar, informou um oficial sênior de Saúde do governo nesta quinta-feira (19). Os homens, que vêm de diversas cidade …

Animais domésticos ou silvestres não transmitem Covid-19 na França, diz agência sanitária

Após a análise de novos dados científicos, a agência nacional de segurança sanitária da França (ANSES) atualizou nesta quinta-feira (19) o relatório publicado em abril de 2020 sobre o potencial de transmissão da Covid-19 por …