Reino Unido pós-Brexit fecha portas para imigrantes pouco qualificados

No Reino Unido pós-Brexit, os estrangeiros que quiserem obter um visto de trabalho no país vão ter que provar muitas habilidades.

Os candidatos receberão pontos de acordo com seu nível de inglês, diploma e profissão e uma proposta de emprego com um salário mínimo anual de £ 25.600 (cerca de R$ 145.000). Quanto mais pontos, mais chances de obter o visto.

O novo sistema de imigração do Reino Unido “por pontos” entrará em vigor em 1° de janeiro de 2021, após a saída efetiva do bloco da União Europeia. O projeto foi detalhado pelo governo britânico em um documento divulgado nesta terça-feira (19).

Sem ambiguidades, o país vai priorizar os estrangeiros com um maior nível de educação em detrimento dos “trabalhadores pouco qualificados”. “Nós respondemos às prioridades dos cidadãos através da introdução de um novo sistema de pontuação que reduzirá o número de imigrantes”, disse a ministra do Interior, Priti Patel.

Trata-se de um “momento histórico” que “põe fim à livre circulação” de pessoas, afirmou. Os cidadãos europeus e não europeus serão tratados “igualmente”. O visto será atribuído somente aos candidatos que superarem um nível de pontos e responderem aos critérios obrigatórios: falar inglês e ter uma oferta de emprego de uma empresa autorizada pelo governo.

“Os vistos serão concedidos apenas aos que tenham pontos suficientes”, afirmou o comunicado. O objetivo é “priorizar os melhores talentos”, como “cientistas, engenheiros e estudantes universitários”. No entanto, o nível de estudos exigidos foi reduzido de um diploma de bacharelado para o equivalente ao Enem, para permitir “maior flexibilidade”.

O ministério estima que o projeto responde à “mensagem clara” enviada pelo povo britânico no referendo de 2016 sobre o Brexit e nas eleições legislativas de dezembro. O impacto da chegada em massa de imigrantes de outros países da União Europeia foi uma das questões centrais das campanhas dessas duas consultas populares. Com o novo sistema, o Reino Unido quer acabar com sua dependência dessa “mão de obra barata” europeia e diminuir o número de imigrantes.

Estas exigências suscitaram preocupações nos serviços públicos britânicos, como os serviços de saúde (NHS), que funcionam graças a trabalhadores estrangeiros muitas vezes mal remunerados. O Ministério do Interior considera que 70% da força de trabalho europeia atual é pouco qualificada e não responderia às novas exigências. Nenhum programa específico foi previsto para acolher esses trabalhadores no futuro.

O visto de estudante também seguirá um sistema de pontuação para “talentos de todo o mundo”, com a condição de que tenham recebido uma proposta de um estabelecimento britânico, falem inglês e possam custear sua estada.

Os cidadãos da UE e de outros países que têm acordos com o Reino Unido não precisarão de vistos para viagens inferiores a seis meses.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Empresa japonesa testa nova molécula contra a Covid-19

O grupo japonês Fujifilm anunciou nesta quarta-feira (1) o início de testes clínicos de seu medicamento antigripal Avigan para avaliar sua eficácia contra o novo coronavírus. Até o final de junho, o produto vai ser …

Razão pela qual tubarões caçam em torno da Europa e EUA é revelada

Tubarões e grandes prestadores marinhos evitam caçar em águas quentes equatoriais e preferem viver mais ao norte e ao sul, em zonas que compreendem a Europa, os Estados Unidos e a África do Sul. Os tubarões …

Os distanciamentos do coronavírus mudaram a maneira como a Terra se move

As pessoas têm ficado em casa para diminuir a velocidade com a qual o novo coronavírus se espalha. Mas essa atitude pode significar que o planeta também está se movendo um pouco menos. Pesquisadores que estudam …

Facebook não quis investigar desinformação vinda de site norte-americano

“Facebook” e “transparência” são duas palavras que geralmente estão juntas em pautas mais espinhosas, e desta vez não é diferente: segundo uma reportagem veiculada pelo jornal norte-americano The New York Times, a rede social mais …

Maduro denuncia navio turístico 'pirata' português que afundou embarcação da Marinha venezuelana

O presidente venezuelano Nicolás Maduro denunciou o ataque e afundamento de um barco da Marinha da Venezuela por um navio turístico "pirata", a noroeste da ilha de La Tortuga. Na noite de segunda-feira (30), o navio …

Mundo do futebol tenta atenuar perdas financeiras com reduções de salários

O mundo do futebol, como qualquer actividade que gera dinheiro e emprega pessoas, começa a sentir os efeitos do confinamento visto que em quase todas as partes do mundo não se pratica futebol e os …

Políticos da oposição pedem renúncia de Bolsonaro em manifesto

Haddad, Ciro, Boulos e outras lideranças endossam documento crítico à atuação do presidente diante da pandemia de coronavírus. Texto diz que Bolsonaro é um líder irresponsável e agrava a crise com mentiras e crimes. Políticos da …

Economia alemã pode encolher até 5,4% em 2020

Conselho de Consultores Econômicos aponta que pandemia de coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão ainda no primeiro semestre deste ano. A pandemia do novo coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão …

Tênis da Apple nunca comercializado é vendido em leilão por R$ 50 mil

  Você já ouviu falar dos tênis da Apple? Se disse não, está entre a maioria, porque a grande parte das pessoas, mesmo os fãs mais ardorosos da companhia, talvez sequer saibam que esses calçados tenham …

Coronavírus: custo alto pode deixar países mais pobres sem acesso a vacina contra covid-19

A geneticista molecular Kate Broderick faz parte de uma equipe de cientistas por trás de um dos 44 projetos que tentam desenvolver uma vacina para a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, em todo …