Trump diz que não deseja uma guerra com o Irã

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Presidente sugere que Teerã está por trás de ataque à refinaria saudita, mas evita fazer acusação direta e diz que os EUA não vão descartar via diplomática para lidar com a crise.

O presidente Donald Trump declarou nesta segunda-feira (17/09) que o Irã parece estar por trás do ataque a instalações petrolíferas da Arábia Saudita, que foi oficialmente reivindicado por rebeldes iemenitas houthis. Mas o americano também disse que “gostaria de evitar uma guerra” com os iranianos.

Ao falar com jornalistas na Casa Branca, Trump foi questionado se a inteligência americana acredita que o ataque, que afetou 5% da produção global de petróleo, teve participação iraniana. “Parece que sim, ainda vamos dizer”, afirmou o presidente, evitando dar uma confirmação definitiva, ao contrário do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que no domingo acusou diretamente Teerã pelo ataque.

Não quero guerra com ninguém (…) Certamente gostaríamos de evitá-la“, disse Trump a jornalistas na Casa Branca ao ser perguntado sobre um possível conflito bélico entre os EUA e o Irã.

Além disso, o presidente americano descartou que a via diplomática esteja fora da mesa. “Não, nunca se esgotou. Nunca se sabe o que vai acontecer. Sei que querem entrar em acordo, em algum momento funcionará”, disse ele, em referência à queda de braço entre Washington e Teerã em relação ao programa nuclear iraniano.

Trump também disse que os EUA estão “mais bem preparados” que o Irã, por terem “os melhores sistemas de armas do mundo”. “Temos um nível muito alto de munição. Estávamos em um nível muito baixo quando cheguei”, destacou.

As declarações foram feitas por Trump ao lado do príncipe herdeiro do Bahrein, Salman bin Hamad al Khalifa, em cujo reino fica a base da 5° Frota americana.

As declarações de Trump ocorreram logo depois de os sauditas afirmarem que investigações preliminares conduzidas pelo reino apontarem que “as armas usadas no ataque eram armas iranianas”. Mas, assim como Trump, os sauditas também evitaram culpar diretamente o Irã.

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, se limitou a afirmar que as ameaças do Irã contra o país não afetam somente a região do Oriente Médio. Ele também anunciou a abertura de uma investigação sobre os ataques do sábado contra refinarias da petrolífera estatal Aramco.

“As ameaças iranianas não são dirigidas somente para o reino, mas seus efeitos atingem o Oriente Médio e o mundo”, disse Bin Salman em conversa com o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, segundo a agência de notícias estatal SPA.

Esta foi a primeira reação oficial de um integrante do governo saudita após os ataques do sábado. Os rebeldes houthis que dominam parcialmente o Iêmen, apoiados pelo Irã, reivindicaram a autoria da ação no noroeste da Arábia Saudita.

Em paralelo, a agência publicou o comunicado do Ministério de Relações Exteriores da Arábia Saudita. Na nota, o país também não acusa diretamente o Irã de lançar esse ataque e anuncia que vai convidar especialistas internacionais e da ONU para participar das investigações.

“O reino vai tomar todas as medidas oportunas à luz dos resultados dessas investigações, de modo que garanta nossa segurança e nossa estabilidade. (…) Foi um ataque contra o fornecimento de energia mundial e é uma extensão dos atos hostis anteriores aos que foram expostos usinas de bombeamento da Aramco usando armas iranianas”, afirmou a nota.

Horas antes, o porta-voz da coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita, Turki al Maliki, afirmou em entrevista coletiva que as armas eram iranianas. O país ainda investiga de onde os drones usados no ataque partiram, mas Maliki descarta que a origem seja o Iêmen, como reivindicam os houthis.

O Irã nega a autoria dos ataques, e o presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse que a agressão foi conduzida pelo “povo iemenita” em retaliação aos ataques da coalizão liderada pelos sauditas na guerra do Iêmen, que já dura quatro anos.

O ataque contra duas refinarias da petrolífera saudita, a maior do mundo, afetaram a produção, reduzida em 5,6 milhões de barris por dia. O corte teve impacto direto no mercado, fazendo os preços do petróleo dispararem.

O conflito do Iêmen começou no fim de 2014, quando os houthis invadiram a capital do país, Sana, e depuseram o presidente Abdo Rabbo Mansour Hadi, hoje exilado na Arábia Saudita.

Os sauditas e seus aliados árabes intervêm militarmente no conflito desde março de 2015 para tentar derrotar os houthis e recolocar Hadi no poder.

// DW

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …