Vacina contra gastroenterite pode ser eficaz contra câncer, mostra pesquisa

PAHO / WHO

O estudo, realizado por um grupo de cientistas franceses do Centro de Pesquisa em Cancerologia de Lyon, mostrou que a vacina usada para prevenir a gastroenterite em crianças pode provocar a morte de células cancerígenas e também ser associada à imunoterapia.

O câncer é a segunda causa de morte no mundo e a busca por tratamentos mais eficazes, com menor custo e efeitos colaterais é objeto de pesquisas de cientistas em todo o mundo. Em 2018, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), 9,6 milhões de pessoas morreram vítimas da doença, 70% delas em países de baixa renda.

Nos últimos anos, a imunoterapia – técnica que consiste em ativar o sistema imunológico contra as células cancerígenas –, surgiu como uma alternativa revolucionária no tratamento de pacientes com metástases de cânceres do pulmão ou da bexiga, por exemplo. O problema é que a taxa de sucesso ainda é baixa: entre 10% e 25% dos doentes são resistentes à terapia.

Uma equipe de pesquisadores franceses estuda maneiras de vencer essa resistência. Os cientistas realizaram testes em laboratório, in vitro, e descobriram que a vacina usada contra os rotavírus, que provocam a gastroenterite, pode matar as células cancerígenas. Em ratos, associada à imunoterapia, ela ajudou o sistema imunológico a vencer o tumor. Os resultados estarreceram a equipe, explica a pesquisadora Sandrine Valsesia-Wittmann, uma das responsáveis pelo estudo.

No total, 14 vacinas fabricadas de vírus vivos, previamente diluídas, foram usadas na pesquisa. Os vírus foram separados dos excipientes. “Testamos todas as vacinas disponíveis em modelos de células e observamos a capacidade delas. Temos um sistema no laboratório que permite verificar se elas se ativam ou não”, explica.

Na verdade, a ideia de ativar artificialmente o sistema imunológico, da mesma maneira quando pegamos um resfriado, por exemplo, já existe e foi colocada em prática em pesquisas similares nos Estados Unidos.

As moléculas, entretanto, são obtidas através de um processo complexo de síntese genética em laboratório, longo e oneroso. A originalidade do estudo francês é o custo e a simplificação do processo. “Nossa originalidade foi se questionar se as vacinas poderiam atuar da mesma maneira. Um laboratório já havia tentado com a BCG, a vacina contra a tuberculose”, explica.

Das vacinas testadas na pesquisa, três usadas contra a gastroenterite tiveram resultados satisfatórios em ratos. “Primeiramente testamos em um modelo pediátrico, e tivemos resultados espetaculares. Percebemos que as vacinas tinham uma função oncolítica, ou seja, matavam especificamente as células tumorais, ativando excessivamente o sistema imunológico. Os vírus foram injetados diretamente nos tumores. “É uma terapia intratumoral. A palavra de ordem é tratar localmente para ter um efeito sistêmico.

Na execução do estudo, a equipe usou camundongos transgênicos. Em laboratório, os pesquisadores fizeram com que o animal desenvolvesse um tumor, a partir de dois modelos de neuroblastoma, um câncer infantil extracraniano que atinge as células do sistema nervoso simpático.

Em termos fisiológicos e de imunidade, explica a cientista, o modelo utilizado é muito próximo do tumor humano, o que deixa a equipe ainda mais otimista.

Tratamento curou camundongos com câncer

Os mesmos testes, ressalta, com os mesmos efeitos, também foram observados em modelos de cânceres humanos em adultos, o que deverá facilitar a obtenção de fundos para os testes clínicos – o recrutamento de crianças é extremamente difícil. Cerca de 30 cânceres diferentes foram testados e todos reagiram ao tratamento. Entre eles, o do colón, linfomas e o do seio. Após três injeções, os camundongos estavam curados.

Uma das barreiras para dar início aos testes clínicos, diz francesa, é o retorno do investimento, que deve compensar o custo da pesquisa. Uma dura realidade quando se trata da vida de pessoas que poderiam ser salvas e resistem à imunoterapia. “Recebi muitas ligações de pacientes, que tiveram recaídas. Para mim é difícil, lutamos para isso. Estamos ao lado do hospital, vemos as crianças…”

Outra questão é que a vacina é autorizada no mercado para um tipo específico de prescrição para as crianças, que é a via oral. Na pesquisa, a equipe de Sandrine injetou a substância diretamente no tumor.

“A autorização que existe, nesse caso, não é válida, e vamos ter que trabalhar nessa autorização. É o que estamos fazendo atualmente. ” A boa notícia é que uma versão injetável da vacina está prestes a chegar ao mercado, o que vai facilitar o trabalho da equipe. “Isso fará com que diminua o prazo para obter a autorização para os testes.”

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Farmacêutico dos EUA que danificou centenas de doses da Moderna declarou-se culpado

O farmacêutico que tentou sabotar quase 600 doses da vacina da Moderna do Aurora Medical Center, no estado norte-americano de Wisconsin, se declarou culpado. O farmacêutico norte-americano Steven Brandenburg, de 46 anos, se declarou culpado por …

Cepa brasileira eleva preocupação mundial com mutações do coronavírus

A variante do coronavírus do Amazonas, assim conhecida por ter sido detectada pela primeira vez em pessoas que estiveram no estado brasileiro, ao lado de cepas identificadas no Reino Unido e na África do Sul, …

AstraZeneca nega que venderá vacinas ao setor privado

A farmacêutica soltou um comunicado após o governo federal brasileiro ter dado aval para empresas privadas adquirirem um lote de 33 milhões de doses do imunizante. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro comemorou a possibilidade. A …

Islândia começa a emitir 'passaportes de vacinação' em meio à polêmica na UE

A Islândia emitiu seus primeiros "certificados" de vacinação destinados a facilitar as viagens de pessoas vacinadas contra a Covid-19, os chamados "passaportes de vacinação", segundo informações das autoridades nesta terça-feira. Ela se tornou um …

Governo alemão rejeita especulações sobre baixa eficácia da vacina de Oxford

Ministério da Saúde sugere que jornais confundiram proporção de idosos no estudo da AstraZeneca com percentual de eficácia em pessoas acima de 65 anos. Imbróglio deve ser esclarecido com análise de reguladores europeus. O ministro da …

Cidade é a 1 ª da América do Norte a ter doação automática de órgãos

A Nova Escócia acaba de se tornar a primeira jurisdição na América do Norte a implementar a doação automática de órgãos para quem vive na região. A nova Lei de Doação de Órgãos e Tecidos Humanos …

O maior mar da lua Titã pode ter mais de 300 metros de profundidade

Os oceanos da Terra não são os únicos que guardam vários mistérios ainda não explorados: os lagos e mares de Titã, a maior lua de Saturno, também são enigmáticos. Assim, em um novo estudo, astrônomos …

Xi deixa alerta para Biden: protecionismo norte-americano pode gerar 'nova Guerra Fria'

O líder chinês deixou um aviso para o presidente norte-americano, Joe Biden: os EUA arriscam entrar em uma nova Guerra Fria se continuarem com as políticas protecionistas do ex-presidente Donald Trump. Em um discurso virtual na …

Polícia prende ladrões que abriam túmulos e roubavam crânios para rituais nos EUA

A polícia do condado de Lake, no estado da Flórida, nos EUA, prendeu dois homens acusado de violarem sepulturas e roubarem crânios e ossos no cemitério Edgewood, na região. A investigação utilizou DNA encontrado em charuto, …

Instituto Pasteur abandona projeto de vacina contra Covid-19

O Instituto Pasteur da França anunciou nesta segunda-feira o abandono do seu principal projeto de vacina contra a Covid-19, após os resultados decepcionantes dos primeiros testes clínicos. "As respostas imunológicas induzidas foram inferiores às observadas …