Vingança pode ter efeitos benéficos no humor

Os psicólogos David Chester e Nathan DeWall decidiram testar a ideia de que a rejeição social desencadeia uma necessidade de reparar o humor de qualquer maneira, inclusive através da satisfação de prejudicar quem nos fez sofrer.

Os especialistas da Universidade de Kentucky, nos EUA, pediram a 156 participantes que escrevessem um texto que depois trocaram com outros participantes para receber feedback sobre o que redigiram.

Uma parte dos participantes recebeu um feedback negativo – realizado, em segredo, pelos especialistas – e os restantes receberam um comentário positivo.

Chester e DeWall mediram o humor antes e depois de os participantes terem a oportunidade de expressar uma forma simbólica de agressão – como espetar alfinetes numa boneca de vodu.

Segundo o estudo, publicado no Journal of Personality and Social Psychology, essa atitude reparou o humor dos participantes rejeitados, até ao ponto em que foi impossível distingui-los daqueles que receberam um feedback positivo.

Os psicólogos concluíram que a vingança pode, realmente, impulsionar o bom humor. Mas será que as pessoas se comportam de um modo agressivo de propósito?

Para responder a esta questão, Chester e DeWall reuniram 154 participantes, que tomaram um comprimido que supostamente melhoraria as suas habilidades cognitivas. Alguns indivíduos foram informados que o comprimido tinha um efeito colateral peculiar – o seu humor ficaria inalterável. No entanto, todas as alegações eram falsas.

Depois, todos os participantes jogaram um jogo no qual tinham que passar uma bola para outros dois jogadores (que eram, na verdade, controlados pelos especialistas). Os indivíduos no grupo da rejeição receberam a bola menos vezes do que o outro grupo.

No final do jogo, os participantes avaliaram o quão rejeitados se sentiram, e tiveram a oportunidade de se vingar com um segundo jogo contra um dos parceiros anteriores.

Na maioria das vezes, os participantes que tinham sofrido uma rejeição optaram por uma maior vingança contra o seu opositor. Mas tal não aconteceu com os participantes que achavam que o comprimido tinha tornado o seu humor inalterável.

Os participantes do grupo do “humor fixo” foram afetados pelo desprezo porque as suas avaliações de rejeição eram tão altas como as dos outros participantes, mas como pensavam que não tinham nenhuma razão para melhorar o humor, não sentiram a necessidade de agir de modo agressivo.

Apesar de terem investigado apenas a agressão inspirada pela rejeição, Chester e DeWall revelam que esta descoberta pode explicar outras situações em que a violência parece ser vista como uma solução plausível para aliviar o mau humor.

Os psicólogos revelam que “as pessoas procuram a provocação para obter um efeito positivo associado à agressão retaliatória”, mas deviam optar por alternativas melhores como a reflexão, meditação e outras atividades semelhantes.

Ciberia // Hypescience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …