Vingança pode ter efeitos benéficos no humor

Os psicólogos David Chester e Nathan DeWall decidiram testar a ideia de que a rejeição social desencadeia uma necessidade de reparar o humor de qualquer maneira, inclusive através da satisfação de prejudicar quem nos fez sofrer.

Os especialistas da Universidade de Kentucky, nos EUA, pediram a 156 participantes que escrevessem um texto que depois trocaram com outros participantes para receber feedback sobre o que redigiram.

Uma parte dos participantes recebeu um feedback negativo – realizado, em segredo, pelos especialistas – e os restantes receberam um comentário positivo.

Chester e DeWall mediram o humor antes e depois de os participantes terem a oportunidade de expressar uma forma simbólica de agressão – como espetar alfinetes numa boneca de vodu.

Segundo o estudo, publicado no Journal of Personality and Social Psychology, essa atitude reparou o humor dos participantes rejeitados, até ao ponto em que foi impossível distingui-los daqueles que receberam um feedback positivo.

Os psicólogos concluíram que a vingança pode, realmente, impulsionar o bom humor. Mas será que as pessoas se comportam de um modo agressivo de propósito?

Para responder a esta questão, Chester e DeWall reuniram 154 participantes, que tomaram um comprimido que supostamente melhoraria as suas habilidades cognitivas. Alguns indivíduos foram informados que o comprimido tinha um efeito colateral peculiar – o seu humor ficaria inalterável. No entanto, todas as alegações eram falsas.

Depois, todos os participantes jogaram um jogo no qual tinham que passar uma bola para outros dois jogadores (que eram, na verdade, controlados pelos especialistas). Os indivíduos no grupo da rejeição receberam a bola menos vezes do que o outro grupo.

No final do jogo, os participantes avaliaram o quão rejeitados se sentiram, e tiveram a oportunidade de se vingar com um segundo jogo contra um dos parceiros anteriores.

Na maioria das vezes, os participantes que tinham sofrido uma rejeição optaram por uma maior vingança contra o seu opositor. Mas tal não aconteceu com os participantes que achavam que o comprimido tinha tornado o seu humor inalterável.

Os participantes do grupo do “humor fixo” foram afetados pelo desprezo porque as suas avaliações de rejeição eram tão altas como as dos outros participantes, mas como pensavam que não tinham nenhuma razão para melhorar o humor, não sentiram a necessidade de agir de modo agressivo.

Apesar de terem investigado apenas a agressão inspirada pela rejeição, Chester e DeWall revelam que esta descoberta pode explicar outras situações em que a violência parece ser vista como uma solução plausível para aliviar o mau humor.

Os psicólogos revelam que “as pessoas procuram a provocação para obter um efeito positivo associado à agressão retaliatória”, mas deviam optar por alternativas melhores como a reflexão, meditação e outras atividades semelhantes.

Ciberia // Hypescience

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Fábrica russa eliminará deficiências na produção da Sputnik V de acordo com recomendações da OMS

Em resultado de inspeções efetuadas na Rússia, o grupo de especialistas da Organização Mundial da Saúde fez várias observações sobre a fabricação da vacina Sputnik V. Estas são ligadas principalmente à proteção do meio ambiente …

Brasil ultrapassa Índia e volta a ser líder mundial em mortes diárias por coronavírus

Em meio ao avanço da terceira onda da pandemia, o Brasil ultrapassou a Índia e voltou à liderança do número de mortes diárias por covid-19 registradas, em média. São mais de 2.000 óbitos registrados por …

Rajadas rápidas de rádio ajudarão a mapear distribuição de matéria no universo

O novo levantamento dos dados coletados pelo radiotelescópio CHIME (Canadian Hydrogen Intensity Mapping Experiment) resultou em mais de 500 rajadas rápidas de rádio devidamente catalogadas, todas feitas durante o primeiro ano de atuação do telescópio. Agora, …

Lider da UE chama lei húngara anti-LGBT de vergonha

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirma que vai usar poderes de que dispõe para garantir direitos de todos os cidadãos do bloco. Países pediram à UE que agisse. A presidente da Comissão Europeia, …

Apesar de ter vacinado mais da metade da população, Israel teme 2ª onda de Covid

O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, alertou nesta terça-feira que o país pode enfrentar uma nova onda de coronavírus. Segundo ele, o aumento do número de doentes, causado pela chegada da variante Delta, “importada” por …

Cientistas resolvem enigma de esculturas de pedra de 3.200 anos da Turquia

Um recente estudo permitiu descobrir finalmente o significado e a função dos relevos em pedra criados há 3.200 anos no santuário de Yazilikaya, na Turquia, após 200 anos de conjeturas. No século XIII a.C., a alguns …

EUA não devem esperar retomada do diálogo com Pyongyang, diz irmã de Kim Jong-un

As expectativas de retomada do diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte são erradas, podendo levar a uma "decepção ainda maior", declarou a irmã do líder norte-coreano. Na terça-feira (22), Kim Yo Jong, alta …

Ministro da Saúde diz que não há mudança de estratégia para a Coronavac

No início desta segunda-feira (21), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, revelou que não haverá qualquer mudança de estratégia para a aplicação da CoronaVac. A declaração do ministro foi feita em audiência ao Senado Federal, revelando …

Há 80 anos, Hitler invadia a URSS – e começava a perder a guerra

Adolf Hitler e seus generais vinham planejando há meses para este momento. No domingo, 22 de junho de 1941, havia chegado a hora: às 3h15 da manhã, a Wehrmacht, forças armadas nazistas, atacou a União …

Com apenas 2% da população imunizada, África quer fabricar suas próprias vacinas anticovid

A África do Sul anunciou nesta segunda-feira a primeira etapa para capacitar seu continente na produção de vacinas anticovid. A conclusão do projeto ainda não tem data prevista, mas a iniciativa já é vista …