CEO do Twitter defende banimento de Trump da rede social

(dr) Boris Baldinger / Fórum Econômico Mundial Copyright do Fórum Econômico Mundial / Boris Baldinger

Jack Dorsey diz que medida resulta do “fracasso” da plataforma em mediar diálogo saudável e admite que pode abrir “precedente perigoso”. Proibição veio após presidente dos EUA insuflar apoiadores que invadiram Capitólio.

O CEO da rede social Twitter, Jack Dorsey, defendeu a decisão de sua empresa de banir um de seus mais populares usuários, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Trump é acusado de insuflar seus apoiadores a invadirem o Capitólio na semana passada, naquilo que muitos consideram como uma “insurreição” ou tentativa de golpe de Estado por parte do presidente. O republicano, inclusive, se tornou o primeiro ocupante da Casa Branca a sofrer dois impeachments durante seu mandato, pela Câmara dos Representantes.

Após o ataque à sede do Congresso, Trump continuou a postar conteúdos potencialmente inflamatórios no Twitter, que, segundo afirmou Dorsey, representavam um risco à segurança pública e criaram “circunstâncias extraordinárias e inadmissíveis” para a rede social.

Depois de suspender temporariamente o perfil do presidente logo após a invasão do Capitólio, a plataforma decidiu na última sexta-feira bani-lo de forma permanente, além de derrubar suas tentativas de driblar a proibição ao utilizar outras contas na rede social.

“Não comemoro e tampouco sinto orgulho de banir Donald Trump do Twitter”, afirmou Dorsey, ao expressar o posicionamento da empresa em uma série de postagens na plataforma nesta quinta-feira (14/01).

“Depois de um claro alerta de que nós iriamos agir, tomamos a decisão”, disse, antes de acrescentar que “injúrias offline como resultado de discursos online são comprovadamente reais, e é isso que orienta a nossa política”.

“Fracasso em promover diálogo saudável”

“Sinto que essa proibição resulta do nosso fracasso em promover o diálogo saudável. É hora de refletirmos sobre nossas operações e o ambiente que nos cerca”, afirmou.

Dorsey admitiu que o banimento de Trump abre um precedente perigoso, no que diz respeito ao que chamou de “poder que um indivíduo ou corporação possui sobre parte da conversa global pública”.

“Ter de adotar essa ações é algo que fragmenta o diálogo público. Elas nos dividem. Limitam o potencial para esclarecimento, redenção e aprendizado.”

“A verificação e prestação de contas sobre esse poder sempre foi o fato de que um serviço como Twitter é uma pequena parte de uma conversação pública maior que acontece na internet. Se as pessoas não concordarem com nossas regras e suas aplicações, elas podem simplesmente buscar outros serviços na internet,”, disse o CEO.

O acesso de Trump às mídias sociais, que ele utilizou como seu principal meio de comunicação durante sua presidência – com uma clara predileção pelo Twitter – foi, na maior parte, cortado após os distúrbios em Washington.

Outras plataformas como o Facebook, Instagram, Twitch e Snapchat também o baniram, enquanto o Youtube suspendeu temporariamente a sua conta. As empresas afirmam que o presidente em fim de mandato poderia utilizá-las para incitar novos atos de violência até a posse do presidente eleito Joe Biden, no da 20 de janeiro.

Apoiadores de Trump abandonam Twitter

Nesta segunda-feira, o Twitter foi ainda mais longe e anunciou a suspensão de mais de 70 mil perfis ligados à teoria da conspiração Qanon, seguida por apoiadores de Trump. O movimento de extrema direita baseado numa teoria da conspiração segundo a qual o presidente combate secretamente uma seita mundial composta por pedófilos satanistas, a maioria deles democratas.

Desde o banimento de Trump, cada vez mais seguidores do presidente abandonam o Twitter e tentam boicotar outras gigantes da internet, como a Apple, Google e Amazon. Essas empresas fecharam o acesso à plataforma Parler. As empresas acusam a rede social utilizada por apoiadores de Trump e grupos de direita de ser leniente demais com conteúdos de incitação à violência.

Marco Verweij, professor de Ciência Política da Universidade Jacobs, de Bremen, observa que as pessoas que acreditam na existência de um “Estado oculto” que atua contra Trump se sentem agora empoderadas pelas suspensões e banimentos.

Ele afirma que a debandada do Twitter e outros meios deve fortalecer plataformas alternativas como o Rumble, concorrente do Youtube, ou o Gab, uma rede social semelhante ao Twitter utilizada por conservadores, entre estes, o senador republicano Ted Cruz.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Em pior momento da pandemia, Bolsonaro critica 'mimimi' e diz que brasileiro tem que enfrentar vírus

Um dia após o registro de novo recorde diário de mortes pela covid-19 no país, o presidente Jair Bolsonaro deu uma série de declarações dando a entender que o choro pelas vítimas é "frescura" e …

89% dos norte-americanos veem a China como inimiga ou concorrente

A maioria dos norte-americanos não vê a China como parceira e expressa preocupações crescentes sobre o histórico de direitos humanos e as práticas econômicas de Pequim, revelou uma nova pesquisa do Pew Research Center nesta …

Governadores pedem a Bolsonaro maior esforço por vacinas

Em meio ao pior momento da epidemia de covid-19 no Brasil, os governadores de 14 estados brasileiros enviaram nesta quinta-feira (04/03) uma carta ao presidente Jair Bolsonaro pedindo um maior esforço para a compra de …

Nova Zelândia lança alerta de tsunami e ordena retirada de habitantes da costa nordeste

Um alerta de tsunami foi emitido após um forte terremoto de magnitude 7,8 nas remotas ilhas Kermadec, na Nova Zelândia, no oceano Pacífico. As autoridades determinaram a retirada de todos os habitantes do litoral …

União Europeia começa exame contínuo da vacina russa Sputnik V

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) deu início ao exame contínuo do dossiê de registo da vacina Sputnik V para verificar sua conformidade com as normas europeias de eficácia, segurança e …

Afrouxar uso de máscaras é "pensamento neandertal", diz Biden

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, criticou nesta quarta-feira (03/03) a decisão dos estados do Texas e do Mississippi de suspender a obrigatoriedade do uso máscaras para conter a propagação do coronavírus. O democrata …

Argentina só vai habilitar motoristas que fizerem curso sobre igualdade de gênero

A partir de março e 2021 quem quiser tirar carteira de habilitação na Argentina terá de estudar mais do que somente as leis de trânsito, o funcionamento do automóvel e a própria condução de um …

ONGs denunciam grupo Casino na Justiça francesa por desmatamento na Amazônia

Organizações de defesa do meio ambiente e dos povos indígenas denunciaram nessa quarta-feira (3) o grupo Casino na Justiça francesa. A empresa é acusada de responsabilidade no desmatamento da Amazônia através da venda de …

Físico cria algoritmo de IA que pode provar que a realidade é uma simulação

Um cientista criou um algoritmo de computador que pode levar a descobertas transformadoras em energia e cuja própria existência levanta a probabilidade de que nossa realidade possa realmente ser uma simulação. O algoritmo foi criado pelo …

The Crown "é baseada na verdade", diz Harry que dá ideia de convívio com família real

Principe Harry defendeu a série “The Crown” da Netflix, dizendo que – embora não fosse “estritamente preciso” – retratava as pressões da vida dentro da família real. Em uma entrevista com James Corden, do programa americano …