Esse novo tratamento alivia a depressão em 90% dos pacientes

De acordo com uma nova pesquisa americana, um tratamento com estimulação magnética transcraniana pode ser muito eficaz para pessoas com depressão severa: em um experimento, foi capaz de aliviar os sintomas em 90% dos pacientes.

Normalmente, pacientes com depressão tomam antidepressivos e fazem terapia. Este tipo de tratamento, no entanto, pode não funcionar para algumas pessoas, especialmente as com sintomas severos.

O novo estudo se utilizou de uma técnica não invasiva chamada de “estimulação magnética transcraniana”, que usa campos eletromagnéticos para estimular células nervosas no cérebro, desenvolvendo uma forma mais rápida e concentrada para tratar indivíduos com depressão severa.

A tecnologia resultante, chamada de “Stanford Accelerated Intelligent Neuromodulation Therapy”, ou simplesmente SAINT, levou 90% de 21 pacientes resistentes a outras terapias a experimentar alívio.

“Esta é realmente uma maneira de ativar uma região do cérebro que foi desativada pela depressão de maneira personalizada”, disse um dos autores do estudo, o neuropsiquiatra Nolan Williams da Universidade de Stanford (EUA), ao portal Inverse.

A estimulação magnética transcraniana típica é concentrada em uma área do cérebro chamada de córtex pré-frontal dorsolateral, que regula funções como recuperar memórias ou inibir comportamentos inadequados.

No caso do SAINT, os pesquisadores focaram a estimulação a um circuito entre o córtex pré-frontal dorsolateral e o cingulado subgenual, uma parte do cérebro hiperativa em pessoas que sofrem de depressão. O objetivo era diminuir o excesso de atividade.

Os cientistas também aumentaram a intensidade da terapia: em sessões de estimulação magnética regulares, os médicos utilizam 600 pulsos. Em sessões de SAINT, os pesquisadores usaram 1.800 pulsos, uma taxa que já tinha sido testada em condições neurológicas como Parkinson.

Os participantes fizeram 10 sessões de 10 minutos de SAINT por dia, com intervalos de 50 minutos entre elas, por cinco dias. Normalmente, a estimulação magnética requer um tratamento de seis semanas com sessões únicas diárias.

Os pesquisadores avaliaram a função cognitiva dos pacientes antes e depois de eles receberem o tratamento SAINT, e não encontraram nenhum efeito colateral. Alguns participantes tiveram dor de cabeça e fatiga depois de sessões, mas estes efeitos não duraram.

No final do estudo, a habilidade dos participantes de alternar entre tarefas mentais e resolver problemas melhorou significativamente, um resultado típico para pessoas que não estão mais depressivas.

Em alguns pacientes, os indicadores de humor mostraram que eles não possuíam mais depressão depois de apenas um dia de tratamento. Outros só chegaram a esse estado depois de todos os cinco dias de terapia. Em média, três dias de SAINT eram suficientes para os pacientes sentirem alívio dos sintomas.

Um mês após a terapia, 60% dos participantes ainda estavam em remissão, ou seja, sem sintomas de depressão. Dependendo da resistência a tratamento dos pacientes, os efeitos positivos podiam durar até um ano.

“É muito mais dramático do que qualquer coisa vista com antidepressivos orais ou tratamentos convencionais para depressão”, resumiu Williams.

De fato, nenhuma outra terapia aberta (o que significa que os pacientes sabiam o que estavam recebendo) contra a condição ultrapassou a taxa de 55% de remissão.

No caso da estimulação magnética típica, 50 a 60% das pessoas viram melhoras nos sintomas e um terço entrou em remissão.

Estudos maiores estão atualmente em andamento para determinar até quando os efeitos antidepressivos do SAINT podem durar.

A configuração agora é de um ensaio clínico randomizado controlado, no qual apenas metade dos participantes recebe o tratamento, e ninguém sabe quem o está recebendo.

Segundo Williams, um segundo regime de SAINT deve “reativar” os efeitos positivos da terapia em pacientes.

A esperança é de que este experimento mais complexo ofereça novas evidências dos benefícios do SAINT, levando à aprovação do tratamento pela Administração de Drogas e Alimentos americana.

“O objetivo é ter esse tratamento disponível assim que for humanamente possível. Esse é o nosso foco”, concluiu Williams. Um artigo sobre a pesquisa foi publicado na revista científica American Journal of Psychiatry.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Não é apenas o coronavírus: surto de ebola retorna ao Congo

Foi confirmada, pelo ministro da Saúde do Congo, a descoberta de novos casos de Ebola na província de Équateur. O último surto do vírus altamente mortal ocorreu em 2018 e matou 33 pessoas no país. O …

Coronavírus: São Paulo se prepara para reabertura com 70% de leitos ocupados

O governo estadual de São Paulo ordenou a reabertura gradual dos estabelecimentos comerciais a partir dessa terça-feira (2). A gestão diz se basear no índice de infecções do novo coronavírus por cidade. Mesmo com 70% …

Júpiter é tão grande que quase virou um sol

Júpiter é o maior planeta do sistema solar. Assim, bem maior mesmo. Do tipo se você pegar todos os outros planetas e juntar suas massas, não chega nem aos pés dele. Nem mesmo metadinha. Esse gigante …

União Europeia pede que EUA reconsiderem sua decisão de cortar relações com a OMS

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o chefe de relações internacionais da União Europeia, Josep Borrell, pediram neste sábado (30) que os Estados Unidos “reconsiderem a decisão anunciada” de romper …

Astronautas da NASA chegam à ISS em nave da SpaceX e entram para a história

Depois de viajarem pelo espaço por 19 horas, os astronautas Bob Behnken e Doug Hurley chegaram à Estação Espacial Internacional (ISS) a bordo da nave Crew Dragon alguns minutos antes do previsto. O lançamento histórico aconteceu …

Nova Zelândia se encontra em cima de enorme bolha de lava, segundo pesquisa

Durante os anos 70, pesquisadores propuseram a teoria de que o interior do planeta se agita lentamente como uma bolha de lava. Estas bolhas flutuantes surgem como plumas do manto derretido do centro da Terra, onde …

Alemães usam criatividade para manter distanciamento social

Até final de junho, distância mínima está em vigor em espaços públicos. Instituições de cultura encontraram meios engenhosos para reunir grupos com segurança. Ideias vão de chapéu com boia até orações em estacionamento. Com medidas de …

YouTube exibe mais de 100 filmes de ‘Cannes’ e outros festivais de cinema durante quarentena

Assim como outros eventos do cinema em 2020, o ‘Festival de Cannes’ foi cancelado em função da pandemia do novo coronavírus. Já os festivais de Veneza e Toronto, previstos para setembro, ainda são incertos. Mas, …

Moradores do Catar compram novos celulares para escapar de aplicativo espião anti-Covid

Os aplicativos para smartphones destinados a rastrear pessoas infectadas com o novo coronavírus se tornaram instrumentos de controle das atividades de milhares de cidadãos, principalmente em países não democráticos. É o caso do emirado do Catar, …

Apenas 22% das empresas têm recursos para manter atividades por mais um mês, diz CNI

Levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) diz que apenas 22% das empresas têm recursos para manter atividades por mais um mês diante da crise do coronavírus. O relatório aponta que 45% das empresas podem …