EUA: “Trump tenta manter opções em aberto” para eleições presidenciais de 2024

Gage Skidmore / Flickr

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

Não demorou muito para Donald Trump se recuperar de sua derrota – que, aliás, ele ainda não reconhece. No domingo (28), o ex-presidente encerrou a Conferência de Ação Política Conservadora em Orlando, na Flórida.

Diante de uma multidão de conservadores, ele criticou Joe Biden e os republicanos que o decepcionaram. Mas, se Trump descartou a ideia de criar um novo partido, a questão de seu retorno em 2024 permanece sem resposta. Para entender melhor o processo, a RFI entrevistou Jeremy Ghez, especialista na vida política norte-americana.

“Donald Trump esteve bem à vontade no retorno à sua vida política”, diz Jeremy Ghez. “Trump é um animal político cuja morte anunciamos diversas vezes, mas esse animal demonstra muita vontade de continuar a exercer um papel na vida política norte-americana”, analisa.

Ghez considera que a perpétua negação de Trump de sua derrota nas eleições presidenciais de 2020 faz parte de sua “imagem de marca”. “Ele sempre explicou à Terra inteira que ele era uma figura que o establishment tentava assassinar politicamente e, na verdade, os resultados ‘roubados’ da eleição são simplesmente a prova disso”, afirma o autor e pesquisador francês.

“Essa marca de fábrica o permite de conversar um certo elã político sobre aproximadamente um terço do eleitorado norte-americano, para quem esse tipo de discurso funciona maravilhosamente”, diz.

Para Ghez, a prudência de Trump se deve ao fato de seus advogados o terem prevenido de não se pronunciar de forma brusca, sobretudo sobre os eventos do 6 de janeiro, quando o Capitólio foi invadido.

Processo criminal?

“Ele corre um risco grande em caso de um processo criminal potencial, mas, além disso tudo, não tenho certeza que Trump tenha vontade de ser novamente presidente. Penso que ele mantém sobretudo ambições midiáticas e de influência na vida política norte-americana, mas não diria que se sente atraído por um novo mandato”, afirma. “Ele tenta manter suas opções em aberto, e é isso que ele fez em sua volta ao palco da política”, disse.

Ghez não acredita que Trump vá optar por criar um novo partido, depois de ter participado ativamente da desagregação do Partido Republicano, conservador, nos Estados Unidos. “Primeiro, isso custaria terrivelmente caro e ele não teria garantias de sucesso”, analisa.

A divisão do Partido Republicano está em curso há quatro anos. A tradição conservadora tentou se apropriar de Donald Trump para ganhar a Casa Branca, mas nunca esteve verdadeiramente alinhada com sua visão populista do mundo”, diz o especialista.

“Hoje em dia alguns se dizem que, finalmente, a receita de Trump não era assim tão ruim, afinal ele teve 74 milhões de votos e foi capaz de abocanhar uma fatia do eleitoral tradicional democrata, indo buscar a população mais vulnerável, sobretudo no norte do país”, analisa.

“Esse debate dominará a cena política norte-americana pelos próximos dois anos e será apaixonado, porque será necessário indicar qual caminho o Partido Republicano finalmente seguirá”, conclui.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Merkel é premiada por compromisso com a União Europeia

"Somente uma Europa unida é uma Europa forte", diz a líder alemã ao receber o prêmio Carlos 5º. Rei espanhol destaca pragmatismo e confiabilidade da chanceler federal, descrevendo-a como uma "mulher extraordinária". Prestes a deixar o …

França: crianças pobres são ainda mais vulneráveis à poluição do ar, aponta relatório

O Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a rede mundial Climate Action Network International, que reúne associações que lutam contra o aquecimento global, divulgaram, nesta quinta-feira (14), o relatório "Injustiça social …

'Love is in the Bin': a obra semidestruída de Banksy vendida a R$ 121 milhões em leilão

Uma obra de arte de Banksy que se autodestruiu parcialmente em um leilão anterior foi arrematada agora a um preço recorde de 16 milhões de libras (cerca de R$ 121 milhões). Love is in the Bin …

EUA tentam virar a página da era Trump e voltam ao Conselho de Direitos Humanos da ONU

Os Estados Unidos voltaram, nesta quinta-feira, ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, órgão que o país havia deixado durante o mandato de Donald Trump. O retorno mostra a vontade de Washington de fazer …

Explosões deixam vários mortos em mesquita no Afeganistão

Ao menos 33 pessoas morrem após explosões em mesquita xiita durante a oração de sexta-feira. Testemunha diz ter visto homens-bomba. Incidente ocorre dias depois de ataque do "Estado Islâmico" contra xiitas no país. Fortes explosões atingiram …

Vênus tinha oceanos? Cientistas refutam hipótese popular usando modelagem

Cientistas da Suíça e França refutaram a hipótese de que anteriormente Vênus era coberta por oceanos. Um novo estudo revela que mesmo no início, quando o Sol era mais fraco do que agora, a superfície …

Suspeito de ataque na Noruega era fichado na polícia por radicalização

Convertido ao islã e conhecido da polícia, dinamarquês de 37 anos teria usado outras armas além de arco e flecha em ataque que matou cinco pessoas em Kongsberg. Ele está preso e reconheceu envolvimento no …

Oposição manobra para destituir Piñera no Chile por citação nos Pandora Papers

Deputados de todos os partidos da oposição chilena apresentaram uma acusação no Congresso nesta quarta-feira (13) para destituir o presidente Sebastián Piñera pela controversa venda de uma mineradora em um paraíso fiscal, revelada no escândalo …

Fatores externos influenciam, mas não justificam inflação a dois dígitos no Brasil

A recuperação do impacto brutal da pandemia de coronavírus leva a inflação a subir na maioria dos países do mundo, mas a conjuntura internacional não explica o nível chegar a dois dígitos no Brasil. …

UE anuncia 1 bilhão de euros em ajuda ao Afeganistão

União Europeia justifica que é preciso evitar "colapso" no país e fornecer ajuda humanitária aos afegãos. Paralelamente, representantes do bloco europeu e dos EUA se reúnem com membros do Talibã em Doha, no Catar. O Talibã …