Fernández não terá margem de manobra para política econômica de esquerda na Argentina

maicopupsa / Flickr

Alberto Fernández

A eleição do peronista Alberto Fernandez já no primeiro turno na Argentina deixou claro que os argentinos sancionaram o presidente liberal Mauricio Macri e desejam uma mudança de rumos na gestão da economia, que se encontra em frangalhos.

No entanto, a margem de manobra do futuro líder vai ser limitadíssima: Fernandez tentará implementar receitas de centro-esquerda num país afundado em dívidas e com uma inflação acumulada que pode chegar a 60% no fim do ano.

“Ele quer reorientar o modelo mais em direção à demanda, o mercado interno. Mas ele terá limitações muito fortes de orçamento. O problema do financiamento e dos investimentos externos permanece muito grande para conseguir controlar a inflação e poder imaginar medidas para diminuir a pobreza e aumentar o poder aquisitivo”, sublinha o pesquisador franco-argentino Dario Rodríguez, do Observatório Político da América Latina e do Caribe da Sciences Po, de Paris. Em setembro, a pobreza atingiu inéditos 35% da população.

Durante a campanha eleitoral, Fernández transmitiu um discurso apaziguador, orientado ao centro e insistindo sobre o projeto de renegociar os prazos e os juros da dívida astronômica com o Fundo Monetário Internacional (FMI), de US$ 56 bilhões, que sufoca os caixas do país.

No entanto, ninguém sabe até que ponto a ex-presidente Cristina Kirchner, eleita na chapa como vice-presidente, influenciará na nova gestão. O perfil intervencionista de Cristina é o maior pesadelo das instituições e credores internacionais.

Não sei se Fernández tem muita opção, porque a inflação já é galopante, o mercado internacional não tem confiança na Argentina – e se a Cristina realmente mandar nos bastidores, vai confiar ainda menos. Para completar, a conjuntura internacional não ajuda nada atualmente”, observa o economista Gabriel Gimenez-Roche, professor da Neoma Business School, da capital francesa.

Sem maioria no Parlamento, Fernandez terá de negociar

O economista argentino Carlos Winograd, que dá aulas na Paris School of Economics (PSE), ressalta que, a despeito da ausência de um passado eleitoral – Fernández jamais passou pelo crivo das urnas -, o novo presidente é um grande articulador político. A experiência será crucial para um governo que não terá maioria parlamentar.

Ele também poderá se beneficiar de alguns ajustes iniciados por Macri, que baixou o déficit primário de 5 para 1,5% do PIB. “A macroeconomia teve um ajuste importante no último um ano e meio, e isso, hoje, pode ser um ativo para Fernández. Parte do ajuste fiscal para dar sustentabilidade à economia e reduzir a necessidade de endividamento já foi feita. Mas isso dá uma liberdade para uma política expansiva muito limitada”, afirma Winograd.

“Outra frente que está aberta é a da negociação internacional. O FMI tem interesse em resolver essa situação: seria inteligente das duas partes promoverem uma negociação em especial para reestruturar os prazos de pagamento”, diz.

Mercosul ameaçado

A interação com o seu maior parceiro regional, o Brasil, também é uma incógnita. Fernandez e o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, trocaram farpas antes e depois da eleição argentina. Brasília chegou a evocar a possibilidade de se retirar do Mercosul ou trabalhar para afastar Buenos Aires do bloco – medidas que seriam desastrosas para os dois lados, frisa Gabriel Gimenez-Roche.

“Acredito que ele poderia adotar uma postura hostil à Argentina, sobretudo se a Cristina Kirchner realmente se mostrar como a verdadeira autoridade por trás do novo governo. O problema é que os dois países são muito dependentes um do outro: como país isolado, a Argentina é o maior mercado brasileiro, assim como a Argentina depende de muitos produtos brasileiros”, explica o economista da Neoma Business School. “Se o Mercosul cai, ambos começarão a adotar protecionismo e não vai ser bom para ninguém.”

Carlos Winograd acrescenta que, diante da conjuntura internacional desfavorável, a melhor estratégia é encontrar integrações inteligentes, “a começar pela própria casa” – que, para o Brasil e a Argentina, significa o Mercosul.

“Em algum momento, tem que primar os homens de Estado, e não os políticos em campanha. Os dois países têm muito a ganhar jogando juntos na cena internacional, ainda mais no cenário atual, com conflitos comerciais entre Estados Unidos e China e com a instabilidade financeira ligada à intensa globalização financeira”, pontua o professor da PSE. “A construção e o desenvolvimento do Mercosul é fundamental para o bem-estar desses países.”

Os analistas ouvidos pela RFI consideram precipitado associar a eleição de Fernandez na Argentina e os protestos contra as desigualdades sociais no Chile a uma mudança de rumos políticos e econômicos na América Latina. As realidades dos países, frisam, são profundamente distintas e não podem ser comparadas no momento atual.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

George W. Bush: o suposto plano para matar ex-presidente dos EUA desbaratado pelo FBI

Um simpatizante do Estado Islâmico planejava assassinar o ex-presidente dos EUA George W. Bush, mas o plano foi descoberto pelo FBI (polícia federal americana), segundo autoridades dos Estados Unidos. O suspeito, um residente de Ohio, supostamente …

O que se sabe sobre misterioso surto de varíola dos macacos

Casos recentes da doença na América do Norte e Europa acenderam o alerta entre especialistas. Endêmico na África, vírus é transmitido por animais contaminados e por contato próximo prolongado entre pessoas. Autoridades de saúde na América …

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …