Fernández não terá margem de manobra para política econômica de esquerda na Argentina

maicopupsa / Flickr

Alberto Fernández

A eleição do peronista Alberto Fernandez já no primeiro turno na Argentina deixou claro que os argentinos sancionaram o presidente liberal Mauricio Macri e desejam uma mudança de rumos na gestão da economia, que se encontra em frangalhos.

No entanto, a margem de manobra do futuro líder vai ser limitadíssima: Fernandez tentará implementar receitas de centro-esquerda num país afundado em dívidas e com uma inflação acumulada que pode chegar a 60% no fim do ano.

“Ele quer reorientar o modelo mais em direção à demanda, o mercado interno. Mas ele terá limitações muito fortes de orçamento. O problema do financiamento e dos investimentos externos permanece muito grande para conseguir controlar a inflação e poder imaginar medidas para diminuir a pobreza e aumentar o poder aquisitivo”, sublinha o pesquisador franco-argentino Dario Rodríguez, do Observatório Político da América Latina e do Caribe da Sciences Po, de Paris. Em setembro, a pobreza atingiu inéditos 35% da população.

Durante a campanha eleitoral, Fernández transmitiu um discurso apaziguador, orientado ao centro e insistindo sobre o projeto de renegociar os prazos e os juros da dívida astronômica com o Fundo Monetário Internacional (FMI), de US$ 56 bilhões, que sufoca os caixas do país.

No entanto, ninguém sabe até que ponto a ex-presidente Cristina Kirchner, eleita na chapa como vice-presidente, influenciará na nova gestão. O perfil intervencionista de Cristina é o maior pesadelo das instituições e credores internacionais.

Não sei se Fernández tem muita opção, porque a inflação já é galopante, o mercado internacional não tem confiança na Argentina – e se a Cristina realmente mandar nos bastidores, vai confiar ainda menos. Para completar, a conjuntura internacional não ajuda nada atualmente”, observa o economista Gabriel Gimenez-Roche, professor da Neoma Business School, da capital francesa.

Sem maioria no Parlamento, Fernandez terá de negociar

O economista argentino Carlos Winograd, que dá aulas na Paris School of Economics (PSE), ressalta que, a despeito da ausência de um passado eleitoral – Fernández jamais passou pelo crivo das urnas -, o novo presidente é um grande articulador político. A experiência será crucial para um governo que não terá maioria parlamentar.

Ele também poderá se beneficiar de alguns ajustes iniciados por Macri, que baixou o déficit primário de 5 para 1,5% do PIB. “A macroeconomia teve um ajuste importante no último um ano e meio, e isso, hoje, pode ser um ativo para Fernández. Parte do ajuste fiscal para dar sustentabilidade à economia e reduzir a necessidade de endividamento já foi feita. Mas isso dá uma liberdade para uma política expansiva muito limitada”, afirma Winograd.

“Outra frente que está aberta é a da negociação internacional. O FMI tem interesse em resolver essa situação: seria inteligente das duas partes promoverem uma negociação em especial para reestruturar os prazos de pagamento”, diz.

Mercosul ameaçado

A interação com o seu maior parceiro regional, o Brasil, também é uma incógnita. Fernandez e o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, trocaram farpas antes e depois da eleição argentina. Brasília chegou a evocar a possibilidade de se retirar do Mercosul ou trabalhar para afastar Buenos Aires do bloco – medidas que seriam desastrosas para os dois lados, frisa Gabriel Gimenez-Roche.

“Acredito que ele poderia adotar uma postura hostil à Argentina, sobretudo se a Cristina Kirchner realmente se mostrar como a verdadeira autoridade por trás do novo governo. O problema é que os dois países são muito dependentes um do outro: como país isolado, a Argentina é o maior mercado brasileiro, assim como a Argentina depende de muitos produtos brasileiros”, explica o economista da Neoma Business School. “Se o Mercosul cai, ambos começarão a adotar protecionismo e não vai ser bom para ninguém.”

Carlos Winograd acrescenta que, diante da conjuntura internacional desfavorável, a melhor estratégia é encontrar integrações inteligentes, “a começar pela própria casa” – que, para o Brasil e a Argentina, significa o Mercosul.

“Em algum momento, tem que primar os homens de Estado, e não os políticos em campanha. Os dois países têm muito a ganhar jogando juntos na cena internacional, ainda mais no cenário atual, com conflitos comerciais entre Estados Unidos e China e com a instabilidade financeira ligada à intensa globalização financeira”, pontua o professor da PSE. “A construção e o desenvolvimento do Mercosul é fundamental para o bem-estar desses países.”

Os analistas ouvidos pela RFI consideram precipitado associar a eleição de Fernandez na Argentina e os protestos contra as desigualdades sociais no Chile a uma mudança de rumos políticos e econômicos na América Latina. As realidades dos países, frisam, são profundamente distintas e não podem ser comparadas no momento atual.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

"Não comemorei ou me orgulhei de ter banido Trump do Twitter", diz Jack Dorsey

Em uma série de tuítes, Jack Dorsey, cofundador e CEO do Twitter, defendeu o banimento de Donald Trump da rede social na última sexta-feira (8). Segundo o executivo, essa foi a medida certa para a …

EUA adicionam Xiaomi e mais 8 empresas chinesas à lista de companhias ligadas a militares

Departamento de Defesa dos EUA lista Xiaomi e mais oito empresas por ligações com militares chineses. Para analistas, a listagem é um "frenesi final" do governo Trump em sua campanha anti-China. Na quinta-feira (14), o Departamento …

Petrobras é a segunda maior do mundo em operações no oceano

Entre as 100 maiores corporações transnacionais que operam nos oceanos mundo afora, a Petrobras aparece em segundo lugar. A lista, divulgada nesta quarta-feira (13/01), é parte de uma pesquisa publicada na renomada revista Science Advances, …

Estudo detecta pela 1ª vez em que resulta colisão de 3 buracos negros

Um novo estudo da agência espacial norte-americana NASA revela novas informações sobre o que acontece após colisões entre três buracos negros supermassivos. Com a ajuda do Observatório de Raios X Chandra, da NASA, e vários outros …

5 razões por que 2021 pode ser um ano crucial na luta contra o aquecimento global

O mundo tem um tempo limitado para agir de modo a evitar os piores efeitos das mudanças climáticas. A pandemia de covid-19 foi o grande problema de 2020, sem dúvida, mas espera-se que, até o final …

Supremo da Coreia do Sul confirma 20 anos de prisão para ex-presidente

O Supremo Tribunal confirmou hoje a condenação a 20 anos de prisão pronunciada em 2017 contra a ex-presidente Park Geun-hye, destituída nesse mesmo ano depois de ser reconhecida culpada de corrupção e abuso de poder. …

Esse homem só pode tentar adivinhar a própria senha mais duas vezes para recuperar $236 milhões de dólares em Bitcoin

Com altas recentes no preço do Bitcoin, um fenômeno infeliz está surgindo: pessoas que acumularam incríveis fortunas na criptomoeda estão percebendo que perderam as senhas das suas carteiras digitais criptografadas. Stefan Thomas, um programador em São …

Vacina contra covid-19: a estratégia do país que decidiu vacinar os jovens antes dos idosos

A Indonésia lançou um programa de vacinação em massa gratuito contra a covid-19 em uma tentativa de impedir a propagação do vírus e fazer sua economia voltar a se aquecer. Mas o país está adotando uma …

Com popularidade a mil, Signal vai contratar mais pessoas e otimizar recursos

Recentemente, o Canaltech noticiou que um simples tweet publicado pelo empresário Elon Musk fez com que o Signal, um mensageiro instantâneo conhecido por respeitar a privacidade de seus usuários e ser 100% em código aberto, …

Palácio mais antigo da China de 5.300 anos é descoberto perto de antiga capital

Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem cerca de 5.300 anos, sendo possivelmente a …