“A família do Bolsonaro está muito preocupada comigo e com a Argentina”, diz Alberto Fernández

maicopupsa / Flickr

Alberto Fernández

O presidente argentino, Alberto Fernández, respondeu ao deputado Eduardo Bolsonaro, que afirmou nas redes sociais que “a Argentina virou uma calamidade” e afirmou que “o país foi destruído pelo governo socialista” de Fernández.

Duas semanas depois do Brasil e da Argentina selarem uma trégua nos ataques verbais entre os presidentes Jair Bolsonaro e Alberto Fernández, que afetam as relações entre os dois principais parceiros na região, o deputado Eduardo Bolsonaro voltou a provocar fricção ao publicar no Twitter que o seu pai, Jair Bolsonaro, “acertou quando previu que a situação na Argentina viraria uma calamidade“.

“Assista estes (sic) depoimentos de cidadãos argentinos e veja como o país foi destruído por seu governo socialista em poucos meses”, atiçou o deputado em um vídeo editado de 2’19”. Nas imagens, Alberto Fernández aparece advertindo aos empresários que “chegou a hora de ganharem menos” devido à quarentena.

No vídeo, aparecem cinco testemunhos de pequenos e médios empresários argentinos que tiveram os seus negócios comprometidos devido à quarentena. Os testemunhos são reais e foram exibidos pelo canal Todo Notícias, o principal do país em Jornalismo.

No final do vídeo, o presidente Alberto Fernández, que avisava aos empresários que deveriam ganhar menos, aparece recusando-se a diminuir o seu próprio salário, a exemplo de vários presidentes de países da região.

A família do Bolsonaro está muito preocupada comigo e com a Argentina. Não sei. Não posso dizer muito sobre o que esse senhor disse”, respondeu Alberto Fernández em referência a Eduardo Bolsonaro, durante uma entrevista com o mesmo canal Todo Notícias.

Sobre a relação com Bolsonaro, Fernández disse “não o conhecer”, mas que “a relação entre a Argentina e o Brasil é indissolúvel”, reforçando a sua estratégia de referir-se ao Brasil ou ao “povo brasileiro”, mas não diretamente ao presidente Jair Bolsonaro.

Tênue trégua

Depois de oito meses de farpas e provocações de um lado e do outro, emperrando a relação bilateral, eixo da integração regional, Brasil e Argentina tinham ensaiado uma trégua depois do encontro, em Brasília, entre o presidente Jair Bolsonaro e o novo embaixador argentino no Brasil, Daniel Scioli. No último dia 19, o embaixador argentino levou uma mensagem de reconciliação de Alberto Fernández e antecipou que planeja o primeiro encontro entre os dois líderes até o final do ano.

“Para a Argentina, qualquer desencontro com o Brasil ficou no passado“, disse Daniel Scioli depois da reunião. “Queremos, de coração, o melhor para a Argentina”, reforçou Bolsonaro.

A crítica do deputado Eduardo Bolsonaro ao presidente Alberto Fernández encontra eco em boa parte da população argentina, principalmente os segmentos médio e alto, que acusam o governo argentino de usar a ferramenta da quarentena como única estratégia para conter o número de vítimas, pulverizando, consequentemente, a economia. A quarentena argentina foi renovada até, pelo menos, o próximo dia 20 de setembro, quando completará 184 dias, a mais prolongada do mundo.

“Não existe quarentena”

Nas últimas semanas, o presidente Alberto Fernández passou a negar que exista uma quarentena. A situação, em sua opinião, é um “isolamento sanitário” de grupos de risco.

Não existe quarentena. A quarentena supõe o confinamento total de uma comunidade. Isso não existe. Nós pedimos um isolamento sanitário àqueles que estão numa situação de maior risco, maiores de idade e pessoas com doenças pré-existentes. O resto da população circula, sai de casa”, disse Fernández, acusando a imprensa de publicar uma mentira.

“Os jornais podem publicar que estamos em quarentena, mas é mentira. É falso”, insistiu, apesar de o país não permitir aulas presenciais, uso do transporte público para quem não for de um trabalho considerado essencial, circulação de pessoas e de veículos sem permissão especial, voos domésticos e internacionais, reuniões de amigos e parentes que não convivam ou crianças nas ruas das áreas mais povoadas do país.

Risco de colapso

Mesmo assim, depois de um isolamento iniciado em 20 de março, a Argentina passou a ter mais de 10 mil casos diários, apesar de ser um dos países que menos testa na região. Ao mesmo tempo, a Sociedade Argentina de Terapia Intensiva difundiu, nas últimas horas, uma carta na qual adverte que os profissionais da Saúde “sentem que estão perdendo a batalha” e que “na maioria das unidades do país, existe um altíssimo nível de ocupação” das Unidades de Terapia Intensiva.

Diante do risco de saturação do sistema, Alberto Fernández admitiu que monitora os números para evitar um colapso e que pode, de uma hora para outra, “apertar o botão vermelho”, isto é, voltar à primeira fase do isolamento, experimentada durante abril, quando a economia argentina despencou 26,4%.

Pode haver um ‘botão vermelho’ porque eu não vou deixar que todo o esforço seja perdido. Em muitos lugares, a utilização dos leitos de UTI cresceu significativamente. Eu não vou permitir que essa situação chegue a um ponto de colapso. Estou acompanhando a ocupação dos leitos de UTI dia-a-dia”, avisou o presidente argentino.

// RFI

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

EUA: Estudo traz primeiros resultados 'promissores' de vacina de RNA mensageiro contra Aids

Uma vacina usando a tecnologia de RNA mensageiro, a mesma que algumas vacinas contra a Covid-19, pode ser usada desta vez contra a Aids. É o que mostram os primeiros resultados promissores de testes …

Viagem de Lula à Argentina visa fortalecer governo de Fernández e teoria de lawfare contra Kirchner

O ex-presidente Lula será o primeiro estrangeiro a discursar diante de uma multidão na Praça de Maio, em Buenos Aires, em um ato destinado a renovar o vínculo do governo argentino com o seu …

Após EUA, vários países se mobilizam em boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim

Reino Unido, Austrália, Canadá, Nova Zelândia seguiram os passos dos Estados Unidos e anunciaram que também vão participar do “boicote diplomático” aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim, previstos para fevereiro. Os países acusam …

Musk anuncia que Neuralink testará microchips neuronais em humanos em 2022

O bilionário e empreendedor norte-americano referiu que já testou com sucesso um implante cerebral em um macaco, e quer agora que essa tecnologia seja aplicada em humanos. Os humanos poderão ter implantes cerebrais da empresa Neuralink …

Cientistas americanos encontram substância contra coronavírus em algas para sushi

Biólogos americanos esperam que sua descoberta ajude na criação de tratamentos antivírus com base em plantas. Os cientistas determinaram que o sulfato de rhamnan – polissacarídeo componente das algas verdes Monostroma nitidum, utilizadas para embrulhar o …

Mulheres comandam metade dos ministérios no governo Scholz

Futuro chanceler confirma nomes finais do seu governo, que deverá começar os trabalhos ainda esta semana. Percentual de mulheres no comando de ministérios federais é o maior da história da Alemanha. O próximo chanceler federal da …

Biden e Putin fazem videoconferência para tentar resolver impasse na Ucrânia

Joe Biden e Vladimir Putin se preparam para uma vídeoconferência nesta terça-feira (7) em um momento em que as tensões entre Washington e Moscou se intensificam com rumores de uma iminente invasão da Ucrânia …

Aung San Suu Kyi é condenada a 4 anos de prisão

Líder deposta por golpe militar em Mianmar enfrenta série de acusações que a Anistia Internacional chama de falsas. Novo veredicto deve sair nos próximos dias. A líder deposta de Mianmar, Aung San Suu Kyi, foi condenada …

Em último vídeo do mandato, Merkel pede que população se vacine

A chanceler alemã Angela Merkel, que deixará o poder na próxima quarta-feira (8), voltou a defender neste sábado (4) a vacinação contra a Covid-19, no último de uma série de mais de 600 vídeos …

Descobrem na China ferramenta de marfim de 99 mil anos, possivelmente a mais antiga do país

Pesquisadores desenterraram uma pá de marfim datada de há cerca de 99.000 anos em um sítio arqueológico do Paleolítico na província chinesa de Shandong. Acredita-se que o objeto seja uma das primeiras ferramentas de osso utilizadas …