NASA quer saber se é possível fazer bebês no espaço

Matthew priteeboy / Deviant Art

A NASA quer descobrir se é possível o ser humano se reproduzir no espaço. Para isso, um grupo de cientistas vai enviar ao espaço esperma humano.

No ano passado, a NASA tinha anunciado que ia enviar ao espaço voluntários para descobrirem como se pode ter bom sexo no espaço. Isso pensando na hipótese de a humanidade querer se reproduzir e colonizar outros planetas.

Agora, um grupo de cientistas da agência espacial disse querer descobrir se é possível a reprodução humana no espaço, em ambiente de gravidade zero, enviando esperma, de forma a analisar seu comportamento em contexto de microgravidade.

Assim sendo, de acordo com o Futurism, na semana passada, a NASA enviou amostras de esperma humano para a Estação Especial Internacional (EEI) na última viagem do Falcon 9.

Se à primeira vista parece estranho que a NASA esteja enviando esse tipo de material ao espaço, basta pensar nas questões relacionadas com a reprodução humana no espaço estão começando a ganhar cada vez mais pertinência, em uma época em que surge mais interesse em aumentar a presença da humanidade fora do planeta.

À medida que as missões com humanos se tornem cada vez mais longas – e os planos para enviar humanos para o Planeta Vermelho implicam viagens de meses – e em que se multiplicam ideias de criar colônias permanentes em ambiente de gravidade zero, falar sobre sexualidade no espaço se torna cada vez mais incontornável.

Na prática, a Missão Micro-11 consiste em observar o comportamento de esperma humano e de touro e verificar se os espermatozoides conseguem se movimentar de forma livre e veloz o suficiente para se fundirem com o óvulo no espaço de microgravidade da EEI, apesar de não haver qualquer óvulo envolvido na experiência.

Depois, os cientistas vão recongelar o esperma e enviá-lo de volta à Terra, onde outra equipe de cientistas irá usar tecnologia semelhante à fertilização in vitro para testar sua capacidade de reprodução.

Essa não é a primeira vez que o comportamento de esperma é estudado no espaço. Em 2017, a NASA fez experiências com esperma de rato e concluiu que o mesmo conseguiu sobreviver, congelado, durante uma viagem de 9 meses até a EEI, conseguindo produzir ratos saudáveis quando voltou à Terra.

Em 1998, também foi demonstrado que os invertebrados aquáticos conseguem se reproduzir no espaço, designadamente, caracóis e pulgas d’água.

A nova experiência é de grande importância uma vez que os cientistas têm provas de experiências anteriores de que a falta de gravidade pode não afetar a “liberdade” do esperma, mas constitui um desafio maior para conseguir que os espermatozoides se fundam com o óvulo.

De acordo com o site da NASA, “atrasos ou problemas neste ponto podem impedir a fertilização no espaço”.

Mesmo que se conclua que os espermatozoides humanos são suficientemente eficientes para se fundir com o óvulo, diversas questões ficarão em aberto para a ciência: como se pode viver a sexualidade no espaço? Será concebível uma mulher dar à luz num contexto de microgravidade? As quantidades de radiação desse contexto teriam efeitos no bebê? Como a falta de gravidade pode afetar o desenvolvimento físico e cognitivo das crianças?

Questões que, por enquanto, ainda parecem pertencer ao campo da ficção científica, mas que ganham cada vez mais relevância na comunidade científica.

Ciberia // ZAP

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Empresa japonesa testa nova molécula contra a Covid-19

O grupo japonês Fujifilm anunciou nesta quarta-feira (1) o início de testes clínicos de seu medicamento antigripal Avigan para avaliar sua eficácia contra o novo coronavírus. Até o final de junho, o produto vai ser …

Razão pela qual tubarões caçam em torno da Europa e EUA é revelada

Tubarões e grandes prestadores marinhos evitam caçar em águas quentes equatoriais e preferem viver mais ao norte e ao sul, em zonas que compreendem a Europa, os Estados Unidos e a África do Sul. Os tubarões …

Os distanciamentos do coronavírus mudaram a maneira como a Terra se move

As pessoas têm ficado em casa para diminuir a velocidade com a qual o novo coronavírus se espalha. Mas essa atitude pode significar que o planeta também está se movendo um pouco menos. Pesquisadores que estudam …

Facebook não quis investigar desinformação vinda de site norte-americano

“Facebook” e “transparência” são duas palavras que geralmente estão juntas em pautas mais espinhosas, e desta vez não é diferente: segundo uma reportagem veiculada pelo jornal norte-americano The New York Times, a rede social mais …

Maduro denuncia navio turístico 'pirata' português que afundou embarcação da Marinha venezuelana

O presidente venezuelano Nicolás Maduro denunciou o ataque e afundamento de um barco da Marinha da Venezuela por um navio turístico "pirata", a noroeste da ilha de La Tortuga. Na noite de segunda-feira (30), o navio …

Mundo do futebol tenta atenuar perdas financeiras com reduções de salários

O mundo do futebol, como qualquer actividade que gera dinheiro e emprega pessoas, começa a sentir os efeitos do confinamento visto que em quase todas as partes do mundo não se pratica futebol e os …

Políticos da oposição pedem renúncia de Bolsonaro em manifesto

Haddad, Ciro, Boulos e outras lideranças endossam documento crítico à atuação do presidente diante da pandemia de coronavírus. Texto diz que Bolsonaro é um líder irresponsável e agrava a crise com mentiras e crimes. Políticos da …

Economia alemã pode encolher até 5,4% em 2020

Conselho de Consultores Econômicos aponta que pandemia de coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão ainda no primeiro semestre deste ano. A pandemia do novo coronavírus vai, inevitavelmente, levar a Alemanha a uma recessão …

Tênis da Apple nunca comercializado é vendido em leilão por R$ 50 mil

  Você já ouviu falar dos tênis da Apple? Se disse não, está entre a maioria, porque a grande parte das pessoas, mesmo os fãs mais ardorosos da companhia, talvez sequer saibam que esses calçados tenham …

Coronavírus: custo alto pode deixar países mais pobres sem acesso a vacina contra covid-19

A geneticista molecular Kate Broderick faz parte de uma equipe de cientistas por trás de um dos 44 projetos que tentam desenvolver uma vacina para a covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, em todo …