Zuckerberg quer controlar discussões políticas entre funcionários do Facebook

Kris Krug / Flickr

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook

Mark Zuckerberg não parece muito contente com as denúncias e discussões políticas que têm surgido em fóruns e redes internas de funcionários do Facebook.

De acordo com relatos da imprensa internacional, em encontro com eles nesta semana, o CEO da companhia afirmou que há um plano em andamento para controlar a forma como estas conversas acontecem, de forma que o debate seja incentivado, mas sem que outros colaboradores tenham que encarar tais questões durante o expediente sem que desejem fazer isso.

O foco, apontam reportagens da CNBC e do The Wall Street Journal, seriam temas polarizadores e questões sociais complexas, que seriam acompanhadas de perto. Segundo Zuckerberg, isso envolveria uma indicação de quais partes da ferramenta interna da empresa podem receber tais papos e, também, uma moderação “cuidadosa” das conversas, quando ocorrerem.

O objetivo, afirmou, seria explorar maneiras de preservar a cultura aberta da companhia e a liberdade dos colaboradores no ambiente de trabalho, com mais detalhes sobre as novas regras sendo revelados aos trabalhadores na próxima semana.

Além disso, Zuckerberg teria demonstrado seu suporte às minorias que trabalham na rede social, com o conjunto de novas normas, também, sendo idealizado para que elas se sintam mais seguras para denunciarem abusos. O pedido é que as conversas continuem acontecendo de forma profissional e respeitosa, principalmente no que toca temas sensíveis que envolvem o dia a dia de trabalho e o lide da rede social com questões externas.

A imprensa internacional aponta que as medidas não chegam por acaso. Não seria uma coincidência que, apenas nas duas últimas semanas, dois colaboradores do Facebook vieram à público com documentos publicados na rede interna da empresa, criticando a inação da plataforma diante de discurso de ódio, manipulação política e publicação de fake news, com impactos na política e na sociedade reais.

Comentando o assunto, o executivo de comunicações corporativas do Facebook, Joe Osborne, não relacionou as situações, mas disse que os novos princípios seguem indicações dos próprios colaboradores, que apoiam as discussões políticas mas desejam ter a opção de participar ou não delas no ambiente de trabalho. A ideia, afirma ele, é criar uma política que seja respeitosa e inclusiva, de acordo com os valores da companhia sobre a livre expressão.

Ele aponta, também, que as normas seguem tendências do mercado de tecnologia e ideias semelhantes estão sendo aplicadas em outras empresas do setor.

Osborne não falou sobre como tais regras poderiam coibir denúncias sobre o funcionamento da plataforma, afirmando apenas que novos detalhes devem ser liberados na próxima semana e que a ideia é manter os valores da rede social de pé, garantindo a liberdade dos colaboradores e, também, um ambiente de trabalho acolhedor.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

China consegue pousar veículo não tripulado em Marte

A China conseguiu neste sábado pousar um veículo autônomo não tripulado em Marte. A fase final da operação Tianwen-1 aconteceu sem falhas, informou a TV estatal chinesa, que transmitiu um programa especial chamado Alo …

Lewandowski permite que Pazuello fique em silêncio na CPI

Ex-ministro da Saúde será obrigado a comparecer ao depoimento, mas não precisará responder perguntas que possam incriminá-lo. No entanto, será obrigado a falar a verdade em fatos e questões relacionados a terceiros. O ministro do Supremo …

Como o coronavírus afeta o fígado

O SARS-CoV-2, vírus causador da covid-19, mudou completamente a cara do mundo que conhecíamos até então. Ele afetou praticamente todos os aspectos da vida cotidiana e causou mudanças substanciais nas ciências da saúde e, portanto, na …

'Síndrome de Havana': lesão cerebral atinge ao menos 130 diplomatas e oficiais americanos, dizem EUA

Diplomatas, agentes da CIA e oficiais de defesa dos EUA relataram sintomas graves da perturbação conhecida como "síndrome de Havana" nas últimas semanas. O elevado número de casos causa espanto. Nas últimas semanas, foram relatados mais …

RJ comunica 1º caso de raiva em cachorro em quase três décadas

Pela primeira vez desde 1995, o Laboratório Municipal de Saúde Pública (Lasp) do Rio de Janeiro diagnosticou um caso de raiva animal. A descoberta parte do resultado de perícia no corpo de um cão morto …

O que dizem cientistas sobre isenção de máscaras para vacinados nos EUA

Os Estados Unidos anunciaram nesta quinta-feira (13/05) o fim da obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção na maioria das situações para pessoas que já foram completamente vacinadas contra a covid-19. Segundo a nova orientação do …

Putin: Rússia reagirá de maneira devida às ameaças perto de suas fronteiras

Durante reunião com membros do Conselho de Segurança da Rússia nesta sexta-feira (14), o presidente da Rússia pediu que lhe fosse reportado sobre o agravamento do conflito israelo-palestino, que toca diretamente os interesses de segurança …

Covid: 16 mil pessoas foram imunizadas com doses de vacina trocadas no Brasil

Um levantamento de dados da Folha de São Paulo com informações do DataSUS, base de dados do Ministério da Saúde, mostrou que pelo menos 16 mil pessoas receberam doses de vacinas diferentes em seu processo …

Covid-19: diretor do Butantan prevê vacinação lenta até setembro no Brasil

Como diretor do Instituto Butantan desde 2017, Dimas Covas sempre precisou aliar o conhecimento técnico e científico com as particularidades do mundo político que, na visão dele, não parecem seguir uma lógica. E essa necessidade se …

Escalada de violência entre israelitas e palestinianos já fez mais de 100 mortos

O conflito entre israelitas e palestinianos subiu de tom na madrugada de hoje, com o Exército israelita a bombardear a faixa de Gaza. Desde segunda-feira já morreram 119 palestinianos nestes ataques, entre eles 31 …