Zuckerberg quer controlar discussões políticas entre funcionários do Facebook

Kris Krug / Flickr

Mark Zuckerberg, fundador do Facebook

Mark Zuckerberg não parece muito contente com as denúncias e discussões políticas que têm surgido em fóruns e redes internas de funcionários do Facebook.

De acordo com relatos da imprensa internacional, em encontro com eles nesta semana, o CEO da companhia afirmou que há um plano em andamento para controlar a forma como estas conversas acontecem, de forma que o debate seja incentivado, mas sem que outros colaboradores tenham que encarar tais questões durante o expediente sem que desejem fazer isso.

O foco, apontam reportagens da CNBC e do The Wall Street Journal, seriam temas polarizadores e questões sociais complexas, que seriam acompanhadas de perto. Segundo Zuckerberg, isso envolveria uma indicação de quais partes da ferramenta interna da empresa podem receber tais papos e, também, uma moderação “cuidadosa” das conversas, quando ocorrerem.

O objetivo, afirmou, seria explorar maneiras de preservar a cultura aberta da companhia e a liberdade dos colaboradores no ambiente de trabalho, com mais detalhes sobre as novas regras sendo revelados aos trabalhadores na próxima semana.

Além disso, Zuckerberg teria demonstrado seu suporte às minorias que trabalham na rede social, com o conjunto de novas normas, também, sendo idealizado para que elas se sintam mais seguras para denunciarem abusos. O pedido é que as conversas continuem acontecendo de forma profissional e respeitosa, principalmente no que toca temas sensíveis que envolvem o dia a dia de trabalho e o lide da rede social com questões externas.

A imprensa internacional aponta que as medidas não chegam por acaso. Não seria uma coincidência que, apenas nas duas últimas semanas, dois colaboradores do Facebook vieram à público com documentos publicados na rede interna da empresa, criticando a inação da plataforma diante de discurso de ódio, manipulação política e publicação de fake news, com impactos na política e na sociedade reais.

Comentando o assunto, o executivo de comunicações corporativas do Facebook, Joe Osborne, não relacionou as situações, mas disse que os novos princípios seguem indicações dos próprios colaboradores, que apoiam as discussões políticas mas desejam ter a opção de participar ou não delas no ambiente de trabalho. A ideia, afirma ele, é criar uma política que seja respeitosa e inclusiva, de acordo com os valores da companhia sobre a livre expressão.

Ele aponta, também, que as normas seguem tendências do mercado de tecnologia e ideias semelhantes estão sendo aplicadas em outras empresas do setor.

Osborne não falou sobre como tais regras poderiam coibir denúncias sobre o funcionamento da plataforma, afirmando apenas que novos detalhes devem ser liberados na próxima semana e que a ideia é manter os valores da rede social de pé, garantindo a liberdade dos colaboradores e, também, um ambiente de trabalho acolhedor.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

A consciência é um campo energético: afirma estudo

Uma nova ideia incomum em neurociência sugere que nossa consciência é derivada de um campo de ondas eletromagnéticas emitidas pelos neurônios quando disparam suas cargas elétricas. A ideia é que essas ondas de atividade elétrica sejam …

Pais gays viram alvo de investigações na Rússia

Alguns anos atrás, o advogado Vladimir (nome modificado), morador de uma grande cidade russa, decidiu ter um filho com o auxílio de uma mãe de aluguel. Sua família inteira ficou contente quando uma menina nasceu. …

Líbano: Saad Hariri volta ao posto de primeiro-ministro para formar novo governo

Saad Hariri foi nomeado novamente primeiro-ministro do Líbano, com o desafio de chegar a um acordo com as várias forças políticas do país e formar um governo capaz de realizar as reformas necessárias para …

Alunos incentivam câmeras ligadas para que professores não ‘falem’ com telas em branco

Para amenizar a sensação de solidão de professores em aulas online, alunos norte-americanos começaram a usar o TikTok para incentivar mais estudantes a abrirem as câmeras durante encontros educacionais à distância. A usuária da rede social …

Identificada a causa da maior extinção em massa na história da Terra

A vida na Terra tem uma história longa, mas também extremamente turbulenta. Em mais de uma ocasião, a maioria de todas as espécies foi extinta e uma biodiversidade já altamente desenvolvida reduziu para um mínimo …

Cães farejadores de covid: eficazes e baratos, mas esnobados

A Europa está em pânico em meio ao segundo surto de covid-19, com taxas de contágio explodindo e os PIBs despencando. A Bélgica acaba de anunciar que não mais testará cidadãos assintomáticos, mesmo que tenham …

Bolsonaro é avaliado positivamente por 37% da população, diz pesquisa

Entre os que souberam do dinheiro na cueca do senador Chico Rodrigues (52%), 74% não mudaram sua avaliação sobre o presidente Bolsonaro. Os que mais mudaram de opinião foram os pesquisados com ensino superior (26%) …

Tribunal Constitucional da Polônia invalida direito ao aborto por malformação do feto

O Tribunal Constitucional da Polônia invalidou nesta quinta-feira (22) uma disposição que permitia a interrupção voluntária da gravidez (IVG) em caso de malformação do feto. Uma vez que a decisão entre em vigor, apenas o …

Estudo descobre 1,8 bilhão de árvores no deserto do Saara e no Sahel

Um estudo publicado na revista Nature descobriu que na região do Saara Ocidental e no Sahel, há mais de um bilhão de árvores. No meio da aridez do local, a surpreendente descoberta colocou um novo …

Guerra Fria 2.0 entre EUA e China será uma batalha tecnológica, dizem especialistas

A batalha mundial pelo domínio da alta tecnologia está cada vez mais centrada em EUA e China. Com confronto aberto no caso da Huawei, especialistas do clube Valdai alertam para uma longa guerra fria tecnológica …