Depois de quase 100 anos desaparecida, pantera negra reaparece na África

Depois de quase 100 anos, panteras negras foram avistadas novamente na África, em locais não muito distantes de onde a Marvel colocou o cenário fictício de seu “Pantera Negra” indicado ao Oscar.

Uma equipe do Instituto de Pesquisa para Conservação do Zoológico de San Diego (EUA) e da Loisaba Conservancy (Quênia) confirmou a existência desse animal no condado de Laikipia, ao norte de Nairóbi, capital do Quênia. Outra imagem de alta qualidade de uma pantera negra foi tirada na mesma região pela Ol Ari Nyiro Conservancy em maio de 2007.

Antes desses avistamentos, a última observação confirmada desse majestoso predador na África havia sido em 1909, em Addis Abeba, capital da Etiópia. A descoberta foi anunciada em um artigo publicado em Janeiro na revista African Journal of Ecology.

“É certo que panteras negras estiveram lá o tempo todo, mas boas gravações que poderiam confirmar isso sempre estiveram ausentes até agora”, disse Nicholas Pilfold, biólogo do instituto de San Diego e autor principal da pesquisa, no Instagram.

“As panteras negras são incomuns, apenas 11% dos leopardos são negros. Na África, são extremamente raras”, explica Pilfold.

A pantera negra, também chamada de leopardo negro, nome científico Panthera pardus, é mais comumente encontrada no tropical e úmido Sudeste Asiático. Mas, aparentemente, o melanismo – a causa da coloração escura – também pode ser exibido em climas semiáridos, como o de Laikipia.

Na sequência de relatos não verificados do felino, a equipe de pesquisa instalou oito câmeras ao redor do Laikipia Wilderness Camp, com foco em fontes de água disponíveis e trilhas de animais.

De fevereiro a abril de 2018, cinco das câmeras gravaram imagens de uma jovem pantera negra fêmea. Ela apareceu sozinha em quatro vídeos noturnos – bebendo água de fontes artificiais ou carregando restos de uma presa – e, no único vídeo durante o dia, estava seguindo um leopardo fêmea adulto com pelagem regular.

Observações não confirmadas de setembro de 2017 dos dois leopardos juntos sugerem que a fêmea não melanista pode ser a mãe da pantera negra – em avistamentos anteriores, esta era menor em tamanho.

Leopardo melanístico

Apesar de serem chamados de negros, esses animais geralmente são marrom-escuros e têm o mesmo padrão de manchas que outros leopardos.

A coloração escura da pelagem dos leopardos melanísticos é atribuída a um gene recessivo que causa a perda da função normal.  Contudo, existem também teorias sugerindo que o melanismo poderia ter um fator ambiental.

“Acredita-se que o melanismo seja uma adaptação a ambientes em que uma coloração escura fornece camuflagem de predadores ou presas”, Pilfold explicou no artigo científico publicado no African Journal of Ecology.

Até recentemente, os leopardos eram considerados relativamente abundantes. Um estudo publicado em maio de 2016, entretanto, sugeriu que esses felinos perderam 75% de seu alcance desde 1750. Eles foram então classificados como “vulneráveis” na lista de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Três subespécies de leopardo são hoje classificadas como “criticamente ameaçadas” e outras duas como “ameaçadas”.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO:

Detectada "partícula fantasma" no Sol que confirma teoria da década de 1930

Uma equipe internacional de cientistas conseguiu, pela primeira vez, detectar diretamente a presença do ciclo carbono-nitrogênio-oxigênio (CNO) na fusão nuclear do Sol. Este ciclo representa uma das reações de fusão pelas quais as estrelas convertem hidrogênio …

Musk acertou? Tesla se aproxima dos US$ 500 bilhões de valor de mercado

Nesta segunda-feira (23), a Tesla atingiu o valor de mercado de US$ 498 bilhões. E isso em um momento em que não se sabe se a empresa vai conseguir atingir a sua meta de entregar …

Papai Noel é considerado 'trabalhador essencial' na Irlanda

Na mesma semana em que novas restrições de viagem foram colocadas em prática no Reino Unido e na Irlanda diante dos estragos causados pela segunda onda da pandemia de covid-19 na Europa, a Irlanda fez …

Especialistas da ONU advertem sobre viés racista em algoritmos

Os países devem fazer mais para combater o racismo, principalmente nos algoritmos de inteligência artificial utilizados para reconhecimento facial e controles policiais. Essas ferramentas podem reforçar discriminações, alertam especialistas da ONU. Segundo a especialista jamaicana …

Estudo de dentes de megalodonte revela segredos do tubarão de 18 metros

Especialistas em tubarões revelaram mais informações sobre um dos maiores predadores dos mares – o megalodonte. Nova pesquisa de dentes fossilizados da espécie Odotus megalodons, chamada também de megalodonte, sugere que os tubarões fêmeas desta espécie …

Escritor é alvo de censura e terá conta no Twitter suspensa por críticas contra Igreja Universal

O escritor J. P. Cuenca foi censurado por uma decisão judicial e terá sua conta do Twitter suspensa após o juiz da comarca de Campos dos Goytacazes (RJ), Ralph Machado Manhães Junior, acatar um pedido …

"Tesouro" espetacular de antigos artefatos de caça na Noruega é descoberto sob gelo derretido

Arqueólogos descobriram um “tesouro” de artefatos enquanto outra grande mancha de gelo derrete nas montanhas norueguesas, revelando um total de 68 flechas e muitos outros itens de um antigo local de caça de renas. As primeiras …

Não é mais 90%? AstraZeneca assume erro de eficácia da vacina da COVID-19

A AstraZeneca e a Universidade de Oxford, que estão desenvolvendo juntas uma vacina contra a COVID-19, revelaram na última quarta-feira (25) que houve um erro no momento da divulgação dos resultados dos testes da vacina …

6G colocaria China em posição de liderança 'inatacável' sobre EUA, diz analista

Enquanto os padrões de tecnologia 5G para redes celulares de banda larga ainda estão sendo implementados em vários países, a China recentemente lançou um satélite 6G em órbita. Descrito como o primeiro satélite 6G do mundo, …

Sri Lanka escava fosso para manter elefantes longe de lixão

Um fosso está sendo cavado ao redor de um lixão no Sri Lanka para impedir que elefantes invadam o local à procura de comida entre montes de resíduos plásticos. Os animais vão regularmente até o …